fbpx

Demitida na pandemia, ela deu a volta por cima transformando o crochê em arte

Por Maya Santana

Eliane Ricardo, 61, era gerente de produtos em uma empresa de tecidos de São Paulo

Ana Maria Cavalcanti, 50emais

Eliane de Morais Ricardo, 61, é uma das milhares de pessoas demitidas do trabalho desde que surgiu a pandemia, há pouco mais de um ano. Depois de mais de uma década atuando como gerente de produtos em uma empresa de tecidos de São Paulo, foi dispensada do emprego. Isso foi em Abril do ano passado e até hoje Eliane continua desempregada.

Sensível e criativa, Eliane se entregou ao crochê. Veja a beleza dessa peça

Morando sozinha, tinha dívidas, e o jeito foi procurar um jeito de ganhar dinheiro para pagar as contas, inclusive aluguel da casa em que mora, no bairro de Pinheiros. Foi aí, premida pela necessidade, que Eliane se reinventou. Sensível e criativa, se entregou ao crochê, que conhece desde a mais tenra idade.

Herança genética
Eliane fez graduação em moda e herdou da família os genes da arte. O pai desenhava muito bem,a mãe fazia tricô, bordava e costurava. O irmão desenha, fotografa e trabalha com publicidade. Eliane aprendeu tudo com a mãe,uma professora minuciosa, que exigia perfeição.

Os pegadores de panela são tão lindos, que a gente tem pena de usar

Mas o crochê não foi amor á primeira vista: no começo não se interessou tanto por esta arte milenar.
Você sabia que o crochê não pode ser industrializado, a exemplo do tricô? Ou seja, cada peça é única, feita pelas mãos habilidosas de homens e mulheres.

Leia também: Pandemia e preconceito: maiores de 50 lutam para se manter no mercado de trabalho

Criativa e caprichosa
O crochê só entrou de vez na vida de Eliane quando, fazendo uma pesquisa de moda pela internet, ela se deparou com peças lindas. Entrou no You Tube, fez vários cursos e hoje é uma profissional de mão cheia.

Suportes para copos, xícaras e canecas

Com a pandemia e desempregada, teve que se virar, como todo mundo. Apelou para o que sabia fazer, sem sair de casa. Foi também uma distração para as longas horas de confinamento.

O que sai das mãos dela, são peças bonitas e rigorosamente bem acabadas, um primor de trabalho. Gosta particularmente de fazer bolsas.

Veja a delicadeza das bolsas que Eliane gosta tanto de fazer

Além de bolsas, Eliane faz coisas para casa como jogos americanos, pegadores de panela, suporte para copos.

É tudo sob encomenda e ela entrega rápido.. Os preços são ótimos. Comprei um pegador de panela, lindo que dá até pena usar, mas muito prático e custou apenas 22 reais.

Outro tipo de suporte para copos. Tudo feito com esmero

Se você se interessou, pode entrar em contato com Eliane Ricardo através de um dos e-mails:

[email protected]

[email protected]

Leia também:
Setsuko Saito: aos 68 anos, o convite para ser modelo chegou de maneira inesperada

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





1 Comentários

Maria Luiza Vallone L. Moura 13 de março de 2021 - 15:15

Ótima matéria! PARABÉNS

Responder

Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais