fbpx

Livros recomendados para você que não quer brincar carnaval

Por Maya Santana
Jorge Félix no lançamento de seu livro mais recente, "Viver Muito"

Eu recomendo este livro de Jorge Félix, “Viver Muito”

Maya Santana

Daqui a uma semana, começa mais um carnaval – sexta, dia 6 de fevereiro até terça, dia 10. Não vou pular nem participar de qualquer bloco carnavalesco. E imagino que, como eu, muitas pessoas farão o mesmo. Ou seja, vão ignorar a folia. Com o batuque distante dos ouvidos, esse é um período propício para se ler. Pensando nisso, copiei esta lista elaborada pelo jornalista, pesquisador do envelhecimento e professor Jorge Félix, com um total de 10 livros, todos tratando do tema envelhecimento, em seus mais diferentes ângulos. Antes de passar para a lista, eu quero fazer a minha própria recomendação: “Viver Muito”, de Jorge Félix, Editora Leya. É um livro essencial para quem se interessa pelo assunto.

Dê uma olhada na lista. E boa leitura!

1) “O brilho do bronze”, de Boris Fausto
Excelente. Diário do professor da USP, escrito depois da morte de sua mulher. Corajoso e divertido. Imperdível para quem estuda o tema.

2) “O ancião que saiu pela janela e desapareceu”, de Jonas Jonasson
Sucesso mundial. Muito citado em trabalhos acadêmicos. Uma aventura divertida de um centenário que não quer a festa de aniversário de seus 100 anos.

3) “Patrimônio”, de Philip Roth
É meu autor predileto sobre o tema. O livro é o depoimento real e romanceado dos tempos que Roth cuidou do pai octogenário.

4) “A marca humana”, de Philip Roth
Uma discussão econômica sobre o envelhecer à luz do capitalismo do século XXI. Cito muito em meu livro e em artigos.

5) “O fantasma sai de cena”, de Philip Roth
Reli recentemente e continua sendo uma descoberta.

6) “O homem lento”, de J.M. Coetzee
É outro autor que gosto e passou a se dedicar ao tema em seus romances. Também cito um trecho em “Viver Muito”.

7) “O ladrão do tempo”, de John Boyne.
O autor de “O menino do pijama listrado” troca o holocausto pelo envelhecimento. Ou o não envelhecimento.

8) “Ninguém escreve ao coronel”, de G. Garcia Marquez
Um clássico de Marquez sobre a questão da velhice e de sua sustentabilidade previdenciária. Quem não leu, recomendo.

9) “O velho e o mar”, de E. Hemingway
Nem preciso falar muito. Outro clássico.

10) “Relíquias da casa velha”, de Machado de Assis
A velhice permeia a obra de Machado, principalmente os últimos romances, e esse é sua marca indelével.

Bom carnaval

close

Inscreva-se para receber conteúdo incrível em sua caixa de entrada, todas as semanas

Prometemos que nunca enviaremos spam! Leia nossa Política de privacidade para mais detalhes.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





1 Comentários

lisa santana 29 de janeiro de 2016 - 21:55

Maya, também adoro ficar quietinha no carnaval e já tenho em mente algumas coisas que quero ler e reler. Mas, coincidentemente já tive oportunidade de ler os três últimos. Gostei de todos. Se tivesse que reler, ficaria com “ninguém escreve ao Coronel”. Mas dele, Gabriel Garcia Marquez, ainda leio e releio “Cem anos de solidão”. Bárbaro.

Responder

Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais