Brasil tem maior número de domésticas do mundo

Por Maya Santana
Márcia Poole, Diretora de Comunicação da OIT

Márcia Poole, Diretora de Comunicação da OIT, presidiu a coletiva

Maya Santana, 50emais

A cifra faz parte do relatório pioneiro sobre o trabalho doméstico em todo o mundo que a Organização Internacional do Trabalho (OIT) divulgou na quarta-feira em Genebra, na Suiça, sede da OIT, agência da ONU especializada em questões do mundo do trabalho. Os números são surpreendentes e mostram a necessidade de uma legislação que proteja mais os trabalhadores domésticos, categoria formada majoritariamente por mulheres e que, frequentemente, tem seus direitos ignorados. Em muitos casos, são maltratadas mesmo.

O 50emais conversou com a Diretora de Comunicação da OIT, a brasileira Márcia Poole. Segundo ela, diante da situação dos domésticos no mundo, é fundamental a importância da Convenção Internacional sobre Trabalhadores Domésticos – convenção no. 189 da OIT, adotada em 2011, que entra em vigor no ano que vem.

“A Convenção Internacional sobre os Trabalhadores Domésticos é histórica. Pela primeira, em escala global, o trabalho doméstico é reconhecido como digno, igual a todas as outras formas de trabalho. E os trabalhadores domésticos têm direito às mesmas condições e à mesma proteção que os outros trabalhadores: uma jornada diária delimitada, direito a folga, férias, aposentadoria, e aos outros direitos trabalhistas fundamentais”, explicou a diretora ao 50emais.

O Brasil emprega quase sete milhões delas

O Brasil emprega quase sete milhões delas

Leia o artigo publicado por O Globo:

“O Brasil tem 7,2 milhões de empregados domésticos, sendo 6,7 milhões de mulheres e 504 mil homens, e aparece como o país com a maior população de trabalhadores domésticos do mundo em números absolutos, segundo estudo feito em 117 países e divulgado nesta quarta-feira (9) pela  Organização Internacional do Trabalho (OIT).

O estudo, com dados de 2010, não traz números da China, país de maior população mundial. Depois do Brasil, aparecem a Índia com 4,2 milhões e a Indonésia com 2,4 milhões.

De acordo com o relatório, 17% das mulheres que trabalham no Brasil realizam tarefas domésticas, percentual um pouco abaixo do registrado em países vizinhos como Argentina (18,3%) e Uruguai (18,5%), além de Costa Rica (17,3%) e Ilhas Cayman (17,3%), na América Latina e Caribe, e maior, por exemplo, que Chile (14,3%), Colômbia (13%), Venezuela (14,4%) e México (10,3%).

Os maiores índices de mulheres que trabalham como empregadas domésticas (porcentagem de domésticas sobre o total da população feminina), de acordo com a OIT, estão em países do Oriente Médio: Omã (59,3%), Kuwait (53,3%), Arábia Saudita (47,1%), Emirados Árabes (42,4%), Bahrein (42,2%) e Catar (38,9%).

O estudo mostra ainda que atualmente pelo menos 52 milhões de pessoas no mundo  – a maioria mulheres (83%) – estão empregadas como trabalhadores domésticos. Esse número representa 7,5% do emprego assalariado das mulheres no mundo e em algumas regiões uma porcentagem muito maior, sobretudo na Ásia e no Pacífico e na América Latina e Caribe.” Leia mais em www.oglobo.com.br


CONTEÚDO PUBLICITÁRIO

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais