fbpx

Idosos fazem intercâmbio para melhorar idioma e curtir a viagem

Por Maya Santana

Geraldo Guimarães, 60, intercâmbio em Londres

Geraldo Guimarães, 60, intercâmbio em Londres

Joana Cunha, Folha/uol

O aposentado Geraldo Guimarães, 60, acaba de voltar de uma temporada de 20 dias em Londres, onde assistiu a troca da guarda e fotografou os arredores do Palácio de Buckingham. Mas os passeios diários estavam liberados depois que o intercambista recém-chegado à terceira idade terminava a tarefa na escola de inglês.

“Eu turistei muito na vida. Dessa vez eu quis fazer diferente. Escolhi ficar hospedado em casa de família e pegar o trem todos os dias para ir às aulas, como um rapaz de 18 ou 19 anos. Na minha classe, tinha alunos do mundo todo”, conta.

Cansados de viajar só para descansar, os idosos brasileiros estão despertando para o intercâmbio e atraindo a atenção de empresas de viagens de estudos antes voltadas apenas para adolescentes e jovens adultos.

A prática já é uma realidade entre europeus, principalmente os alemães e os escandinavos, segundo Tereza Fulfaro, diretora educacional da empresa de viagens CI.

“Aqui no Brasil, na faixa dos 50 anos algo bem comum porque uma idade que ainda procura preparação para o mercado de trabalho, mas o brasileiro acima de 60 está despertando para o intercâmbio também”, diz Fulfaro.

A CVC, que já tem tradição no turismo da terceira idade, abriu uma divisão de intercâmbio no primeiro semestre do ano passado. E a demanda dos idosos já representa 8% do total, de acordo com Santuza Bicalho, diretora da nova rea.

Trata-se de uma participação impensável há dez anos, quando o volume não superava os 4% no mercado em geral.

“Essa prática avança à medida que a população brasileira vai envelhecendo. Eles têm a vantagem de ter mais tempo disponível. Podem procurar cursos na baixa temporada e conseguir preços mais baratos que os jovens, que ficam presos ao calendário escolar”, afirma Bicalho.

O caso da aposentada Lourdes Cardoso, 77, que está planejando fazer um intercâmbio de até dois meses em Buenos Aires. Ela já viajou a turismo para a Argentina e quer fazer disso um hábito, mas antes pretende aprender a língua. Clique aqui para ler mais.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais