fbpx

Após a morte de vovó, foi a minha vez de confortar minha mãe

Por Maya Santana
Mamãe dizia que procurava ser metade da mãe que vovó era para ela

Mamãe dizia que procurava ser metade da mãe que vovó era para ela

Lea Grover, Estadão

Chamei mamãe porque precisava de ajuda para ser uma mãe. Tinha deslocado o ombro e minhas filhas precisavam de mais atenção do que eu poderia dar enquanto me recuperava da cirurgia.

Mães servem para isso. Foi mamãe quem me ensinou. Ela me consolava nos momentos de frustração maternal contando como sua mãe a socorria quando se sentia desamparada.

Vovó era o protótipo da paciência: jamais gritava e estava sempre pronta para ajudar, cuidar. Mesmo como bisavó ela dava um jeito de agir como mãe. Quando ela e vovô começaram a passar os invernos na Espanha, conheceu uma pré-adolescente da vizinhança. Fez amizade e ensinava coisas à garota. Em verões futuros, mandou Sara ficar comigo como uma espécie de babá de meus filhos. Assim, cada uma ensinava sua língua à outra e eu tinha uma pessoa para conversar mais que com os gêmeos de 2 anos e o recém-nascido.

A cada verão, vovó nos mandava a garota. Mas, quando cuidar de três bebês e de uma adolescente ficava demais para mim, eu chamava mamãe.

Mamãe me contou da vez que minhas irmãs e eu ficamos tão doentes que o pediatra precisou ser chamado. Foi quando ela percebeu que não ia dar conta: estava gripada, os três filhos tremiam de febre e meu pai vinha tendo alucinações por causa de remédios. Vovó socorreu a família sem perguntas ou queixas. Como mamãe fazia quando eu pedia socorro.

Vovó sempre dizia sim. Foi essa sua escolha quando se tornou mãe: dizer sim a menos que fosse impossível. Quando dizia não, mamãe não questionava: sabia que o motivo era forte

Mamãe dizia que procurava ser metade da mãe que vovó era para ela. E eu digo a minhas filhas que tento ser metade da mãe que minha mãe é para mim.

Chamei mamãe porque precisava de ajuda para ser mãe. O outono tinha sido difícil para ela: minhas irmãs estavam sempre precisando de sua ajuda e vovó estava mais uma vez na Espanha para passar o inverno. Mas mamãe disse sim. Ela sempre procurava dizer sim.

Problemas de saúde e o mau tempo atrasaram sua partida. Ela estava a dois Estados de distância, esperando uma trégua das tempestades de neve e dos vírus para ver como podia ajudar.

Dois dias após minha cirurgia, fui despertada às 3h da manhã por uma voz em pânico, com forte sotaque estrangeiro, no telefone. Era Sara, minha babá/filha adotiva/prima espanhola avisando que vovó havia morrido de ataque cardíaco horas antes. Sara queria que eu avisasse mamãe.

Fiquei olhando atordoada para o telefone. A morte de vovó me parecia impossível, improvável, incompreensível. Enquanto ligava para mamãe, imaginava como iria contar a ela. Atendeu o telefone, sonada, mas tranquila, pronta para confortar uma filha aflita, apesar da hora. Minha vontade era perguntar a ela como lhe dar a notícia. Sabia que responderia que, se havia alguém para ensinar como contar a alguém que sua mãe havia morrido, esse alguém era vovó. Comecei a soluçar.

“Vovó morreu”, eu disse. “Sinto muito, muito, muito…” Clique aqui para ler mais.

close

Inscreva-se para receber conteúdo incrível em sua caixa de entrada, todas as semanas

Prometemos que nunca enviaremos spam! Leia nossa Política de privacidade para mais detalhes.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais