A plantinha que tranforma sabor azedo em doce

Por Maya Santana
A superfruta distorce a realidade gustativa

A “Fruta do Milagre” distorce a realidade gustativa

Por Neide Rigo

As “flavour tripping parties” surgiram em Nova York. Eram festas com o único propósito de oferecer uma viagem aos convidados: cada um recebia sua baga vermelha na entrada e podia provar – à vontade – os ácidos oferecidos em bandejas, experimentando distorções profundas na percepção da realidade.

Demorou um pouco, mas agora já temos oferta de bom produto nacional e festas particulares à luz do dia começam a surgir por aqui também. A coisa é bem menos psicodélica do que parece: estamos falando de uma fruta. Com o infeliz nome de fruta do milagre. Porque não acredito em milagres, nunca levei muito a sério o fenômeno. Puro preconceito semântico.

Veja como fui vencida pela superfruta: há pouco tempo, em visita ao meu viveiro preferido, o Ciprest, em Limeira, o dono, Edilson, mostrou-me a planta (que naquele momento estava sem frutos) e falou tanto de seu poder transformador – faz um limão espremido virar doce limonada – que me deixou curiosa. Trouxe um vaso pra casa.

Transforma totalmente o gosto de certos alimentos

Transforma totalmente o gosto de certos alimentos

O primeiro fruto a vingar, do tamanho de uma azeitona pequena, foi uma alegria. Não fiquei um só dia sem vigiá-lo até que perdesse a cor verde. Com medo de que passarinhos me roubassem, durante uma viagem de fim de semana levei o vaso comigo como um cachorro na coleira. Edilson havia me assustado dizendo que o efeito milagroso só resistia poucas horas depois de colhidos os frutos vermelhos.

Deixei a única baga cair de madura e imediatamente peguei a frutinha e improvisei uma degustação com alimentos ácidos como limão – claro, tem que ter –, laranja, vinho e vinagre. E também os pungentes ou amargos como cebola, cerveja, vermute, boldo e carqueja. Pois a informação que tinha era que ela modificava também os amargos.

Dividi a fruta ao meio, uma metade para mim e outra para meu marido, pois o bom da experiência é compartilhar as sensações. A minha metade coloquei na boca e fui chupando como bala a polpa exígua e mucilaginosa, espalhando por toda a mucosa. Continua em www.estadao.com.br


CONTEÚDO PUBLICITÁRIO

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





2 Comentários

Toninho Reis 9 de fevereiro de 2013 - 05:31

Adoraria provar esta frutinha, bjs

Responder
admin 10 de fevereiro de 2013 - 14:28

Vou levar para você, quando for a São Paulo! Beijo e até lá. Maya

Responder

Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais