fbpx

50% dos homens e 10% das mulheres sofrerão de calvície

Por Maya Santana

O ator Patrick Stewart é um belo exemplo de calvície padrão

O ator Patrick Stewart é um bom exemplo de calvície padrão

Dr. Márcio de Sá*

Calvície é uma forma de alopecia, caracterizada por uma perda gradual e progressiva de cabelos. Isso se deve a fatores hereditários e à sua associação com a diminuição ou perda importantes dos andrógenos, hormônios sexuais masculinos que estimulam ou controlam o desenvolvimento e a manutenção das características masculinas. O principal deles é a testosterona, que existe também nas mulheres.

O tipo mais comum de calvície masculina é a calvície padrão, ou alopecia androgenética. Os homens são os mais afetados, 50% deles desenvolvem o problema em alguma época de suas vidas, a partir da puberdade, assim como 10% das mulheres.

Quanto mais avançamos em idade, homens e mulheres, se os fatores hereditários estão presentes e associados com queda da testosterona, maior é a probabilidade de calvície.

E, quanto mais cedo a calvície começa a se desenvolver, maior será o seu acometimento. A calvície que se inicia nos homens por volta dos 17 anos é a que apresenta a maior chance de perda expressiva ou total dos cabelos.
A calvície pode começar a se manifestar de várias maneiras, entre a puberdade e a vida adulta:

– Androgenêtica: a mais comum, como vimos acima;

– Areata: um tipo de calvície localizada, geralmente em áreas circulares e de diâmetros variados, totalmente desprovidas de cabelos. Ela está relacionada especialmente a fatores do sistema imunológico (autoimunes, ou seja, de ataque do próprio organismo aos cabelos), podendo o seu agravamento ser influenciado pelo estado emocional. Pode, em 1 a 2% dos casos, atingir todo o couro cabeludo, calvície ou alopecia total;

– Congênita: ligada a fatores hereditários, com ausência total ou parcial de cabelos desde o nascimento;

– Seborréica: a dermatite seborréica do couro cabeludo é um distúrbio muito comum caracterizado por escamação, coceira e eritema (vermelhidão). Este de tipo de calvície raramente determina uma redução significativa dos cabelos.

10 por cento das mulheres são vítimas da calvície

10 por cento das mulheres são vítimas da calvície

– Alérgica: pessoas alérgicas ao glúten do trigo e à lactose ou caseína do leite de vaca são as mais propensas a terem calvície;

– Secundária ou medicamentosa: que aparece após algum distúrbio interno dos órgãos, doenças, infecções e uso de medicamentos, como a quimioterapia, por exemplo;

– Neurótica: também chamada de tricotilomania – a pessoa “arranca” os próprios cabelos, conscientemente ou não;

– Eflúvio telógeno: também chamado de deflúvio, é a causa a mais comum de perda de cabelos entre as mulheres e consiste na quebra do ciclo de vida capilar, de causas variadas, dentre elas parto, doenças e febre alta. É um tipo de calvície que normalmente responde bem aos tratamentos médicos;

– Dieta pobre em ferro: dietas que cortam o consumo de carne vermelha e vegetais fornecedores de ferro podem deixar a mulher com carência de ferro no organismo. O ferro é um elemento essencial da hemácia, a célula do sangue responsável pelo transporte de oxigênio para todo o organismo. A carência de ferro impedirá que o oxigênio chegue em quantidade suficiente ao bulbo capilar, fazendo com que os fios já nasçam enfraquecidos.

O diagnóstico da calvície é feito, principalmente, pelas características clínicas. O olho bem treinado do médico dermatologista – o famoso “diagnóstico no olho” – analisa, reconhece cada tipo de calvície. Só eventualmente são solicitados exames (de sangue, microscópicos de fios de cabelos, biópsias de couro cabeludo).

Para cada tipo de calvície existe um tratamento médico específico, cujos resultados devem ser clinicamente acompanhados pelo dermatologista, em médio-longo prazo.

*Márcio de Sá é médico clínico formado pela UFMG, especialista em Medicina Preventiva, Mestre em Saúde Pública pela Université Paris VI, e trabalhou durante 11 anos no Hospital Pitié-Salpêtrière, em Paris. O médico mora e trabalha no Rio de Janeiro e escreve para o 50emais todas as terças-feira. Envie sugestões de temas que você gostaria que Dr. Márcio abordasse em seus artigos.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

dezesseis + quatro =

7 Comentários

Avatar
Camila 19 de novembro de 2015 - 22:47

Gostei muito desse artigo Dr. Marcio! Não sabia desse tal de eflúvio telógeno é a causa mais comum de queda de cabelo nas mulheres. Tenho uma colega de trabalho que é igual essa foto mas pior. Tem algum tipo de tratamento para isso? Obrigada.

Responder
Avatar
Dr. Márcio de Sá 20 de novembro de 2015 - 20:05

Boa noite, Camila,

Obrigado por ter lido o meu artigo. Que bom que você gostou!

Peço-lhe que escreva-me diretamente no meu endereço eletrônico profissional: dr.marciodesa@gmail.com

Eu gostaria de aproveitar a oportunidade para dizer-lhe, a você e aos demais leitoras e leitores do que aqui escrevo que, quando me forem feitas perguntas e solicitados esclarecimentos de dúvidas, eu responderei diretamente, individualmente e exclusivamente por meio do endereço eletrônico de cada pessoa.

A razão dessa maneira de responder aos questionamentos feitos deve-se à obrigatoriedade de Sigilo Médico e de confidencialidade a que estão sujeitos todos os profissionais de saúde.

Assim, como médico, eu só posso e devo responder, repito, individualmente e diretamente a cada pessoa, e não por meio deste blog.

Uma vantagem complementar é a de que, no espaço do diálogo privado que propicia uma troca de e-mails, as pessoas têm a oportunidade de poder sentirem-se mais à vontade para expor de forma mais aberta e clara as suas perguntas, as suas dúvidas, enfim, todos os seus questionamentos.

Estarei aguardando o seu e-mail, será um prazer responde-lo.

Um abraço para você, volte sempre ao 50emais, eu estarei aqui todas as terças-feiras…

Responder
Avatar
Marcos 13 de novembro de 2015 - 00:16

Gostei muito desse artigo, muito bom. Tenho 49 anos, comecei a ficar calvo eu tinha 35, a coisa piorou muito e com dois anos já estava muito careca. Consultei um dermatologista em 2000 que me receitou um remédio novo, de tomar pela boca, que felizmente deu muito certo para mim. Eu tomo esse remédio até hoje. Parabéns ao Dr. Marcio por esta nova serie de artigos de todas as terças.

Responder
Avatar
Dr. Márcio de Sá 13 de novembro de 2015 - 09:26

Marcos,
Obrigado pelo seu simpático elogio!
Até a próxima terça, aqui…
Um abraço para você.

Responder
Avatar
Luiza 11 de novembro de 2015 - 10:28

Dr Marcio, uma pergunta: quando os homens vão ficando calvos significa que sua vitalidade sexual está em risco?uma vez que tem a ver com a testosterona?

Responder
Avatar
Dr. Márcio de Sá 12 de novembro de 2015 - 01:58

Luiza,

Obrigado por ter lido o meu artigo.

Peço-lhe que escreva-me diretamente no meu endereço eletrônico profissional: dr.marciodesa@gmail.com

Eu gostaria de aproveitar a oportunidade para dizer-lhe, a você e aos demais leitoras e leitores do que aqui escrevo que, quando me forem feitas perguntas e solicitados esclarecimentos de dúvidas, eu responderei diretamente, individualmente e exclusivamente por meio do endereço eletrônico de cada pessoa.

A razão dessa maneira de responder aos questionamentos feitos deve-se à obrigatoriedade de Sigilo Médico e de confidencialidade a que estão sujeitos todos os profissionais de saúde.

Assim, como médico, eu só posso e devo responder, repito, individualmente e diretamente a cada pessoa, e não por meio deste blog.

Uma vantagem complementar é a de que, no espaço do diálogo privado que propicia uma troca de e-mails, as pessoas têm a oportunidade de poder sentirem-se mais à vontade para expor de forma mais aberta e clara as suas perguntas, as suas dúvidas, enfim, todos os seus questionamentos.

Estarei aguardando o seu e-mail, será um prazer responde-lo.

Um abraço para você, volte sempre ao 50emais, eu estarei aqui todas as terças-feiras…

Responder
Avatar
Paulo 12 de novembro de 2015 - 21:43

Luiza, tenho 43 anos, comecei a ficar careca aos 29 anos e queria dizer que a minha vitalidade sexual permanece em forma para um homem da minha idade.

Responder