fbpx

Aos 75, ela mostra a inaceitável face do racismo

Por Maya Santana

Davina Aparecida Castelli já esteve envolvida em outros episódios polêmicos

Davina Aparecida Castelli já esteve envolvida em outros episódios polêmicos

Quando li a notícia não acreditei. Esta senhora, 75 anos, foi condenada a quatro anos de prisão em regime aberto por um crime que jamais se imaginaria cometido por alguém dessa idade: racismo explícito. Dirigiu-se a três pessoas negras gritando “macacos”, “negros imundos”, “favelados” e outras coisas mais. É imperdoável que em um país de maioria negra alguém se arvore numa suposta superioridade para expor de maneira tão bruta a estreiteza de sua mentalidade. Se é alemã e se sente realmente superior, que vá viver na Alemanha. Como se vê, nem sempre a idade traz alguma sabedoria.

Leia o artigo do El País:

Um dos casos de racismo mais polêmicos dos últimos anos – e não foram poucos – foi encerrado nesta quarta-feira sem possibilidade de recurso. A sentença do Tribunal de Justiça de São Paulo condena Davina Aparecida Castelli, de 75 anos, a quatro anos de pena em regime aberto por ter insultado aos berros três pessoas negras que se encontravam em um shopping da avenida Paulista, o coração financeiro da capital paulista. Castelli os chamou de “macacos”, “negros imundos” e “favelados” diante uma multidão atônita. A condenação inicial em primeira instância, de fevereiro de 2014, era mais severa e sentenciava a ré a quatro anos de prisão em regime semiaberto além de lhe exigir uma indenização de 28.960 reais a cada uma das vítimas, mas a Defensoria Pública, responsável pela defesa da idosa, recorreu e conseguiu um castigo um pouco mais leve. A condenada, que não se apresentou em nenhuma das vistas judiciais do processo, não pode recorrer.

Karina Chiaretti, uma das pessoas insultadas pela idosa

Karina Chiaretti, uma das pessoas insultadas pela idosa

O caso aconteceu em novembro de 2012 na farmácia de um shopping na avenida Paulista. A corretora de imóveis Karina Chiaretti procurava um esmalte de unhas ao lado da filha de nove anos quando Castelli começou a berrar uma variedade de insultos racistas: “macaca, eu não gosto de negro”, “negro é imundo”, “negros são favelados”, “negros deveriam estar proibidos de frequentar shopping center”, etc. Ao perceber a gritaria, os outros dois denunciantes, Suelen Mariano e Alex Marques, também negros, se aproximaram e foram recebidos pela idosa, segundo a sentença, com os mesmos insultos e mais: “eu sou superior a vocês, porque sou descendentes de alemães”. A polícia foi chamada e, enquanto a senhora se esquivava e se refugiava em casa com a desculpa de procurar um remédio, as vítimas abriam um boletim de ocorrência e tentavam dar um basta às atitudes da mulher já conhecida na região, e também em Curitiba, e na Justiça, por insultos impronunciáveis.

No Youtube, é possível assistir a vários vídeos de Castelli, com um andador, chamando de “lixo” um mendigo paraplégico, insultando de “idiotas” os policiais que tentaram prendê-la ou criando um tumulto em uma livraria de Curitiba, em fevereiro deste ano, após descarregar todo tipo de preconceitos contra uma estudante de origem asiática. Clique aqui para ler mais.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

1 × 2 =

1 Comentários

Avatar
Déa Januzzi 23 de abril de 2015 - 20:59

A velhice não melhora o caráter das pessoas. Ela exacerba os defeitos. Se a pessoa foi uma jovem e uma adulta preconceituosa, com certeza, ela vai envelhecer do mesmo jeito. Como diz o ditado popular “os canalhas também envelhecem” ou melhor as canalhas. Não importa o sexo, pessoas mais velhas não estão isentas de defeitos. Resta a denúncia da sua postagem. Parabéns, Maya.

Responder