fbpx

Carta ao povo americano de Maria Cristina Bahia

Por Maya Santana

 Duas pessoas morreram e mais de 100 ficaram feridas nas explosões em Boston

Duas pessoas morreram e mais de 100 ficaram feridas nas explosões em Boston

Caros cidadãos e cidadãs dos Estados Unidos da América,

Antes de qualquer coisa, apresento respeitosamente minha solidariedade a vocês, especialmente às famílias das vítimas fatais e daqueles feridos no atentado insano durante a Maratona de Boston.

Dirijo-me a vocês, desde o Brasil, onde nasci e resido há 60 anos, também para dizer que desde ontem, quando acompanhei pela televisão a cerimônia cívica e religiosa em homenagem às vítimas, cresceu dentro de mim o sentimento da inveja. Sim, eu os invejo. Por favor, não me entendam mal – sei que vocês estão feridos, chocados, assustados. Mas eu os invejo, de uma forma positiva, se é que me entendem.

Vou explicar: a cerimônia em homenagem às vítimas da Maratona de Boston mostrou, pelo menos pra mim, que vocês são um povo que pode contar com seu Estado nos momentos trágicos, aqueles em que tudo parece estar perdido. Naquela cerimônia, os representantes que vocês elegeram para governar a Nação se colocaram, com inquestionável sinceridade, ao lado de seus cidadãos, com palavras de solidariedade, de apoio, de encorajamento para superar este trauma. Mais do que isso – eles estão corroborando com ações concretas e incisivas as palavras ditas na cerimônia.

É este o objeto da minha inveja. É possível que vocês não saibam que o Brasil tem o maior número de assassinatos de todo o planeta. Só em 2010 foram mais de 52 mil vítimas de homicídios no nosso território, a maioria jovens. São números superiores ao de mortes em guerras. São números aterradores. Pois menos de 5% dos autores de homicídios são punidos. Muitos casos nem chegam a virar inquérito policial, ficando enterrados para sempre nas gavetas das milhares de delegacias espalhadas pelo país; outra parte, esbarra na lentidão do nosso sistema Judiciário e nas leis que procuram garantir o direito de defesa do réu. Ótimo que seja assim, por aqui também valorizamos o Estado de Direito e a democracia – mas, eu fico me perguntando, que leis e que aparato protegem os cidadãos de bem no Brasil?

Duas pessoas morreram e mais de 100 ficaram feridas na explosão de duas bombas

Os moradores da cidade rezaram pelas vítimas

Não protegem, esta é a verdade. Nosso Estado é ineficiente, caro, lento e burocrático. Pior –é desumano.  A sensação é que estamos por nós mesmos, num salve-se quem puder selvagem. Vivemos sob um medo cotidiano. A impunidade permitida pelo Estado deixa nas ruas homicidas armados e livres para cometer mais crimes, legar-nos mais vítimas.

Sei que, como qualquer Nação, vocês também têm seus problemas, seus desvios, seus desafios. Mas podem contar com um Estado que os ampara, que procura assegurar proteção, que se mobiliza nos momentos mais importantes para fazer valer o direito e os valores de seus cidadãos, um Estado que funciona minimamente.

Os números escancaram a tragédia brasileira. Para além dos números, somos também uma Nação ferida, que enterra seus jovens assassinados sem a menor esperança de que os assassinos, algum dia, “encarem a Justiça”, como disse o presidente Obama na cerimônia de Boston.  Somos uma Nação de milhares de famílias destroçadas, arruinadas; uma Nação que sepulta seu futuro. Uma Nação de abandonados.

Perdoem o desabafo – é que desde a cerimônia na Catedral de Boston não consigo parar de pensar nisso, nesta diferença que coloca um abismo entre nós. E que desperta essa inveja incômoda como uma unha encravada, uma dor de ouvido na madrugada.

Com respeito,

Maria Cristina Bahia

Leia também: Balada do Abismo

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

7 + seis =

6 Comentários

Avatar
Airton Ribeiro 24 de abril de 2013 - 14:41

Cristina, querida amiga.
Excelente seu desabafo. Mas você foi excessivamente generosa com a corja que ocupa cargos políticos e administrativos em todos os níveis, em nosso país.
Airton

Responder
Avatar
Erico 22 de abril de 2013 - 21:35

Falaste muito bem quanto a impunidade em nosso País. Realmente ainda estamos longe, mas muito longe mesmo de sermos comparado ao USA. Pq lá as leis funcionam, enquanto em nosso País tem tantas leis mas nao sao executadas. Como que uma pessoa de 16 anos podem escolher um lider para presidenciar um país do tamanho do Brasil e nao podem se quer responderem, pelos seus atos, como assassinato por exemplo e tantas outras barbaridades.

Responder
Avatar
Tinda Costa 22 de abril de 2013 - 00:36

Voce nao está sozinha! Eu e milhoes de outros brasileiros tambem nos sentimos assim, Cristina. Muito bom o seu texto!

Responder
Avatar
Vera Reis 21 de abril de 2013 - 22:27

Exato Maria Cistina Bahia… seu sentimento traduz o sentimento de muitos brasileiros..A diferença , tbm, dentre outras por vc citada, é a flata de UNIão de nosso povo…acredito que ,a própria falta de cultura, informação e formação proporciona, essa alienação que fatalmente gera a flata de união.. O Povo Americano é bastante unido…. acredito, ate, que isso ocorra em todos os paises desenvolvidos…… Nossos governantes não fazem questão dessa união, infelizmente.. Não sei,, mas a vezes me surpreendo pensando nisso..Tambem tenho 60 anos , sempre fui muito abençoada,,Tive pais humildes, mas que sempre prezaram a educação….

Responder
Avatar
Juscelina 21 de abril de 2013 - 16:22

Seu texto me tocou, Cristina. No Brasil a gente anda se sentindo mesmo desamparada.
Abraço da sua ex-colega do Estadual, em 1968/9. Juscelina

Responder
Avatar
Toninho Reis 21 de abril de 2013 - 08:46

Parabens Maria Cristina,ate quando vamos aguentar este nosso Pais com tantos crimes e nada e feito, ate quando……..

Responder