fbpx

Histórias de quem achou novo amor na internet aos 40, 50, 60

Por Maya Santana

"Já tinha ouvido várias histórias de amor pela internet - de sucesso e de fracasso. Sempre pensava que, se encontrar um homem honesto na vida real já é difícil, na virtual seria mais complicado ainda. Quando decidi procurar um namorado na rede, decidi que seria eu mesma. Essa é a dica número um. Se agirmos com sinceridade, o risco de decepcionar o outro e a nós mesmos é muito menor. E as chances de dar certo, enormes," diz Vera, pedagoga e blogueira. Ela sofreu um acidente aos 11 anos e teve que amputar seu braço direito. Hoje, é casada com Hélio, comerciante

“Já tinha ouvido várias histórias de amor pela internet – de sucesso e de fracasso. Sempre pensava que, se encontrar um homem honesto na vida real já é difícil, na virtual seria mais complicado ainda. Quando decidi procurar um namorado na rede, decidi que seria eu mesma. Essa é a dica número um. Se agirmos com sinceridade, o risco de decepcionar o outro e a nós mesmos é muito menor. E as chances de dar certo, enormes,” diz Vera, pedagoga e blogueira. Ela sofreu um acidente aos 11 anos e teve que amputar seu braço direito. Hoje, é casada com Hélio, comerciante

Gabriela Carelli, O Estado de S.Paulo

shirley e Paulo têm 51 e 52 anos. Moram juntos. Sandra e Diego, de 46 e 49, são casados de papel passado. Vera e Hélio trocaram alianças – ela está com 46 e ele com 60. Quem os vê no porta-retratos, posando com os filhos ou passeando pelas ruas de mãos dadas, como aqueles casais que “deram certo” – se conheceram na época da faculdade, tiveram filhos e continuam juntos, felizes – nem imagina a história que eles têm para contar.

A narrativa é parecida nos três casos. Eles se deram mal. A união que seria para sempre, aquela, da juventude, durou só que tinha que durar. Depois, vieram as brigas, o divórcio, o fardo de criar os filhos sem um parceiro (que sempre pende mais para um lado do que para o outro), a preguiça e, vá lá, a vergonha de ir a um barzinho encontrar um novo alguém. E, por fim, a solidão. Só que não.

O que era para terminar como um samba-canção, ao estilo “o meu mundo caiu”, eternizado por Maisa, teve um final feliz. Depois do período de lamúria e aparentemente insuperável, porém inevitável, comum a todos os que terminam um relacionamento, mesmo aqueles notoriamente falidos, ele foram à luta. Na internet. Acharam-se no primeiro site de encontros do País voltado para quem tem lá seus 40 e tantos anos – ou bem mais – o Coroa Metade.

Em funcionamento há mais de dois anos, o Coroa Metade foi lançado no momento propício, tanto do ponto de vista demográfico como comportamental. O brasileiro nunca viveu tanto e tão bem, o que permite um recomeço aos 40, 50, 60 e, por que não, aos 70 anos. Prova disso é o número de matrimônios entre pessoas com mais de 40 anos na última década – houve um aumento de 62% só na região metropolitana de São Paulo, segundo o IBGE. E quem antes tinha receio de se meter em uma encrenca daquelas ao procurar os serviços de sites de relacionamento, principalmente os maduros, já não tem mais. Clique aqui para ler mais.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

14 − seis =

3 Comentários

Avatar
Cristina 4 de junho de 2017 - 19:11

Não consigo encontrar o site “coroa metade”. Pode, por favor me enviar o link?
Obrigada

Responder
Avatar
maria 6 de dezembro de 2015 - 13:44

Ola neste momento estou passando por isso tenho 60 so viuva encontrei uma pessoa fora do Brasil ele parece uma boa pessoa mas estou com medo muito medo de nao ser nada disso .

Responder
Avatar
Odete 2 de junho de 2017 - 13:40

Muito cuidado. Tem tido muitos golpes com pessoas inescrupulosas que usam as redes sociais para extorquir mulheres brasileiras.

Responder