BH inaugura seu Centro Cultural Banco do Brasil

Ó CCBB de Belo Horizonte é o maior dos quatro existentes no Brasil em área aproveitável

O CCBB de Belo Horizonte é o maior dos quatro existentes no Brasil em área

Belo Horizonte ganhou nesta terça-feira o seu Centro Cultural Banco do Brasil, CCBB, o quarto do Brasil, depois do Rio, São Paulo e Brasília . É o maior dos quatro, com 12 mil metros quadrados de área, embora apenas oito mil metros estejam sendo inaugurados agora. Em termos culturais, esta é realmente uma grande notícia para BH. O prédio de seis andares, tombado pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha) em 1977, tem teatro com 300 lugares, seis salas de exposição, cafeteria, sala de programa educativo, sala multimeios, loja de produtos culturais e área administrativa. Conheço os CCBB do Rio e de São Paulo, ambos também instalados em prédios tombados, de grande valor histórico. No caso de BH, o interessante é que o Centro fica na Praça da Liberdade, toda ela convertida em um grande complexo cultural com a transferência das secretarias de governo para outro local da capital. Leia mais sobre o CCBB de BH neste artigo de Paola Carvalho, publicado pela Veja BH:

Frida Khalo e outras artistas compõem a primeira exposição no Centro Cultural
Frida Khalo e outras artistas compõem a primeira exposição no Centro Cultural

“As cortinas do Circuito Cultural da Praça da Liberdade foram abertas em 2010, depois da transferência das secretarias estaduais que ocupavam seus edifícios históricos para a Cidade Administrativa, no bairro Serra Verde. Mas só nesta terça entrou em cena o principal protagonista do espetáculo, o Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB). E ele chega sob holofotes. O prédio de seis andares, onde funcionou a Secretaria Estadual da Defesa Social, será inaugurado com a exposição internacional Elles, organizada pelo Centro Georges Pompidou, um dos espaços mais visitados de Paris.

As 120 obras produzidas por mulheres que são ícones na arte mundial – entre elas a belo-horizontina Lygia Clark (1920-1988) e a mexicana Frida Kahlo (1907-1954) – ocuparão galerias que somam 1 200 metros quadrados. Trata-se de um marco na cena cultural de Belo Horizonte, a quarta cidade a receber o complexo patrocinado pelo banco estatal. A expectativa é que a programação de qualidade, com preços acessíveis, atraia grandes plateias, como nas unidades do CCBB em Brasília, no Rio de Janeiro e em São Paulo. No ano passado, os três espaços receberam, juntos, cerca de 4,5 milhões de visitantes e entraram no ranking internacional dos 100 endereços com maior público, realizado pela publicação inglesa The Art Newspaper.

http://youtu.be/A9aSLC8hFSk

A unidade de Belo Horizonte é a maior da rede em área aproveitável. Ao todo, são 12 000 metros quadrados dedicados exclusivamente à cultura. Dois terços do centro cultural entram em funcionamento agora. Outros 4 000 metros quadrados serão abertos em uma segunda etapa, ainda sem data definida. Com investimentos de 37 milhões de reais, o trabalho de recuperação do edifício projetado em 1926 pelo arquiteto Luiz Signorelli (1896-1964), fundador da Escola de Arquitetura da Universidade Federal de Minas Gerais, durou quatro anos. A data de inauguração foi adiada várias vezes por causa de mudanças no projeto. “O desafio maior foi resgatar a proposta original e adaptar as instalações de um órgão público para o uso moderno de um centro cultural”, explica Flávio Grillo, arquiteto especialista em restauração de monumentos históricos e responsável pela obra.” Clique aqui para ler mais.

close

Inscreva-se para receber conteúdo incrível em sua caixa de entrada, todas as semanas

Prometemos que nunca faremos spam! Dê uma olhada em nossa Política de Privacidade para mais informações.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × 4 =

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo