Aos 80 anos, voltei a trabalhar como atriz

Por Maya Santana

Através de um trabalho de escola do neto Miriam voltou à ação

Ana Maria Cavalcanti

Em 2009, com 80 anos de idade, fui convidada para fazer um curta-metragem dirigido por meu neto Daniel, de 21 anos, que estuda cinema. Era um trabalho para a escola, de 15 minutos de duração e eu representava uma catadora de papéis. Ele teve nota 10 e eu fiquei feliz da vida de voltar a atuar depois de tantos anos longe das câmeras e microfones. Em seguida, fiz mais um curta metragem para outro aluno da escola. No total, participei de meia dúzia de curtas.Este ano, fiz um vídeo institucional para uma academia de ginástica e ganhei 1300 reais, por 3 horas de gravação. Adorei, porque sempre tive dificuldade em negociar um cachê. Minha vida de artista começou quando eu era ainda adolescente.

Numa cena do curta dirigido por Daniel, o neto

Cresci ao pé do radio ouvindo encantada peças teatrais, cheias de romantismo e aventuras. Na época, as mais famosas eram de autores portugueses, com aquele jeito empolado de falar. Ouvindo aquelas histórias eu ficava imaginando os personagens que gostaria de fazer, sonhava com isso. Um dia, por acaso, fui convidada para fazer um teste. Não levei a sério, mas era. Passei e, imediatamente comecei a trabalhar na radio Tupi. Eu não gostava dos papéis que recebia porque eu era sempre a malvada e, a outra, a boazinha. Mas meu tom de voz era de mulher má.. Isso em 1948, eu tinha apenas 19 anos. Fiz muitas peças dirigidas por OduvaldoViana e Cassiano Gabus Mendes.

Minha vida de artista começou quando eu era ainda adolescente.

A televisão entrou em minha vida logo depois, em 1950, quando em julho daquele ano, chegou ao Brasil uma equipe americana de televisão para colocar no ar a primeira transmissão da TV brasileira. Era um show ao vivo com artistas, cantores e até cobras, patrocinado pela GE e Squib. Quem fez a abertura do programa foi eu e minha irmã Marly Bueno. Nós aparecemos segurando um cartaz com o nome dos patrocinadores. Fomos as duas primeiras mulheres a aparecer na TV brasileira, sem dúvida.

Com a irmã Marly Bueno: primeiras mulheres a aparecerem na TV brasileira

Foi nesta inauguração que conheci meu marido, Hélio Bittencourt, amor à primeira vista. Ele era o engenheiro responsável pela transmissão, treinado nos Estados Unidos. Deixei, então, o radio para me dedicar somente a TV Tupi. Eu fotografava muito bem, ganhava bons papéis, fiz ao todo umas 50 peças que iam ao ar uma vez por semana, sempre ao vivo, com duração de uma hora. Eu adorava meu trabalho, ganhava bem, mais até que meu marido, que era engenheiro.

Contracenei com os galãs da época como Lima Duarte, Cassiano Gabus Mendes, Heitor de Andrade, Walter Foster. Um detalhe: as peças não tinham beijo. Mas isso foi mudando com o tempo e os papéis exigiam beijos apaixonados. Meu marido foi categórico: ou eu ou o beijo.

Deixei a TV e não me arrependo, embora continue adorando ser atriz. Arranjei outra profissão: fiz um curso de análises de laboratório e fui trabalhar no laboratório de analises Fleury, por dois anos, eu era a única mulher. Só parei porque nasceu a primeira filha.

Com o neto querido, Daniel, 20 anos, estudante de cinema

Sou casada há 60 anos com o Hélio. Temos 3 filhos, seis netos e uma bisneta. Parei de trabalhar para me dedicar a meus filhos.Duas vezes por ano viajava para o exterior. Em 2006, paramos de viajar porque meu marido ficou doente. Os filhos já estavam fora de casa e comecei a ficar inquieta queria fazer alguma coisa. Tive depressão por muito tempo porque sentia um vazio na vida. Melhorei quando voltei a atuar.Estou com 83 anos, tenho boa saúde, uma memória fantástica, mas enxergo mal. Não tenho vontade de fazer novela, mas teatro sim. E, mais que tudo, continuar a fazer cinema. Nunca pensei que nesta idade pudesse fazer tantos filmes. Eu olho pra trás e penso: valeu a pena. Já estou vivendo de lambuja.”


CONTEÚDO PUBLICITÁRIO

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





14 Comentários

rafael augusto ferreira 31 de julho de 2014 - 13:38

Em 1954 a cantora wilma bentivegna recebeu o prêmio ‘roquete pinto’ de revelação feminina !!
Porém, houve uma violentíssima reação contrária, pois, segundo a saudosa jornalista Liba Frydman ‘lágrimas e sangue num estúdio de tv’ estragaram AO VIVO a entrega do prêmio !
Como resultado, a cantora wilma bentivegna deixou a TV Tupi !?
Alguém saberia me dizer de que, lado estava a querida atriz Miriam Simone ?

Responder
rafael augusto ferreira 22 de maio de 2014 - 13:30

alguém saberia nos dizer de quem é a foto do bebê da capa do disco de vinil compacto simples de 1959, hino ao amor, da queridíssima cantora Wilma Bentivegna 😕

Responder
ana maria 20 de outubro de 2012 - 18:00

Margareth Creusa, de qual Monica vc é prima. Conheço várias

Responder
Margareth Creusa 20 de outubro de 2012 - 17:16

Olá, Parabéns!!!!
Ana Maria, tenho 54 anos e agora comecei a fazer teatro. Nunca é tarde! Se vivi 54 anos e fiz muitas coisas então terei mais um tempão para fazer outras.
Se você não me conhece, sou a prima de coração da Monica.
Quem sabe poderemos atuar juntas.
Beijos, Margareth Creusa

Responder
miriam dascal 7 de outubro de 2012 - 21:28

Amei, amei, me emocionei com tua linda avó viu Daniel,teu lindo avó, , tia famosa , nossa que delicia, e tb ver a Silvia que na verdade pouco sabia dela apesar de ja nos conhecermos há tempo, quero ver mais , Dani vc é maravilhoso, quero ter um neto assim tb, bsssss Miriam

Responder
Diana Guerreiro 6 de outubro de 2012 - 03:16

Tia Miriam,sempre linda e cheia de vontade de viver!Obrigada por seu exemplo!
Beijos!!!

Responder
Alice M.D´Angelo 5 de outubro de 2012 - 02:25

Que delícia de história!!!
Que bom que o Daniel poder dividir isso com todos…
Adorei

Responder
Marcia Coelho 4 de outubro de 2012 - 14:37

Que linda história de vida. Vale de inspiração pra muita gente. Obrigada por dividir!!

Responder
nenez 1 de outubro de 2012 - 23:24

uma estória que anima a gente!

Responder
Tinda 26 de setembro de 2012 - 13:26

Muito boa a sua matéria, Ana! Adorei conhecer as histórias da Míriam, essa mulher fantástica.
bj

Responder
lisa santana 26 de setembro de 2012 - 01:57

Ana, que delícia de história!

Responder
Vincent Katz 25 de setembro de 2012 - 16:52

Orgulhoso da minha sogrinha querida que alem de ser otima atriz, fotografa tao bem!
Parabens ao Dani tambem por dirigi-la lindamente.

Responder
toninho reis 25 de setembro de 2012 - 14:59

Como valeu !!!! que mulher fantastica esta MIRIAM ,um exemplo para nos ,adorei Ana bjs….

Responder
Maria Lucia Arroyo Lima 25 de setembro de 2012 - 12:55

Adorei as histórias da Miriam! Que incrível o trabalho dela!
Parabéns ao neto e a avó, tão linda e expressiva.

Responder

Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais