fbpx

Descoberta pode levar à cura do Mal de alzheimer

Por Maya Santana

A doença é a principal causa de demência entre pessoas com mais de 65 anos

A doença é a principal causa de demência entre pessoas com mais de 65 anos

O chamado Mal de Alzheimer é uma doença cada vez mais comum entre idosos. Por isso, cria muita esperança esse tipo de notícia, veiculada nesta quinta-feira por todos os meios de comunicação. O artigo abaixo, com os detalhes da nova descoberta na Grã-Bretanha, é da BBC Brasil.

Leia:

A descoberta da primeira substância química capaz de prevenir a morte do tecido cerebral em uma doença que causa degeneração dos neurônios foi aclamada como um momento histórico e empolgante para o esforço científico. Ainda é necessário maior investigação para desenvolver uma droga que possa ser usada por doentes. Mas os cientistas dizem que um medicamento feito a partir da substância poderia tratar doenças como Alzheimer, Mal de Parkinson, Doença de Huntington, entre outras.

Em testes feitos com camundongos, a Universidade de Leicester, na Grã-Bretanha, mostrou que a substância pode prevenir a morte das células cerebrais causada por doenças priônicas, que podem atingir o sistema nervoso tanto de humanos como de animais. A equipe do Conselho de Pesquisa Médica da Unidade de Toxicologia da universidade focou nos mecanismos naturais de defesa formados em células cerebrais.

Quando um vírus atinge uma célula do cérebro o resultado é um acúmulo de proteínas virais. As células reagem fechando toda a produção de proteínas, a fim de deter a disseminação do vírus.  No entanto, muitas doenças neurodegenerativas implicam na produção de proteínas defeituosas ou ‘deformadas’. Estas ativam as mesmas defesas, mas com consequências mais graves. As proteínas deformadas permanecem por um longo tempo, resultando no desligamento total da produção de proteína pelas células do cérebro, levando a morte destas.

Este processo, que acontece repetidamente em neurônios por todo o cérebro, pode destruir o movimento ou a memória, ou até mesmo matar, dependendo da doença. Acredita-se que esse processo aconteça em muitas formas de neurodegeneração, por isso, interferir nesse processo de modo seguro pode resultar no tratamento de muitas doenças. Os pesquisadores usaram um composto que impediu os mecanismos de defesa de se manifestarem, e por sua vez interrompeu o processo de degeneração dos neurônios. Clique aqui para ler mais.

Notícias Relacionadas

Deixe seu comentário