Agnaldo Silva: “Em nosso país, ninguém é mais discriminado do que os idosos”

Por Maya Santana

Autor de novelas, dramaturgo, escritor, roteirista, jornalista, cineasta, ele criou personagens lendários em suas novelas, como Nazaré, interpretado por Renata Sorrah

50emais

Um dos nomes mais famosos da teledramaturgia brasileira, Agnaldo Silva sente na pele o drama de tantas pessoas no Brasil que passaram dos 60 anos e foram expelidas do mercado de trabalho. Aos 78 anos, o autor de “Império”, “Senhora do Destino”, “Vale Tudo”, “Fina Estampa”, entre outras novelas da TV Globo, dramaturgo, escritor, roteirista e jornalista, desabafa: “Não preciso trabalhar para viver. Preciso é trabalhar para não morrer”.

Embora a população brasileira esteja envelhecendo a passos largos, ainda há uma enorme resistência das empresas em empregar ou em manter em seus quadros de pessoal gente mais velha. O resultado é que, mesmo pessoas brilhantes como o próprio Agnaldo Silva, possivelmente no auge de sua criatividade, acabam desempregadas. Uma realidade que ele resiste em aceitar, já que sua cabeça continua tão fervilhante quanto a de um homem de 40 anos. Mesmo assim, ninguém está mais disposto a lhe dar trabalho.

Agnaldo Silva trabalhou na TV Globo por 40 anos. Em 2018, após o término de sua novela O Sétimo Guardião, ele foi desligado da empresa (a forma como isso foi feito, através de um comunicado curto e seco, causou muita polêmica) assim como aconteceu com outras dezenas de profissionais que trabalhavam na emissora, como parte da maior reestruturação já levada adiante pela Globo.

Com duas estatuetas do Emmy, o Oscar da televisão, por Laços de Sangue, co-produção da Globo em Portugal, e Império, Agnaldo Silva é o criador de figuras inesquecíveis, como Nazaré(Renata Sorrah), Giovani Improtta(José Wilker), Crô(Marcelo Serrado), Altiva(Eva Wilma), Zé Tadeu(Fábio Jr.), Cândido Alegria(Armando Bogus), Osnar(José Mayer), Comendador José Alfredo(Alexandre Nero) e tantos outros personagens lendários.

O grande drama de um profissional como esse é que ele está sendo jogado para fora de cena não pela má qualidade de seu trabalho ou porque não tenha mais condições de produzir seus elogiados roteiros, mas pela idade. É por isso que Agnaldo Silva não aceita essa condição de desempregado. E denuncia: “Não me venham com preconceito e discriminação contra isso ou aquilo porque, em nosso país, ninguém é mais discriminado do que os idosos”.

E quem há de contradizê-lo?

Leia também: Ao não denunciar, acabamos reforçando o enorme preconceito contra a idade

Finalmente, a moda resolve adotar um jeito novo nas passarelas, sem medo da idade

É hora de perder a vergonha da idade e dizer com orgulho quantos anos você tem


CONTEÚDO PUBLICITÁRIO

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais