fbpx

127 anos depois da escravidão, preconceito resiste

Por Maya Santana
A princesa, aqui em foto tirada em Paris, em 1910, tinha 42 anos quando assinou a Lei Áurea

A princesa, em foto tirada em Paris, em 1910, tinha 42 anos quando assinou a Lei Áurea

Com dois dias de atraso, publico artigo sobre o 127º aniversário da Lei Áurea, que pôs fim à escravidão no Brasil, em 13 de maio de 1888. O artigo é da Folha de São Paulo. Abaixo, você vai ver o vídeo no qual Chico Buarque fala de racismo no Brasil. O neto e a neta do cantor, filhos do casamento de sua filha Sílvia com o cantor Carlinhos Brown, foram vítimas de racismo explícito no Rio de Janeiro.

Leia o artigo e veja o vídeo:

Era 13 de maio de 1888. O imperador dom Pedro 2º estava na Europa, em um tratamento de saúde, quando a princesa Isabel assinou a lei que libertou os negros da escravidão no Brasil. Ele estava longe de sua terra, mas sabia que a filha fazia história naquele dia.

Com 42 anos à época, Isabel havia visto durante toda a vida o sistema de trabalho escravo que o Império brasileiro adotava. O tráfico negreiro, que capturava homens, mulheres e crianças na África e os trazia em navios para o Brasil, estava proibido desde 1831, mas se mantinha mesmo ilegalmente nos tempos em que a princesa nascera.

Leia também:
“A princesa Isabel tinha personalidade e humor”

Do período em que o país era colônia de Portugal no século 16 (em que se deu a substituição dos índios pelos negros para fazer trabalhos forçados) até depois da independência, no 19, todos os ciclos econômicos utilizaram a mão-de-obra escrava. Seja nas plantações de cana-de-açúcar no Nordeste, na mineração de ouro, em Minas Gerais, ou no início das fazendas de café em São Paulo e no Rio.

Veja depoimento de Chico Buarque sobre o preconceito racial de que foram vítimas os netos do cantor e compositor:

Diante da situação, escravos se rebelavam e fugiam, mas se fossem encontrados, eram levados de volta aos donos e castigados com chicotadas, por exemplo.

Já alguns outros conseguiam comprar a carta de alforria, que significava pagar um valor por sua liberdade. Leia mais em www.folha.com.br

close

Inscreva-se para receber conteúdo incrível em sua caixa de entrada, todas as semanas

Prometemos que nunca enviaremos spam! Leia nossa Política de privacidade para mais detalhes.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais