Beatriz Segal e a grande arte de ser vilã na telinha

Por Maya Santana
Às vésperas dos 87, a atriz viaja por todo o país fazendo palestras sobre vilania

Perto dos 87, a atriz viaja pelo país fazendo palestras sobre vilania

Bruno Astuto

Recentemente, Beatriz Segall voltou a reviver os tempos de Odete Roitman, a inesquecível vilã interpretada por ela há 25 anos na novela Vale Tudo. Prestes a completar 87 anos no dia 25, ela está rodando o país com a palestra ‘De Odete Roitman a Carminha, a Grande Arte de Ser Vilã na Telinha’. E diz que está com a agenda cheia. Em conversa com ÉPOCA, ela descreveu as aulas de vilania.

Como funciona uma aula de vilã?

Fiz recentemente uma palestra no Rio, e deu tão certo que resolvi rodar o país falando sobre a arte de interpretar megeras na TV. Como sempre me solicitam por conta da personagem que fiz em Vale Tudo, resolvi assumir isso e contar a minha experiência, como atriz e telespectadora, para quem quiser ouvir.

Por que se negou a falar sobre Odete durante tanto tempo?

A personagem entrou para a história da televisão brasileira, isso é indiscutível. Agora, eu não sou uma atriz de um papel só, fiz muitas outras coisas, recebi alguns prêmios e não construí minha carreira só com ela. O que me cansa um pouco são as pessoas que acham que estão sendo originais e soltam a velha pergunta: “Quem matou Odete Roitman?’. Ninguém aguenta mais ouvir falar sobre isso. Se for uma abordagem bacana sobre a personagem, nunca me nego a falar.

Por que está afastada da TV?

Porque não me chamam. E as novelas de hoje não têm mais espaço para pessoas de idade. Até as atrizes que interpretam matriarcas são novinhas. (Fonte: revista Época)

Relembre como Odete Roitman era a própria encarnação daquela maldade diabólica:


CONTEÚDO PUBLICITÁRIO

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais