Como a Internet ajuda a encontrar as pessoas

Por Maya Santana
A interne tem seu lado negativo, mas o lado positivo não pode ser desprezado

A interne tem seu lado negativo, mas o lado positivo não pode ser desprezado

Walcyr Carrasco

Desembarco em Curitiba. Envio um recado à minha prima em segundo grau Myrna:

– Cheguei.

Marcamos um café. Não vejo Myrna e seus irmãos há mais de 40 anos. Sua mãe era prima da minha. Quando Myrna era pré-adolescente, a mãe, o pai e a irmã mais velha morreram num acidente de carro. Myrna e seus irmãos saíram ilesos, mas foram morar com os avós paternos. Perdemos o contato. Há alguns meses, Myrna me reencontrou pelo Facebook. Falamos muito pela web. Quando fui convidado para uma palestra em Curitiba, aproveitei para marcar o encontro pessoal. Aconteceu no apartamento de Zulma, sua irmã. Mônica, a caçula, e Leônidas Jr. também foram. Eu tinha dúvidas, depois de tantos anos:

– Como será?

Foi maravilhoso. Não nos víamos desde crianças, mas nos entendemos como quem se conhece desde sempre. Falamos sobre como foi a vida de cada um. Myrna é corretora de imóveis. Sempre disse que, se não fosse escritor, seria corretor! Mônica tem um café teatro, seu filho é ator. Vocação familiar! Leônidas é joalheiro. Antes esculpia peças sobre encomendas. Agora, montou ele próprio uma impressora 3D, com componentes achados em lojas de eletrônica. Cria os moldes das joias a partir de fotos. Genial, na minha opinião. Lamentavelmente, acho que o talento vem de sua herança paterna. Sou um asno no quesito informática.

Agora sei que tenho família em Curitiba, que nos veremos muitas vezes. Recentemente, tive notícias de outra prima, essa bem mais distante, em Cuiabá. A vida não foi tão generosa com ela. É gari. Mandei mensagem, ela não respondeu. Ainda. O fato de escrever para televisão, livros e numa revista importante assusta e afasta. É preciso tempo. Mais cedo ou mais tarde, ela ou seus filhos e sobrinhos falarão comigo, e a grande corrente familiar continuará a ganhar elos.

A internet é amiga do apocalipse, pensam alguns. Mentira, difamação, invasão de privacidade, sites para pedófilos na internet profunda. Já aconteceu: pela internet, um canibal e sua vítima se conheceram. Se entenderam, e um aceitou ser devorado pelo outro. Há aspectos pavorosos na nuvem. Mas também existem coisas belas, como a união familiar. Meus dois irmãos e eu criamos um grupo no WhatsApp. Há decadas moramos em cidades diferentes. Lembro que, antes de morrer, um dos maiores desejos de minha mãe era ter um Natal com os três filhos reunidos, pois raramente nos encontrávamos ao mesmo tempo. (E também nos revezávamos em datas significativas para que ela nunca ficasse sozinha. Ela também morava em outra cidade.) Adoro meus dois irmãos, mas nos vemos pouco. Agora, Airton montou esse grupo, Ney e eu já entramos. Para minha surpresa, descobrimos que, há uns dois anos, mando mensagens a Ney pensando se tratar da mulher dele, Bia. Gravei o nome errado. Os dois me chamaram de gagá. Mereci. Minhas sobrinhas também montaram outro grupo, onde nos divertimos todos os dias. São piadas, comentários, fofocas. Uma delícia. Por causa dessas mensagens, decidimos que, neste ano, o Natal será em minha casa. Já corri para comprar uma miniatura de roda-gigante para divertir as crianças, já que minha casa é cheia de caveiras e obras de arte contemporâneas. Nada muito infantil. Hummmm… talvez as crianças gostem das caveiras, pensando bem. Clique aqui para ler mais.


CONTEÚDO PUBLICITÁRIO

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais