fbpx

Mulheres extraordinárias que são parte da História de São Paulo

Por Maya Santana

Museu de Arte Contemporânea de São Paulo (MASP) projetado pela arquiteta Lina Bo Bardi

Museu de Arte de São Paulo (MASP) projetado pela arquiteta Lina Bo Bardi

Maya Santana, 50emais

São três mulheres que todo brasileiro tem que conhecer, porque tiveram papel fundamental na paisagem que São Paulo ostenta hoje: a arquiteta Lina Bo Bardi, a artista plástica Tomie Ohtake e a urbanista Rosa Kliass. Quem vai à capital paulista identifica logo o trabalho das três, como o prédio do Masp, na Avenida Paulista, projetado por Lina Bo Bardi. A BBC Brasil, através de sua repórter Lais Modelli, decidiu fazer um histórico de cada uma delas.

Leia:

O paisagismo e a arquitetura brasileiros costumam ser lembrados pelo trabalho de homens como Oscar Niemeyer (1907 – 2012) e Roberto Burle Marx (1909 – 1994). Muitas mulheres, contudo, ajudaram a desenhar prédios, lugares e paisagens mundialmente famosos, como o MASP – Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand – um dos principais cartões postais da capital paulista.

“As mulheres no Brasil, à semelhança do que ocorreu em toda a América Latina, começam a contribuir mais efetivamente para a arquitetura em torno da década de 1940. Na maior parte das vezes, atuaram em parceria com seus colegas homens, mas essa contribuição é pouco conhecida porque os nomes delas foram omitidos ou desconsiderados na atribuição da autoria dos projetos”, explica a professora do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie, Ana Gabriela Godinho Lima.

Escultura vermelha e prata de Tomie Ohtake, na Av Paulista. Em aço carbono, a escultura mede 8,5m de altura e pesa 7 toneladas

Escultura vermelha e prata de Tomie Ohtake, na Av Paulista. Em aço carbono, a escultura mede 8,5m de altura e pesa 7 toneladas

Em São Paulo, maior cidade da América Latina, três mulheres ajudaram a projetar os principais espaços públicos: a arquiteta Lina Bo Bardi, a artista plástica Tomie Ohtake e a urbanista Rosa Kliass.

“A força plástica da presença das obras de Tomie Ohtake e Lina Bo Bardi em São Paulo, somadas aos projetos paisagísticos de Rosa Kliass, formam um roteiro maravilhoso da história da cidade de São Paulo”, explica Lima.

Além da importância do ponto de vista da arquitetura e urbanismo, a pesquisadora afirma que estas três mulheres e suas obras ajudam a descrever a diversidade cultural de São Paulo.

“Tomie Ohtake, de origem japonesa, nasceu em Quioto em 1913, naturalizou-se brasileira e faleceu em São Paulo em 2015. Lina Bo Bardi, nasceu em Roma em 1914, naturalizou-se brasileira em morreu em São Paulo em 1992. Rosa Grena Kliass, nascida em São Roque e formada em 1955 na FAU – USP, é uma representante da comunidade judaica. As três formam, portanto, um trio que representa muito da história e cultura paulistana”, conta. Clique aqui para ler mais.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

dois − 1 =

1 Comentários

Mulheres extraordinárias que são parte da História de São Paulo | JETSS – SITES & BLOGS 3 de fevereiro de 2017 - 16:22

[…] post Mulheres extraordinárias que são parte da História de São Paulo apareceu primeiro em 50 e […]

Responder