fbpx

Anderson Silva, a desconstrução de um mito

Por Maya Santana

Após quebrar a perna, tudo indica precisou de drogas para retomar a forma físic

Tudo indica que precisou de drogas para retomar a forma física

Não há uma maneira mais triste de terminar uma carreira de sucesso do que a escolhida por Anderson Silva, considerado o maior lutador da história do UFC. Às vésperas de completar 40 anos de vida – em 14 de abril -, o brasileiro deve se aposentar, depois que foi apanhado em exames antidopping. Embora eu deteste o esporte que pratica, cheguei a fazer homenagem a ele aqui – postei o vídeo dele dançando com Marisa Monte -, porque sempre o achei um homem educado, sensível. Adorado, principalmente pelos jovens, deixa péssimo exemplo e a sensação de que outra vez levamos um 7 x 1.

Leia o artigo publicado pelo Zero Hora:

Anderson Silva precisou de apenas dois minutos e 57 segundos para mostrar em Las Vegas, em 2006, que é um mito, e de poucos dias para desconstruir os 18 anos da própria imagem. Ao derrotar o campeão dos pesos médios do Ultimate Fighting Championship (UFC) Rich Franklin com uma sequência memorável de joelhadas e chutes, o brasileiro deu início a uma ascensão que o levou a ser considerado o maior lutador de todos os tempos pelo presidente do UFC, Dana White.

Mas nove anos depois, a carreira de Spider ruiu e ele deve se aposentar com a mancha indelével do doping, que coloca sua trajetória em dúvida e faz o mundo se questionar: foi só agora, ou a prática era recorrente?

Não é exagero afirmar que Anderson ocupa um lugar de destaque no esporte ao lado de ídolos como Ayrton Senna e Gustavo Kuerten. Graças a ele, milhares de jovens passaram a acompanhar o MMA e procurar academias para aprender jiu-jitsu e muay thai. Spider, com carisma, irreverência e ousadia, tornou-se sinônimo de sucesso e determinação, principalmente entre os jovens.

Estrela maior do UFC, caminhava para encerrar a carreira em alta após derrotar, em 31 de janeiro, o americano Nick Diaz na edição 183 do torneio, na mesma Las Vegas que o viu despontar. Porém, o que seria um retorno triunfal transforma-se, a cada divulgação dos testes, em frustração para seus fãs.

Silva ficou 13 meses parado por fraturar a perna no embate anterior, contra Chris Weidman, e ao que tudo indica precisou de drogas para retomar a forma física. Em dois exames feitos pela Comissão Atlética de Nevada, foram detectadas as substâncias drostanolona e androsterona, aplicadas para aumento e fortalecimento dos músculos. Clique aqui para ler mais.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

2 × 4 =

1 Comentários

Avatar
Monica Minelli 20 de fevereiro de 2015 - 22:13

Vergonha e decepção. Quem faz uso de dopping em 2015…..EGO CEGO

Responder