fbpx

Afinal, nem só de plásticas vive a aparência

Por Maya Santana

Tem os que se aproximam de uma vida mais espiritualizada. Muito nobre e sábio: buscar justificativas para a nossa existência frágil que se aproxima do fim nos aquece

Tem os que se aproximam de uma vida mais espiritualizada. Muito nobre e sábio: buscar justificativas para a nossa existência frágil que se aproxima do fim nos aquece

Bia Willcox, Brasil247 –

Envelhecer é o único modo de se viver mais. Não tem jeito, não há milagre possível além de um ou outro mago do bisturi que pode nos fazer parecer menos rodados.

O problema é que não nascemos com manual para a velhice. Até a fase adulta é mais fácil – tem sempre quem ajude no crescimento e muito a se fazer depois que se torna adulto. Envelhecemos desde que nascemos, mas há o momento clássico em que nos sentimos mais limitados e próximos do fim. É nessa hora que falta aquele manual com o capítulo Reinvenção ou Novos Horizontes. Ou mesmo Tá na hora de fazer o que ainda não fiz”.

Muitos envelhecem rápido demais e outros só envelhecem quando perdem a lucidez de vez.

Qual é a fórmula?

Sei que muitos chegam aos 60 ou 70 com o sonho maior de serem avós. Principalmente as mulheres com o DNA maternal de sempre.

Querem cuidar, se envolver e ter contato íntimo com a outra ponto do fio da vida. E se realizam assim. Realizam? Com certeza por algum tempo, mas netos crescem tanto quanto filhos. E nem todos os que fizeram chover em seus 40 vão se sentir plenos sendo babás de netos e acompanhando a vida dos filhos como novela da Globo.

Tem os que se aproximam de uma vida mais espiritualizada. Muito nobre e sábio: buscar justificativas para a nossa existência frágil que se aproxima do fim nos aquece. Mas não preenche. Até onde eu sei, ninguém fica destemido completamente da morte e nem comemorando de passar pra outro plano. E cá entre nós, temos a eternidade pra cuidar da alma, é bom chegar ao fim de nosso tempo ainda se reinventando em ideias, descobertas e novas vivências com a alma e o corpo também.

Há mais nesse subsolo. O ser humano está indo mais longe hoje. Vivendo mais. A terceira idade hoje tem mais acesso à saúde e à tecnologia, faz mais sexo e vem participando cada vez mais ativamente do mercado produtivo. Há gente mais velha no teatro e na TV. Sabemos que tem petróleo nessa etapa final. É só mais difícil a escavação.

Dá pra se atualizar, contribuir e compartilhar o que sabemos. Dá pra namorar, viajar e experimentar novas culinárias. Dá pra usar facebook, instagram e whatsapp.

Woody Allen um dia disse que não há nada de bom em envelhecer e que ele não recomenda. Pois eu recomendo envelhecer como ele, pensando, questionando e, sobretudo, produzindo. Quando se acha uma motivação qualquer que te faça animar de levantar da cama e produzir, fica-se mais jovem. Por dentro e por fora.

Afinal, nem só de plásticas vive a aparência.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais