fbpx

Assédio sexual põe carreira do veterano José Mayer na berlinda

Por Maya Santana

Machismo besta põe a perder carreira do ator mineiro de 67 anos

Machismo besta põe a perder carreira do ator mineiro de 67 anos

Maya Santana, 50emais

Poucas vezes vi episódio tão melancólico como esse envolvendo José Mayer. Aos 67 anos, o ator mineiro, uma das estrelas mais requisitadas da Globo, vê sua carreira mergulhar no abismo. E por quê? Por causa de um comportamento abusivo com uma mulher de 28 anos, mais jovem , inclusive, do que sua filha. O mais triste para José Meyer nesse episódio lamentável é que ele ficará sempre constrangido quando relembrar que pôs décadas de trabalho duro a perder por ter se portado como um machista besta, um inconsequente. Imperdoável num homem com a exposição que ele tem na televisão, na mídia em geral.

Nessa sua tragédia pessoal – agora na boca de todo mundo -, a favor do ator, casado, pai de uma filha de 32 anos, há a carta aberta que ele divulgou nesta terça-feira, 04 de abril, mesmo dia em que a Globo anunciava o seu afastamento das novelas da emissora por tempo indeterminado – um baque para quem posou de galã durante tantas temporadas. Na carta, o ator reconhece que errou: “ Mesmo não tendo tido a intenção de ofender, agredir ou desrespeitar, admito que minhas brincadeiras de cunho machista ultrapassaram os limites do respeito com que devo tratar minhas colegas” – disse ele.

O problema foi que José Mayer demorou muito tempo para admitir que “Eu errei. Errei no que fiz, no que falei, e no que pensava”, como explica na carta. Demorou tanto que deu tempo de atrizes conhecidas da Globo articularem um protesto, usando camisetas com os dizeres “Mexeu com uma, mexeu com todas”, mostrado pelos canais de TV para o país inteiro. O caso ganhou tanta repercussão, que obrigou a Globo a intervir.

Drica Moraes, Luisa Arraes, Tainá Müller, Cissa Guimarães, Astrid Fontenelle e Alice Wegmann publicaram fotos com camisa de campanha contra assédio (Foto: Reprodução/Instagram das artistas)

Drica Moraes, Luisa Arraes, Tainá Müller, Cissa Guimarães, Astrid Fontenelle e Alice Wegmann publicaram fotos com camisa de campanha contra assédio (Foto: Reprodução/Instagram das artistas)

Foi na sexta-feira, 31 de março, que a corajosa figurinista Susllem Tonani publicou no jornal Folha de São Paulo, um relato minucioso do assédio intolerável que, há meses, vinha sofrendo do ator: “Ele era protagonista da primeira novela em que eu trabalhava como figurinista assistente. E essa história de violência se iniciou com o simples: “como você é bonita”. Trabalhando de segunda a sábado, lidar com José Mayer era rotineiro. E com ele vinham seus “elogios”. Do “como você se veste bem”, logo eu estava ouvindo: “como a sua cintura é fina”, “fico olhando a sua bundinha e imaginando seu peitinho”, “você nunca vai dar para mim?”. (clique aqui para ler a íntegra do relato).

No triste desfecho do caso, o ator tentou se redimir escrevendo esta “Carta aberta aos meus colegas e a todos, mas principalmente aos que agem e pensam como eu agi e pensava:

Eu errei. Errei no que fiz, no que falei, e no que pensava. A atitude correta é pedir desculpas. Mas isso só não basta. É preciso um reconhecimento público que faço agora.

Mesmo não tendo tido a intenção de ofender, agredir ou desrespeitar, admito que minhas brincadeiras de cunho machista ultrapassaram os limites do respeito com que devo tratar minhas colegas. Sou responsável pelo que faço.

Tenho amigas, tenho mulher e filha, e asseguro que de forma alguma tenho a intenção de tratar qualquer mulher com desrespeito; não me sinto superior a ninguém, nao sou.

Tristemente, sou sim fruto de uma geração que aprendeu, erradamente, que atitudes machistas, invasivas e abusivas podem ser disfarçadas de brincadeiras ou piadas. Não podem. Não são.
Aprendi nos últimos dias o que levei 60 anos sem aprender. O mundo mudou. E isso é bom. Eu preciso e quero mudar junto com ele.

Este é o meu exercício. Este é o meu compromisso. Isso é o que eu aprendi.
A única coisa que posso pedir a Susllen, às minhas colegas e a toda a sociedade é o entendimento deste meu movimento de mudança.

Espero que este meu reconhecimento público sirva para alertar a tantas pessoas da mesma geração que eu, aos que pensavam da mesma forma que eu, aos que agiam da mesma forma que eu, que os leve a refletir e os incentive também a mudar.

Eu estou vivendo a dolorosa necessidade desta mudança. Dolorosa, mas necessária.

O que posso assegurar é que o José Mayer, homem, ator, pai, filho, marido, colega que surge hoje é, sem dúvida, muito melhor.
José Mayer”

Na nota que divulgou, a Globo afirma que “repudia toda e qualquer forma de desrespeito” e aplicou ao premiado ator uma punição que, com certeza, ele, vivendo num país tão machista, jamais esperava.


.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

13 − seis =

4 Comentários

Avatar
Neusa 9 de abril de 2017 - 17:08

Acho mto justo essa punição! Nesse país,onde tdo é permitido,que bom ouvir e ver a voz dá mulher Gritada aos 4ventos!! Que assim pessoas que tenham essa mentalidade.,pensem mto bem antes d fazer uma “gracinha”,e Respeitem as Mulheres em seu todo!! Mexeu com uma,mexeu com todas!!!

Responder
Avatar
Alzira Rezende 5 de abril de 2017 - 17:58

Por outro ângulo estamos diante de uma pessoa que por muitas décadas trabalhou em papéis específicos ond a beleza e virilidade eram exibidas como troféu.Seu desenvolvimento pessoal foi influenciado por valores contidos em seu trabalho. Hoje penso que podemos ter sim um senhor em crise merecedora de avaliação. Se em sua trajetória isso está ocorrendo pela primeira vez caberia um apoio, pois podemos estar diante de um quadro de demênciaExiste doenças que se manifestam inicialmente com atitudes bizarras…

Responder
Avatar
Marcia Tobias 18 de abril de 2017 - 18:03

Alzira…talvez essa generosidade involuntariamente condescendente (quero crer eu), faça parte das atitudes que acabam por contribuir para que os demais não sejam desencorajados a fazer o mesmo que o José Mayer fez. Respeito a sua opinião, mas discordo em grande parte. Minha sábia avó dizia algo que considero muito pertinente no contexto desse acontecimento, destacando-se o que é atribuído a um possível influenciamento: “Não é quem com porcos anda que farelo come… come farelo… quem gosta de farelo”. E olha… que eu era uma das grandes fãs desse “senhor em crise”. Me senti “tal e qual” ele tivesse mexido comigo, com uma irmã minha, ou filha, ou mãe, ou sobrinha, ou amiga… ou ainda que fosse a mulher mais distante do meu convívio; me senti indignada.Eu vejo que, além da pessoa que foi assediada por José Mayer, talvez pudéssemos pensar em um apoio ou em uma atitude não incisiva (dependendo também da posição delas) com a esposa e filha desse ator; sem falar da mãe dele, se for viva. Eu imagino, a conturbação de sentimentos (entre vergonha, incredulidade, engodo… para não citar outros…) que agora rondam essas mulheres e talvez, todas as demais dessa família, que foi achincalhada por esse comportamento estúpido… por essa “sede ‘doentia’ de farelo”. Lamentável, triste e horroroso!!!!!!!!

Responder
Assédio sexual põe carreira do veterano José Mayer na berlinda | JETSS – SITES & BLOGS 5 de abril de 2017 - 09:56

[…] post Assédio sexual põe carreira do veterano José Mayer na berlinda apareceu primeiro em 50 e […]

Responder