fbpx

'Aos 56 anos, entrar na USP é sensacional demais'

Por Maya Santana

Dulcinéa de Paula vai frequentar o curso de Saúde Pública da USP

Dulcinéa de Paula vai frequentar o curso de Saúde Pública da USP


A exemplo de Dulcinéa,56, aprovada no curso de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, centenas de pessoas que já passaram da meia idade estão voltando às escolas para estudar. Várias universidades já criaram cursos, os mais diversos, voltados especificamente para a chamada terceira idade. Muita gente percebeu que, com a idade, além de cuidar do corpo, fazendo exercícios físicos, é preciso exercitar a mente também.
Leia a história bonita de Dulcinéa, publicada pelo Uol:
Depois de 25 anos sem estudar, a dona de casa Dulcenéa de Paula definiu um novo propósito em sua vida: conquistar uma vaga na USP (Universidade de São Paulo). Para alcançar seu objetivo, ela estudou quase um ano em um cursinho popular. Hoje, Dulcenéa comemora as aprovações nos cursos de saúde pública da Faculdade de Saúde Pública da USP, cuja relação candidato/vaga é de 2,48 e de enfermagem da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) com quase sete concorrentes para cada vaga.
“Isso é inexplicável para mim. Vim de família mineira muito simples e havia estudado apenas até o médio [ensino] e fui trabalhar. Fui analista de sistemas há 30 anos. Tenho muitos outros cursos profissionalizantes, mas entrar na USP é tremendo! É alegria demais da conta, sô!”, comemora a estudante que optou por fazer sua graduação na USP.
Em relação ao ano de cursinho, Dulcenéa destaca que estudou dentro dos limites possíveis. Frequentava as aulas durante o período noturno e durante o dia estudava, mas não deixava de fazer as coisas que gostava. “Pela maturidade eu entendo assim: eu estudei o quanto me foi possível e fazia minhas caminhadas todos os dias de 1h30 como sempre fiz. Fui na academia, que dura 1h, fui à Igreja aos domingos. Enfim, nada de terrorismo intelectual. Fui consciente do quanto fiz e pude fazer”, explica.
Em março de 2013, ela passou por “decepções muito grandes” e não conseguiu focar todas as suas energias na preparação para o vestibular. Com dificuldade para estudar além da sala de aula, Dulcenéa procurou uma outra estratégia: prestar atenção no conteúdo dado pelos professores e anotar os itens principais no caderno. Clique aqui para ler mais.
 

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





0 Comentários

Dulcenéa de Paula 15 de março de 2014 - 01:58

Obrigada pelos comentários, porém quero esclarecer que o curso que faço é o Bacharelado normal da USP. Não é um curso voltados especificamente para a chamada terceira idade.

Responder
Ana 2 de março de 2014 - 15:24

PARABÉNS, QUÊ OUTRAS MULHGERES SIGAM SEU EXEMPLO, É AQUELA HISTÓRIA QUERER É PODER, TÁI + UM EXEMPLO

Responder

Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais