fbpx

Por que os sábios vivem mais?

Por Maya Santana
Picasso continuou trabalhando de modo incansável praticamente até o dia da sua morte, aos 91 anos

Picasso continuou trabalhando de modo incansável praticamente até o dia da sua morte, aos 91 anos

Maria Talavera, El País

O que têm em comum Michelangelo, Verdi e Picasso? Não é apenas a genialidade que os une. Os três viveram muitos anos e estiveram criando até o final de suas vidas. Michelangelo, já em sua nona década, projetou a cúpula da basílica de São Pedro. Verdi, aos 80, compôs Falstaff, uma das suas melhores óperas. Picasso continuou trabalhando de modo incansável praticamente até o dia da sua morte, aos 91 anos. Há muitas outras referências de longevos famosos que labutaram até o final. Como o escritor e economista francês Stéphane Hessel, que aos 93 anos – três antes de morrer – escreveu Indignai-vos! (Leya Brasil, 2011), um livro com enorme repercussão na sociedade, especialmente entre os jovens; ou a sobrevivente mais idosa dos campos de extermínio nazistas, Alice Herz-Sommer, que viveu 110 anos e nunca deixou de tocar piano. O arquiteto brasileiro Oscar Niemeyer continuou na ativa mesmo depois de centenário; a bailarina Martha Graham dançou, aos 90, a coreografia de A Sagração da Primavera, de Stravinski; a cientista italiana Rita Levi-Montalcini, ganhadora do Nobel de Medicina, continuou fazendo pesquisas até os 100 anos; e o cineasta português Manoel de Oliveira, que morreu no ano passado aos 106, rodou seu último filme um ano antes. Incrível, não?

Um caso pouco comum
Quando o psiquiatra Jesús Fraiz visitou o espanhol Joan Riudavets, que aos 114 anos ostentava na ocasião o título de pessoa mais longeva do mundo, esperava encontrá-lo prostrado numa cama. Na verdade, estava sentado diante de uma mesa de centro, lendo o jornal, e pediu para colocar o paletó para a foto (não queria sair de bata). Ele contou que, aos 90 anos, os médicos hesitaram em lhe instalar um marca-passo, que afinal foi implantado. Dez anos depois, tiveram de trocar a pilha do aparelho, e de novo aos 110 anos. É bem verdade que Riudavets tinha uma saúde pouco comum: andou de bicicleta até morrer, aos 114 anos (vítima de um resfriado).

Segundo a filóloga e coach Gloria Méndez, não é preciso ter qualidades especiais para gozar de uma vida plena: “É totalmente democrático, não há exceções. Todo mundo pode fazer com que sua vida tenha mais vida dentro dela. Estar 100% vivo depende só de nós mesmos.” O psiquiatra Fraiz recolheu ao longo de mais de 20 anos uma base de dados documentais com aproximadamente 6.000 centenários famosos.

Perguntado sobre qual é o segredo para uma vida longa, Fraiz responde que, apesar de os hábitos saudáveis, a genética e os cuidados médicos influírem, o principal fator comum entre todos os centenários é a capacidade de recuperação, a disposição para se manterem ativos enquanto for possível, o otimismo e um forte senso de propósito em suas vidas. “Há pessoas que aos 70 anos começam a pintar, escrever, fazer fotografia, passear pelo campo… Tem a ver com as inquietações. Muitos morrem porque não sabem aproveitar. E há casos de gente que passa por situações terríveis e mesmo assim consegue se recuperar, como os centenários que pesquisei e que haviam estado em campos de concentração. A mera esperança de sair dali já era um incentivo para eles. Como se dissessem a si mesmos: ‘Hoje não me rendo, talvez amanhã ou depois, mas hoje não”.

A vida sempre continua
Independentemente da longevidade de cada um, a filósofa e consultora Mónica Cavallé observa que as pessoas que vivem de forma mais plena são aquelas movidas pelo amor, não pelo medo; movidas pelo afã de crescer, de se aventurar e de descobrir; as que assumem que as perdas e ganhos são indissociáveis do fato de estar vivo, e experimentaram o poder transformador das perdas; as que perseguem sua felicidade individual, mas também se entregam a valores e causas maiores que si mesmas. E aquelas que são espiritualmente ricas e não temem o passar do tempo, despedindo-se com elegância de tudo aquilo que os anos levam consigo.

Com viver mais intensamente

1. Encontre o sentido. Saiba que tudo o que acontece com você tem um sentido. Você está em todas as coisas que lhe acontecem, porque elas têm algo a ver com você. Pergunte-se: “Que sentido darei a isto?”.

2. Para que isso aconteceu comigo? De vez em quando, pergunte-se isso em vez de “Por que comigo?”. O “por que” se presta ao drama, o “para que” se conecta à utilidade do que acontece na sua vida.

3. Deixe de procrastinar. Não adie nada e comece já, porque talvez o amanhã não chegue nunca. Faça o que tiver que fazer, em pequenas doses, mas aja. Não espere.

4. Tenha sonhos. Seja ambicioso, não se conforme com projetos pequenos, porque estes não alimentam. Seu desejo de chegar a algo grande é o que realmente lhe dará o combustível para viver intensamente.

5. Conecte-se com a gratidão. Sempre há algo pelo que ser grato. A gratidão conecta você com o que você gosta na vida. Pense “Que bom… que eu pude fazer algo… que eu recebi um telefonema”. A soma de vários “que bom que” produz o hormônio da satisfação.

close

Inscreva-se para receber conteúdo incrível em sua caixa de entrada, todas as semanas

Prometemos que nunca enviaremos spam! Leia nossa Política de privacidade para mais detalhes.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais