Atrizes saem em defesa do envelhecimento natural

Por Maya Santana
 Jodie Foster, 51 anos em novembro, é uma das que não adotam o botox

Jodie Foster, 51 anos em novembro, é uma das que não adotam o botox

Outro dia publiquei aqui um artigo da jornalista Silvia Salek, no qual ela reclamava da pressão que sofre de amigas e conhecidas para que tinja os fios de cabelos brancos, já visíveis na cabeça. Ela é aquele tipo de mulher que acha cabelo branco uma conquista e não quer cobri-los. Agora, encontro este artigo na revista Isto É sobre atrizes famosas que, como Silvia, defendem um envelhecimento mais natural. No caso, as estrelas de Holywood são contra aqueles procedimentos a que tantas mulheres se submetem para eliminar as marcas do tempo e parecer mais jovens. Volta e meia, falo disso aqui, pois também não sou adepta destes disfarces.

Leia o artigo:

Movida a magia e ilusão, Hollywood está sendo  abalada em um de seus principais pilares: o culto da beleza e da eterna juventude. Contra os procedimentos estéticos que amenizam rugas e marcas de expressão, atrizes na faixa dos 50 anos, como Jodie Foster e Julianne Moore, preferem não esconder os sinais do envelhecimento que, no caso de grandes intérpretes como elas, terminam por ser o seu maior capital.

A mais nova no clube das que passam longe de uma clínica de preenchimentos e botox é Teri Hatcher, a Susan do seriado “Desperate Housewives”. Aos 48 anos, Teri decidiu divulgar um ensaio fotográfico em que se exibe sem maquiagem, fazendo caretas. A sequência de fotos mostrando-a  enrolada numa toalha foi divulgada em sua página no Facebook para provar que ela abriu mão do uso da toxina botulínica. Adepta do procedimento no passado, hoje Teri acha ridículo aparentar ter menos idade: “É preciso aprender a envelhecer com elegância e dignidade”, disse à IstoÉ.

Atrizes botox

Em cartaz com a animação “Aviões”, na qual dubla o personagem de uma empilhadeira, a atriz afirma que a decisão de parecer mais natural não diminuiu os convites de trabalho. O recado, obviamente, não se dirige apenas às suas colegas de profissão. “Quero ser essa voz, abrindo o olho das mulheres para que se sintam bem do jeito que são. Rugas não impedem ninguém de ser bonito”, afirma. O pensamento coloca em xeque a ideologia dos estúdios, que sempre incentivaram o contrário.

Em sua época de ouro, quando as técnicas de embelezamento não eram tão difundidas e avançadas, Hollywood reuniu os melhores maquiadores, fotógrafos e iluminadores para garantir que estrelas como Marilyn Monroe ou Greta Garbo parecessem deusas. Na era das celebridades não basta ser astro apenas nas telas: é preciso exibir a mesma pele de porcelana na vida real, o que torna o cotidiano das atrizes um suplício. Disposta a lutar contra a ditadura da beleza, Teri dispensa até os comerciais de cosméticos: “Não sou contra a mulher querer ficar bonita. Só não acredito que um simples produto fará milagre algum”.


CONTEÚDO PUBLICITÁRIO

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





2 Comentários

Regina Lucia A. de Paula 24 de setembro de 2017 - 09:27

Então a minha amiga enxutérrima, passou pela rua e um tipo machista, Kchaceiro, mal caráter falou lá vai o maracujá. Ele se esqueceu que na rua dele há uma pichação R.(fulano) pinto pequeno. E na rua dela ela é a rainha da simpatia. ……. Te amo amiga 60tona gata

Responder
Déa Januzzi 16 de setembro de 2013 - 14:15

Até que enfim as celebridades assumem. Podia acontecer o mesmo com as do Brasil, tipo Ana Maria Braga, Suzane Vieira que parecem múmias de tão esticadas. Não têm nem expressão no rosto mais. Até o sorriso é plastificado, um arremedo do que eram quando jovens, Deus nos livre!!!!!

Responder

Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais