fbpx

A lúcuma, fruta de origem andina, chega ao Brasil

Por Maya Santana

A fruta é originária da região andina e precisa ser importada

Ainda é difícil encontrar a fruta, importada do Peru

Tradicional na região dos Andes, especialmente na culinária peruana, a lúcuma é a fruta da moda. A fruta de casca verde e polpa amarelada já está presente no cardápio de sobremesas de alguns restaurantes. Esporadicamente também é oferecido nas sorveterias Freddo e Vipiteno. Para o chef Alexandre Godoy, do La Mar, não existe nenhuma fruta brasileira que possa ser comparada tanto em gosto quanto em textura. “No Peru, o sorvete de lúcuma é tão comum quanto o de chocolate”, diz ele. “Ela é usada como base de diversos doces”. O restaurante possui a “degustação de lúcuma” (R$ 23), com três mini sobremesas: chocolúcuma (genoise de chocolate, mousse de chocolate e creme de lúcuma), sagú de lúcuma e sorvete de lúcuma. O restaurante chegou a ter em seu cardápio purê de lúcuma, mas esse acompanhamento não é mais servido.  O restaurante chileno El Guatón, em Pinheiros, tem em seu cardápio a sobremesa Torta de Lúcuma (R$13).

Para o chefe Kenji Shiroma, do restaurante Killa Novoandino, o fato da fruta ser importada dificulta a “continuidade dos pratos”. “Como a importação para o Brasil não é muito forte, não há garantias de que o restaurante possa ter essa fruta sempre à disposição”, justifica a ausência da fruta no cardápio da casa.

Esta é a polpa da lúcuma, usada em sorvetes e outras sobremesas

Esta é a polpa da lúcuma, usada em sorvetes e outras sobremesas

De fato, na quinta-feira passada, o Estadão visitou o Mercado Central da Cantareira e não encontrou lúcuma em nenhum boxe. Apesar dessa dificuldade, a sanduícheria peruana La Sanguchería, inaugurada recentemente em Perdizes, não quer perder a onda e promete colocar a lúcuma em seu cardápio em breve. Veja o roteiro da fruta da moda em São Paulo em http://migre.me/dCWeo

A fruta é consumida já muito madura, vários dias depois que cai. Ela precisa ser conservada envolta em palha ou material parecido durante este período. Tem um sabor que lembra o xarope de bordo (conhecido como Maple Syrup nos Estados Unidos e Canadá, se parece com mel), e é utilizada cozida em doces, tortas,[2] sorvetes,[3] e outras sobremesas. Seu consumo fresca é mais raro devido ao fato de deixar um certo amargo na boca, que é entretanto menos perceptível nas plantações de melhor qualidade. Por seu alto conteúdo de amido, a polpa pode ser secada para conservação; rende uma farinha não perecível, muito doce e nutritiva, que concentra o ferro, o betacaroteno e a niacina contidos na fruta. Pode também ser congelada por períodos prolongados. Fonte: Wikipédia.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

1 × quatro =

1 Comentários

Avatar
Olivia 23 de julho de 2014 - 21:03

Assim que provei lúcuma o sabor e textura lembrou-me sapoti,
Fruta muito comum no nordeste! Inclusive as arvores
Sao da mesma familia.

Responder