fbpx

Cantora cujo mundo não tinha regras faria 70 anos

Por Maya Santana

A cantora americana do Texas morreu de overdose de cocaína, aos 27 anos

Janis Joplin, americana do Texas, morreu de overdose de cocaína, aos 27 anos

Hoje, sábado, 19 de janeiro, além de ser aniversário da morte de Elis Regina, em 1982, é também a data do aniversário de janis Joplin, a americana nascida no Texas que incendiou o mundo na segunda metade da década de 60, com sua voz inigualável e um jeito de ser absolutamente desregrado. Completaria 70 anos. Levou uma vida tão intensa, que viveu tudo que tinha que viver em apenas 27 anos. Idolatrada naqueles míticos anos, passou feito um furacão. Morreu de overdose de heroína em 4 de outubro de 1970. Leia o artigo que O Globo publicou sobre ela:

“Houve um tempo em que a igualdade era um sonho e a liberdade, música. Na época dos protestos, festivais, blues e rock’n roll, uma voz se tornou incomparável. Na época que os homens dominavam os palcos, uma jovem inesquecível: a texana Janis Lyn Joplin.

Era o ano de 1967. Com a banda ‘Big Brother and the Holding Company’ ela virou do avesso o público do Monterey Pop Festival, a primeira grande aparição. Depois do show, Janis Joplin assinou com uma gravadora e conheceu a fama – nem tão desejada.  Janis foi parte da geração beat, seguiu a cartilha dos viajantes, dos anti-materialistas, da vida espontânea. O mundo dela não tinha regras.

Ela foi a maior cantora de rock and roll dos anos 60

Ela foi a maior cantora de rock and roll dos anos 60

No palco, apresentações incendiárias, performances livres e intensas, sucessos eternizados. Fora dos palcos, uma vida amorosa turbulenta e o consumo de álcool e drogas.  No Brasil, chegou a ser expulsa do tradicional Copacabana Palace. Tinha nadado pelada na piscina do hotel.

Janis Joplin só conheceu o auge da carreira. Da euforia ao desespero, morreu três anos depois do primeiro grande show. Ainda faltavam duas faixas do último disco para serem gravadas quando ela teve uma overdose de heroína no quarto do hotel.  Entrou para a macabra lista do rock dos mortos aos 27 anos.

E agora, quando completaria 70 anos, mostra que os mitos nunca morrem.”

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

4 + 15 =

1 Comentários

Avatar
Heron Costa 14 de agosto de 2014 - 18:57

Só pra lembrar, ela não morreu de overdose de cocaína e sim de heroína.

Responder