fbpx

Abraçaço, o mais novo disco de Caetano Veloso

Por Maya Santana

O disco é o terceiro de uma trilogia que começou com “Cê”

Um abraço maior que os outros, mais amplo, quem sabe até universal. É um Abraçaço, palavra que o cantor Caetano Veloso usa para terminar seus e-mails e que dá nome ao seu novo disco, que chegou na segunda-feira às lojas de todo o País.

O trabalho não deixa dúvidas de que, no alto de seus 70 anos, Caetano sabe que é preciso delicadeza para falar de certas coisas. Por isso levou seu violão ao estúdio de gravação e com ele fez as canções soarem bem poéticas – estivesse ele cantando versos de amor ou contando a trajetória do guerrilheiro Carlos Marighella.

Abraçaço fecha a trilogia de trabalhos de Caetano com a banda Cê, depois dos discos Cê (2006) e Zii e Zie (2009). É exatamente o violão que dá a diferença de tom em relação aos dois anteriores: mais autobiográfico e sensível, Abraçaço promete conquistar rápido os ouvidos dos fãs daquele Caetano que cantava com seu violão no início da década de 1970.

Não que seja o mesmo Caetano, não que sejam as mesmas canções. Produzido por Moreno Veloso, filho de Caetano, e Pedro Sá, um dos integrantes da banda Cê, o disco novo revela um artista múltiplo, capaz de transformar um e-mail de aniversário em música.

Faixas – Ousado, Caetano criou a canção Parabéns a partir de uma mensagem enviada a ele pelo cineasta Mauro Lima, na ocasião de seu aniversário. O e-mail foi na íntegra para o encarte do CD e virou a letra da canção.

Na verdade, é simples entender Abraçaço: lembra o Caetano de violão na mão da década de 1970, mas, na verdade, é outro, o contemporâneo. Leia mais em www.uol.com.br

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

cinco + oito =