fbpx

Novo líder dos povos do Alto Xingu terá missão de manter vivo conhecimento dos mais velhos

Por Maya Santana

Tapi ao lado do pai, Aritana, grande líder do Alto Xingu, um mês antes dele morrer de COVID 19, em agosto de 2020, aos 71 anos

Renée Castelo Branco, 50emais

Acabo de receber por whatsapp esta foto, enviada por Tapi. Na reclusão da pandemia, tenho tempo para refletir sobre ela, feita há um ano: em março de 2020, Aritana olha para a câmara, que congela a expressão de tristeza e decepção.

Volto no tempo. Busco o olhar de Aritana 45 anos antes desse registro, quando estive no Xingu com Margarida, minha amiga da faculdade. Era um olhar limpo, de esperança, livre de preocupações. O Xingu ainda era um paraíso, embora uma estrada recente cortasse suas terras. Passávamos as tardes conversando com Aritana, então com 26 anos.

Deitado numa rede, trancado na casa de palha, estava de resguardo pelo nascimento do primeiro filho, Tapi. Ali, Aritana praticava habilidades aprendidas e naturais na conversa com os “brancos”, que cada vez mais viriam visitar a aldeia YAWALAPITI, conhecida por receber bem os “caraíbas”.

Fora escolhido e treinado pelos irmãos Villas-Boas, criadores do Parque Nacional do Xingu, para um dia ser o grande líder daqueles povos; alguém que pudesse fazer a ponte com um mundo ameaçador que se aproximava. O mundo dos “brancos”.

Era o que chamamos de estadista. Tinha real capacidade de liderança, carisma, habilidades de diplomata.
Se comunicava com os espíritos dos antepassados, era respeitado pelos mais velhos. Era campeão de Huka-Huka, uma luta praticada durante o Kuarup, cerimônia que celebra a passagem da morte de líderes. E reúne todas os povos do Alto Xingu.

Aritana era poliglota e conhecia profundamente a cultura de diversos povos do Xingu. Foto: AFP, site BBCBrasil

Quando o vírus invadiu a aldeia, todos ficaram em alerta. Era mais um ataque, depois da estrada, das fazendas, das queimadas, da cobiça das mineradoras, que cercavam o parque. Mas desta vez era um ataque insidioso. O cansaço está estampado nas feições de Aritana, que morreu pouco depois, exausto de pedir ajuda às autoridades sanitárias.

Na mesma foto, Tapi mantém o olhar forte, decidido, sem marcas de cansaço. Há determinação na expressão de seu rosto. Como o primogênito de dez irmãos, está sendo preparado pelo pai para um dia assumir as funções de líder dos povos do Alto Xingu. Ainda tem muito a aprender. São longos os rituais e conversas ( recebia valiosos conselhos do pai), com os mais velhos.

Mas em 2020, o aprendizado foi interrompido bruscamente e adquiriu outra urgência. Salvar Aritana e os demais anciões do Xingu, infectados pelo vírus da COVID. Uma batalha perdida.

O mundo que os cercou, não soube valorizar o conhecimento que partiu com eles. Proposital ou não, promoveu um genocídio entre estes povos e devastou boa parte da memória viva, antes que tivessem tido o tempo necessário para passar todos os conhecimentos para a nova geração.

Tapi agora, um ano depois, faz valer o olhar firme da foto. No próximo setembro, depois da cerimônia do Kuarup para celebrar a morte do pai e de outros chefes, será decidido se assumirá o lugar de Aritana. Aos 45 anos, tem que ser forte como os jovens e sábio como os velhos. A julgar pelo que está estampado na foto, esta batalha ele vai ganhar.

Leia também: Ela deixou o trabalho aos 71 e se engajou em um projeto que busca melhor o Brasil

Acesse também o site do movimento Brasil Sem Pobreza

close

Inscreva-se para receber conteúdo incrível em sua caixa de entrada, todas as semanas

Prometemos que nunca enviaremos spam! Leia nossa Política de privacidade para mais detalhes.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





1 Comentários

Ana Helena Nogueira Ribeiro Gomes 7 de abril de 2021 - 09:21

Belíssimo depoimento de Renée Castelo Branco. Testemunho único!

Responder

Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais