Até quando brasileiras vão perder a vida em busca do ‘corpo perfeito’?

Por Maya Santana

Liliane Amorim, influenciadora digital, tinha apenas 26 anos e fez lipoaspiração num hospital de Juazeiro do Norte, no Ceará. Ela morreu no domingo, em consequência de complicações

Já perdemos a conta de quantas vezes lemos nos jornais, nos últimos tempos, sobre a morte de jovens, causada por complicações em procedimentos estéticos, normalmente, lipoaspiração. E elas estão morrendo cada dia mais jovens. O que chama a atenção no caso mais recente, de Liliane Amorim, morta no último domingo(24), em um hospital do Ceará, é exatamente o fato de ter apenas 26 anos e ser linda. A busca pela beleza a qualquer custo, fruto de uma sociedade doente, vai tornando banal essas mortes. Como explica este artigo de Leda Antunes, para O Globo, “essa busca incessante, refletida nos relatos das influenciadoras, é da ordem da compulsão. Quanto mais a pessoa faz, mais quer fazer e vai banalizando os riscos. Todo risco parece valer a pena”, explica a psicanalista Joana Novaes.

Leia:

A morte da influenciadora Liliane Amorim, 26 anos, no último domingo (24), por complicações causadas por uma cirurgia de lipoaspiração, faz um retrato cruel da busca incessante pelo “corpo perfeito” imposta às mulheres, em especial às brasileiras. Essa busca tem suas raízes no patriarcado, que objetifica o corpo feminino, e ganha impulso de um mercado altamente lucrativo num contexto de hiper-exposição nas redes sociais.

O caso de Liliane não é isolado. Notícias de mulheres mortas após procedimentos estéticos invasivos feitos com pouca ou nenhuma segurança não são raras. E mesmo as intervenções feitas adequadamente apresentam riscos, mas são tratadas de forma cada vez mais banal no discurso médico e no universo das blogueiras, que abordam o assunto como se falassem de uma ida ao dentista ou ao shopping.

Leia também:Vai fazer plástica? Tem referência do cirurgião? Cuidado!

Após a notícia da morte de Liliane, a também influenciadora Thaynara OG, 28 anos, fez um desabafo em suas redes sociais contando que ficou internada em uma UTI por uma semana em março do ano passado, após fazer o mesmo procedimento, a chamada lipo lad, atual queridinha das famosas.

Essa busca incessante refletida nos relatos das influenciadoras é da ordem da compulsão, explica a psicanalista Joana Novaes. “Quanto mais a pessoa faz, mais quer fazer e vai banalizando os riscos. Todo risco parece valer a pena”, afirma.

Mas como mulheres jovens, magras, dentro de todos os padrões de beleza atuais são levadas a acreditar que seu corpo não é belo o suficiente e que precisam se expor a uma intervenção cirúrgica para ficarem mais definidas?

Tao cheia de vida: morte precoce, perfeitamente evitável

Novaes, que coordena o Núcleo de Doenças da Beleza da PUC-Rio, afirma que o fenômeno pode ser explicado em dois eixos:

— Tem um caldo cultural que facilita esse fenômeno. Primeiro há uma tradição de ordem histórica, que vem do patriarcado, na qual a mulher está sempre associada ao seu corpo e segunda a qual a beleza é índice de feminilidade — afirma.

Leia também:Cirurgia plástica íntima já preocupa ginecologistas

Em segundo lugar, há uma nova tradição que se estabelece na sociedade “do consumo e do espetáculo”, em que o valor da imagem “é determinante do caráter”:

— É uma marca mortífera do patriarcado, combinada a características contemporâneas que determinam que o seu valor reside na imagem que você ostenta. A validação que todos nós buscamos agora é encontrada nesse universo das redes sociais, no número de seguidores, nos likes, nos comentários. A beleza virou sinônimo de caráter e de exclusão socialmente validada — diz a psicanalista, e continua:

— Quando estamos mais magros, recebemos uma série de benesses e favorecimentos. A magreza está associada a uma vida mais rica. Quanto mais magro melhor são suas condições no mercado de trabalho, no mercado amoroso. A vida das mulheres é imensamente facilitada pela beleza e, para não amargar essa exclusão, a beleza se torna um capital, uma possibilidade de ascensão social em um país tão desigual como o Brasil. Isso faz com que gurias cada vez mais jovens reproduzam o que essa moça acabou de fazer — reforça.

Leia também:Rosto tratado, mas com rugas. Será o fim da cirurgia plástica?

Pressão estética: Por que, em um ano, mais de 80 mil adolescentes fizeram cirurgia plástica no Brasil?

Levada ao extremo, a busca para se encaixar nos padrões pode fazer com que algumas pessoas desenvolvam um transtorno chamado dismorfia corporal.

— É uma percepção delirante do corpo, que está na ordem das adições. A pessoa acredita que sempre tem algo a ser melhorado e que sua aparência é da ordem do intolerável. Aqui não estamos falando de um leve desconforto, mas de sujeitos que podem se cortar, que usam roupas pesadíssimas num verão de 40 graus, pessoas que não comem — explica a psicanalista, ressaltando que não é possível saber se esse era o caso de Liliane, mas que esse tipo de distúrbio é cada vez mais comum.

Novaes pesquisa as chamadas doenças da beleza (distúrbios alimentares e os transtornos dismórficos corporais) há 25 anos e é categórica em dizer que, apesar dos avanços para a emancipação feminina, a mulher brasileira ainda não foi libertada do seu próprio corpo. Para ela, a situação aqui difere da europeia ou da americana.

— A meu juízo, a apropriação do corpo pela mulher brasileira é limitada, ainda restrita a uma objetificação. Assim como a mulher brasileira não foi liberada do seu corpo, ela também não foi liberada da maternidade. O imaginário social brasileiro ainda é muito arcaico e conservador. Ser mulher no Brasil ainda é muito cruel. A mulher brasileira ainda está presa nas próprias medidas e seu corpo ainda é uma moeda de troca — diz Novaes.

Leia também:Tratamentos menos invasivos adiam a cirurgia plástica

Ela lembra que o Brasil é o país que mais faz cirurgias plásticas do mundo e exporta tecnologia nesse setor. Além disso, por aqui, as mulheres têm praticamente o dobro de chances de desenvolver um distúrbio alimentar do que a média mundial.

Por trás disso, há um mercado altamente lucrativo, que se beneficia e se alimenta da insatisfação das mulheres com seus corpos. Para Novaes, há ainda um discurso médico que banaliza os riscos das intervenções cirúrgicas estéticas.

A psicanalista avalia que, embora discursos afirmativos com o “body positive” ou contra a gordofobia ganhem cada vez mais força e façam barulho, ainda são proporcionalmente menores se comparados à narrativa hegemônica dos padrões estéticos da indústria da beleza.

— A imagem da mulher bem sucedida ainda é de uma pessoa magra. A mulher poderosa é a mulher bonita, magra. A mulher feia é considerada menos mulher.

Leia também:Cabelo bem cortado é fundamental na aparência. Veja os vários cortes


CONTEÚDO PUBLICITÁRIO

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais