fbpx

Alterações na mulher causadas pela menopausa

Por Maya Santana

Climatério, no qual está envolvida a menopausa vai dos 41 anos aos 65. O fogacho é próprio desse período

O fogacho (calor intenso) é próprio desse período, que vai dos 41 aos 65 anos

Considero esse assunto da menopausa um dos  mais importantes para todas nós mulheres – as que já passaram, as que estão passando e as que vão passar pela experiência. E mesmo sendo de tamanha importância, é pouco discutida. É um período complicado e pode ser difícil para muitas delas, que sofrem com a movimentação dos hormônios e se tornam emocionalmente instáveis. Eu mesma considero que mudei bastante nesse período, em vários sentidos, sobretudo na irritabilidade e no aumento da capacidade de me emocionar.  Por isso, acho importante postar aqui esta entrevista feita pelo Dr. Dráuzio Varella com o psiquiatra Joel Rennó Jr. , coordenador do Pró-Mulher, um programa de atenção à saúde psicológica da mulher desenvolvido no Instituto de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade São Paulo.

Leia:

A menopausa é uma fase crítica na vida da mulher, uma fase psicológica delicada em que alterações nítidas de comportamento podem ocorrer. Mulheres que já passaram por essa experiência e as pessoas que conviveram com elas são unânimes em reconhecer determinados sintomas, entre eles, a depressão e a labilidade ( instabilidade)  emocional. Mesmo aquelas que manifestam pequenas alterações comportamentais, queixam-se da mudança aparentemente sem causa do humor ou da vontade de chorar que inexplicavelmente as invade de uma hora para outra.

É um fase perigosa que exige atenção porque, em alguns casos, transtornos psiquiátricos sérios podem acometer algumas mulheres. Todavia, muito do que se fala a respeito desse tema não passa de mitos criados pelo ideário popular. Desde que convenientemente assistida, a mulher menopausada pode gozar de excelente qualidade de vida.

Drauzio – Quais as alterações psicológicas mais comumente encontradas nas mulheres quando chegam perto da menopausa?

José Rennó Jr. – É importante que as pessoas saibam as diferenças entre as diversas fases desse período denominado genericamente de menopausa. Na realidade, o climatério começa por volta dos 41 anos de idade, estende-se até mais ou menos os 65 anos e é marcado por pequenas alterações físicas e psicológicas. Dentro dessa grande margem de tempo, ocorre a menopausa, isto é, a data em que aconteceu a última menstruação e que só pode ser determinada retrospectivamente depois que a mulher passou pelo menos um ano em amenorreia (sem menstruar).

Antecedendo o episódio da menopausa, temos a perimenopausa, período em que há alterações hormonais importantes, especialmente nos níveis de estrogênio e progesterona. Nessa fase, a vulnerabilidade feminina é maior aos sintomas físicos e psíquicos. Entre os físicos destacam-se os fogachos (ondas de calor intenso) e, entre os psíquicos, tristeza, desânimo, irritabilidade e labilidade emocional, ou seja, grande flutuação do humor. Muitas se queixam, ainda, de insônia e alterações da memória. Por isso, é fundamental determinar se a mulher se encontra na perimenopausa ou na pós-menopausa, fase em que os transtornos psiquiátricos são menos prevalentes.

Quando se fala em menopausa, é preciso deixar bem claro que diversos fatores influenciam o desenrolar do processo. Não é apenas uma questão hormonal. Há fatores psicossociais preponderantes quer marcam esse período e podem estar na gênese dos transtornos psíquicos.

Por exemplo, a mulher que tinha uma vida socialmente ativa e se dedicou plenamente à família e à educação dos filhos, de repente se depara com os filhos crescidos, saindo de casa, e vive a síndrome do ninho vazio. Além disso, a relação conjugal pode estar passando por transformações que exigem diálogo para reconstruí-la em novos moldes. Dependendo de seu arcabouço psicológico, recursos internos e personalidade, essa mulher irá elaborar de forma construtiva ou não as modificações que estão ocorrendo em sua vida na época da menopausa.

Drauzio – Do ponto de vista sexual, quais são as principais alterações que ocorrem na fase de perimenopausa?

José Rennó Jr. – As principais queixas são dispareunia, ou seja, dor na relação sexual, e a diminuição da libido. A dispareunia ocorre porque o epitélio torna-se mais fino e menos lubrificado pela falta de estrogênio. A vagina mais seca pode dificultar a relação. No que se refere à falta de desejo, muitas vezes, o que gera ansiedade é a comparação com o que a mulher sentia no passado. Deve-se considerar, também, de que nessa faixa etária o homem pode apresentar um distúrbio ou disfunção sexual que afeta a companheira. Por isso, é tão importante examinar os aspectos biológicos e hormonais femininos quanto os de sua relação familiar e conjugal. Clique aqui para ler mais.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

1 × três =

1 Comentários

Avatar
Domingos Neves de Oliveira 17 de fevereiro de 2019 - 05:43

Onde está o planejamento da mulher p viver essa fase? Porquê o ginecologista não as obrigam passar por um acompanhamento com um psicólogo? Será que o homem é obrigado aguentar todos os problemas da psicólogos quem vai compreender os problemas dos homens e ter , ainda , condições para suportar uma mulher que extremamente modificada? Falta políticas púbicas(SUS) e privadas (planos de saúde e particular)de saúde para o casal que e conseguem chegar até momento , mais de 30 anos de matrimónio vão se divorciarem de apoio , para a família nesse momento de tamanha insensibilidade. Profissionais da saúde precisam irem além da especialidade médica de ginecologia e urologia , e ver nesses papacientés que
são os cabeças das famílias que estão implorando , sem saberem, a criação de movimentos, fora, da medicina para envolver e cuidar no todo com outros profissionais como psicólogos, psiquiátricos e outros os líderes das familia! Fica a sugestão.

Responder