Caminhar pode aumentar a nossa criatividade

Por Maya Santana
Caminhar, pouco que seja, já ajuda

Caminhar, pouco que seja, já ajuda


Eu tenho uma amiga, beirando os 60 anos, que caminha todas as manhãs, de domingo a domingo, bem mais de uma hora por dia. De vez em quando, ela brinca: “Resolvo todos os meus problemas enquanto ando”. Se resolve mesmo, não sei. O fato é que ela é uma das pessoas mais criativas que encontrei. E possui a capacidade de armazenar uma quantidade grande de energia, poucas vezes encontrado nas pessoas. Todo mundo que caminha, inclusive eu, atesta os benefícios do caminhar. Agora, vem esta pesquisa mostrar que, às vezes, basta uma caminhada pequena, dentro do próprio escritório, por exemplo, para acender a luz da criatividade.

Leia o artigo do New York Times, publicado pelo Uol:

Se você não consegue pensar em uma forma legal e criativa de apresentar os dados comerciais, ou de iniciar uma coluna para o jornal, saia para dar uma volta. Uma caminhada, mesmo que seja dentro do escritório, pode aumentar significativamente sua criatividade, de acordo com uma nova pesquisa da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos.

A maioria de nós já ouviu falar que exercícios, incluindo caminhadas, geralmente ajudam a aumentar a concentração, tanto em curto como em longo prazo. Diversos estudos mostram que animais e pessoas geralmente apresentam desempenhos melhores em testes de memória e da função executiva – ou seja, a capacidade de tomar decisões e organizar o pensamento – depois de se exercitarem (embora exercícios intensos prolongados possam causar fadiga mental temporária – o que significa que não vale a pena fazer uma prova de matemática depois de uma maratona).

Há milênios, escritores e artistas dizem que suas melhores ideias surgem em uma caminhada

Há milênios, escritores e artistas dizem que suas melhores ideias surgem em uma caminhada

Da mesma maneira, relata-se uma conexão entre a prática de exercícios e a criatividade. Há milênios, escritores e artistas afirmam que suas melhores ideias surgem durante uma caminhada.

Entretanto, poucos indícios científicos dão suporte à ideia de que os exercícios físicos ajudam a criatividade. Por isso, pesquisadores da Universidade de Stanford decidiram recentemente testar essa possibilidade, inspirados, em parte, por suas próprias caminhadas.

“Meu orientador e eu costumávamos caminhar juntos para discutir os temas da minha tese”, afirmou Marily Oppezzo, na época, aluna de pós-graduação na instituição. “E um dia pensei: ‘Bom, e que tal isso? Que tal falar sobre as caminhadas, e se elas realmente têm um efeito sobre a criatividade?'”.

Com o apoio entusiasmado do orientador, Daniel Schwartz, professor da Faculdade de Educação de Stanford, Marily recrutou um grupo de alunos de graduação para ver se conseguiria aumentar sua criatividade. Clique aqui para ler mais.


CONTEÚDO PUBLICITÁRIO

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais