fbpx

Chip da beleza, um implante hormonal que vem causando polêmica

Por Maya Santana
Empresária Eliana, 59: Minha qualidade de vida melhorou com o dispositivo. Foto: Claudio Gatti/VEJA

Os riscos do implante hormonal para as mulheres, apelidado de “chip da beleza” são muitos, assim como seus benefícios, sobretudo estéticos. Por isso, muitas mulheres estão aderindo à novidade sem ter qualquer problema de hormonal, ignorando o que dizem os médicos. Como explica Letícia Passos nesta reportagem para a Veja, o implante é indicado para problemas associados à menstruação, mas “tem sido procurado por seus efeitos estéticos — uso que os médicos condenam.” Fica claro na reportagem que a mulher deve pensar duas vezes antes de optar pelo procedimento.

Leia:

A proposta parece irresistível para as mulheres. Um procedimento médico capaz de interromper, ou ao menos mitigar, os sintomas associados à menstruação, como a dor de cabeça e a cólica. Uma terapia afeita a tonificar o corpo, aumentar a disposição e incrementar a libido. Trata-se do implante hormonal — ou “chip” da beleza, em seu exagerado apelido. É um recurso que virou febre no Brasil, nos últimos meses, desde que usuárias famosas como as atrizes Deborah Secco, Bruna Marquezine e Letícia Birk­heuer e a apresentadora Adriane Galisteu saíram por aí, nas redes sociais, badalando a intervenção.

O chip, na verdade, não é um chip. É um tubinho fino de silicone, com cerca de 4 centímetros de comprimento. Sua colocação é simples, com anestesia local e uma microincisão na região das nádegas ou no braço. Custa 3 000 reais e tem validade de seis meses a um ano — depois, é preciso trocá-lo. Não dói e pode ser retirado a qualquer momento. Os efeitos “milagrosos”, digamos assim, e ter a expressão entre aspas é compulsório, são decorrentes dos hormônios liberados pelo dispositivo. O principal deles é a gestrinona.

No corpo feminino, ela inibe a ovulação e ainda estimula a ação de outro hormônio, a testosterona (veja o quadro abaixo ). Conhecida por “comandar” o corpo masculino, a testosterona também está naturalmente presente no organismo da mulher. Em ambos os sexos, o composto está envolvido na produção de ossos, massa muscular, oleosidade da pele e na estimulação da libido.

Leia tambem: Mulheres criam novo padrão de beleza depois dos 50

No sexo masculino, a produção natural é cerca de trinta vezes maior do que no feminino. Isso explica por que os homens são em geral mais fortes e mais peludos e têm a voz mais grossa, por exemplo. Para elas, o hormônio tem a função primordial de auxiliar o processo de reprodução. Mas níveis altos de testosterona alimentam, paralelamente, outro efeito: o vigor físico, e é isso que tem provocado interesse e entusiasmo.

Aos 59 anos, a empresária paulista Eliana Guazzelli Pereira teve aplacadas as ondas de calor, a mudança de humor e a insônia atreladas à menopausa. Dois meses depois, vieram outras respostas: pele e músculos mais firmes. “Minha qualidade de vida mudou, e não pretendo tirar mais o dispositivo”, diz ela.

As promessas são muitas e, aparentemente, inescapáveis. Mas convém ter cautela. O implante provoca efeitos colaterais ruins, segundo entidades médicas respeitadas — e eles podem ser mais numerosos que os positivos. Não há, ainda, estudo conclusivo que associe diretamente o uso do implante a problemas de saúde, e por isso ele não é vetado.

Leia também: Dr. Victor Cutait – A beleza sem prazo de validade

A resistência de muitos especialistas tem base em trabalhos que já relacionaram o excesso de testosterona com cânceres. Estudo conduzido pela Universidade Harvard mostrou que a aplicação do hormônio em mulheres na menopausa resultou em risco duas vezes maior de desenvolver tumor de mama. Diz o oncologista Gilberto Amorim, da Rede D’Or: “A testosterona extra pode estimular o crescimento desordenado das células mamárias, deflagrando o câncer”. Há uma agravante: a manipulação é feita em farmácias, sem o rigor necessário.

Some-se, ainda, uma confusão típica dos tempos de culto ao corpo: muitas mulheres foram atraídas pelos resultados estéticos do implante, e não porque tivessem alguma deficiên­cia hormonal. “O uso do medicamento por pessoas que não tenham problemas hormonais é contraindicado”, diz Alexandre Hohl, da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia. Em nota, o Conselho Federal de Medicina declarou que “tratamentos do tipo só devem ser feitos por razões médicas”. Fica o alerta.

Leia tambem: Existe no nosso entardecer uma crepuscular beleza a apreciar

Leia também: Rubem Alves – Para mim, Deus é isto, a beleza que se ouve no silêncio


close

Inscreva-se para receber conteúdo incrível em sua caixa de entrada, todas as semanas

Prometemos que nunca enviaremos spam! Leia nossa Política de privacidade para mais detalhes.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais