Deus hipotético, por Luis Fernando Veríssimo

Por Maya Santana
Todas as religiões monoteístas compartilham da mesma hipótese

Todas as religiões monoteístas compartilham da mesma hipótese

Um religioso dirá que não faltam provas da existência de Deus e da sua influência em nossas vidas. Quem não tem a mesma convicção não pode deixar de se admirar com o poder do que é, afinal, apenas uma suposição. A hipótese de que haja um Deus que criou o mundo e ouve as nossas preces tem sobrevivido a todos os desafios da razão, independentemente de provas.

Agora mesmo assistimos ao espetáculo de uma empresa multinacional às voltas com a sucessão no comando do seu vasto e rico império, e o admirável é que tudo — o império, a riqueza e o fascínio dos rituais e das intrigas da Igreja de Roma — seja baseado, há 2000 anos, em nada mais do que uma suposição.

Todas as religiões monoteístas compartilham da mesma hipótese, só divergindo em detalhes como o nome do seu deus. E todas têm causado o mesmo dano, em nome da hipótese. Não é preciso nem falar no fundamentalismo islâmico, que aterroriza o próprio islã. Há o fundamentalismo judaico, com sua receita teocrática e intolerante para a sobrevivência de Israel.

O fundamentalismo cristão, que representa o que há de mais retrógrado e assustador no reacionarismo americano, e as religiões neopentecostais que se multiplicam no Brasil, quase todas atuando no limite entre o curandeirismo e a exploração da crendice.

A Igreja Católica pelo menos dá espetáculos mais bonitos, mas luta para escapar do obscurantismo que caracterizou sua história nestes 2000 anos, contra um conservadorismo ainda dominante. A hipótese de Deus não tem inspirado as religiões a serem muito religiosas. Continua no blog do Noblat.


CONTEÚDO PUBLICITÁRIO

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





2 Comentários

Jornalista Maria Cavalcanti 18 de fevereiro de 2013 - 16:32

“A Igreja Católica pelo menos dá espetáculos mais bonitos…” by Ricardo Noblat?! Ora, não diga! Então Ricardo Noblat acha espetáculos mais bonitos 700 anos de genocídio católico? Do ano 1184, até a invasão de Portugal por Napoleão nos idos dos 1800 quando o Rei Dom João VI de lá fugiu para o Brasil, a Igreja Católica perseguiu, torturou, matou, genocidou milhoes através dos Santos Ofícios e Tribunais Católicos da Inquisição, impedindo a ciência, queimando cientistas, relegando as mulheres à categoria inferior aos animais! Em apenas um dos Autos do Santo Oficio, mais de um milhãao de judeus foram genocidados na Espanha! E Ricardo Noblat chama isso de ‘espetáculo mais bonito?’ Salvou a humanidade o braço armado do militar Napoleão Bonaparte, que deu o golpe mortal na inquisição católica maldita! Ricardo Noblat, cale a boca, e se retire do planeta!

Responder
admin 18 de fevereiro de 2013 - 17:48

Prezada Maria Cavalcanti,
Permita-me fazer uma correção: o artigo ao qual você se refere foi escrito por Luis Fernando Veríssimo e publicado no Blog do Noblat. No trecho que você menciona, Veríssimo tenta fazer uma ironia.”Todas as religiões monoteístas compartilham da mesma hipótese, só divergindo em detalhes como o nome do seu deus. E todas têm causado o mesmo dano, em nome da hipótese”…”A Igreja Católica pelo menos dá espetáculos mais bonitos, mas luta para escapar do obscurantismo que caracterizou sua história nestes 2000 anos…” Ou seja, ele também critica o papel da Igreja Católica.
Obrigada por sua atenção e por visitar o 50emais. Continue fazendo suas críticas, porque esse espaço é exatamente para isso. Para a troca de idéias.
Grande abraço e até breve. Maya

Responder

Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais