fbpx

Melhor Idade?

Por Maya Santana

"A maquiagem impecavelmente construída para tentar disfarçar tudo que era preciso sem deixar óbvio que uma operação camuflagem estava em curso"

“A maquiagem foi impecavelmente construída para tentar disfarçar tudo que era preciso sem deixar óbvio que uma operação camuflagem estava em curso”

Leila Ferreira

“What a drag is to get old…” (“Que chatice que é envelhecer…”), cantavam os Stones na década de 1960. De lá para cá, muita água passou debaixo da ponte. Mick Jagger envelheceu, seus fãs envelheceram, o mundo envelheceu e continua sendo, digamos, difícil. Concordo com a frase de Maurice Chevalier: ainda é a melhor opção. Mas isso não significa que ela seja extremamente prazerosa ou simples. Pode até ser em alguns casos. Mas, normalmente, envelhecer é ter que matar dois leões (jovens) por dia. Eles famintos, e a gente sem energia.

Minha amiga Clara (nome fictício, óbvio), 54 anos (idade real) e um portfólio considerável de intervenções estéticas, um dia desses foi convidada para sair por um homem interessantíssimo, na faixa dos 60. Todo o círculo de amizade se agitou: um convite de natureza romântica para uma mulher acima dos 50 mexe com o imaginário feminino (e renova esperanças dadas como perdidas). Clara se produziu ao máximo: vestido escolhido a dedo para rejuvenescer sem virar caricatura de mocinha, saltos altos, mas não muito, para não passar a impressão de que estava se esforçando demais, e maquiagem impecavelmente construída para tentar disfarçar tudo que era preciso sem deixar óbvio que uma operação camuflagem estava em curso.

Os dois foram a um restaurante italiano, a comida estava perfeita e a conversa, estimulada por quase duas garrafas de chianti, fluiu sem atropelos. Olhares prolongados, mãos se encostando quase acidentalmente, enfim, a noite com que Clara havia sonhado. Combinaram de voltar a se encontrar e foram andando sem pressa para o estacionamento, mas, no caminho, desabou uma daquelas chuvas repentinas, e em segundos os dois estavam encharcados. Entraram no carro pingando e aí deram o primeiro beijo, que conduziu ao segundo, ao terceiro e a alguns abraços – e só. Ficar no primeiro dia, nem pensar! Quando o galã a deixou na porta do prédio, voltou a beijá-la, passou a mão no rosto de Clara várias vezes (os cabelos escorrendo continuavam molhando o rosto) e prometeu que ligaria no dia seguinte. Clara subiu quase levitando, se sentindo a mais linda das mulheres maduras. Até que se olhou no espelho do banheiro e viu que estava sem sobrancelhas – isso mesmo. As sobrancelhas, na verdade um traçado impecável feito com lápis importado, tinham sido levadas pela chuva – a chuva e a troca de carícias com o companheiro daquela noite.

“Vocês não acreditam!”, ela desabafou com as amigas. “Não tinha um vestígio sequer do lápis! E pensar que eu estava com sessão marcada para fazer pigmentação definitiva nas sobrancelhas e desmarquei por falta de tempo. Não, gente, envelhecer é duro. Até as sobrancelhas a gente perde. As minhas eram lindas, espessas. Foram raleando, acabando, e eu só no lápis. Agora vou olhar com que cara para ele? Como é que vou explicar que ele me conheceu de sobrancelhas, depois me viu sem elas e agora está me vendo com elas de novo?”
,
Trecho da deliciosa crônica Melhor Idade? (páginas 183, 188 e 189) do livro Viver Não Dói, Editora Principium, da jornalista e escritora Leila Ferreira.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





5 Comentários

ANA 2 de novembro de 2017 - 17:25

de repente ele nem notou!

Responder
Regina Sales 2 de novembro de 2017 - 07:08

Adoraria saber o resto dessa história…rss!

Responder
Angela de Souza Pires 2 de novembro de 2017 - 00:46

Nooossa perder um pretê pq as sobrancelhas esvaíram-se … é muito pouca auto estima !

Responder
Angela de Souza Pires 2 de novembro de 2017 - 00:48

E dos seios falsos de silicone nada se fala…nem nada envergonham…

Responder
Sonia Oliveira 1 de novembro de 2017 - 22:08

Hahahahaha seria cômico se não fosse trágico!!!

Responder

Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais