fbpx

Dia internacional da Mulher se transformará em ‘Dia sem mulher’

Por Maya Santana

Marcha das Mulheres em Washington: alto comparecimento

Marcha das Mulheres em Washington: milhares contra a truculência de Donald Trump

Maya Santana, 50emais

Sempre achei sem sentido o Dia Internacional da Mulher, instituído pela ONU e celebrado todo 8 de março. Só se justificaria se a data fosse usada como uma oportunidade para se discutir a nossa situação neste mundo tão machista e tão violento. Agora, grupos de mulheres em 30 países – da Suécia ao Togo, incluindo o Brasil – estão convocando uma greve de um dia exatamente em 8 de março. Pregam que, no dia, toda mulher deve deixar “escritórios, lojas, fábricas ou qualquer trabalho sem a presença do sexo feminino, para protestar contra as desigualdades de gênero e a violência machista” – como informa o artido de Noelia Ramirez para o El País. O Brasil está entre os sete países mais violentos do mundo quando o assunto é abuso de mulheres, A cada 11 minutos uma mulher é estuprada no país.

Leia mais sobre o protesto feminino no Dia Internacional da Mulher:

“Se nosso trabalho não vale, produzam sem nós”. Cecilia Palmeiro, uma das porta-vozes de “Ni Una Menos”, resume assim por que o grupo de mulheres convoca no próximo 8 de março uma greve nacional feminina na Argentina. Eles não serão as únicas a se levantar e deixar seus postos de trabalho voluntariamente para “protestar contra o feminicídio, a exploração no trabalho/econômica e a desumanização e desierarquização das mulheres”. Mulheres de outros 30 países também planejam fazer a greve, prevendo um histórico Dia da Mulher. Grupos feministas da Austrália, Bolívia, Brasil, Chile, Costa Rica, República Checa, Equador, Inglaterra, França, Alemanha, Guatemala, Honduras, Islândia, Irlanda do Norte, Irlanda, Israel, Itália, México, Nicarágua, Peru, Polônia, Rússia, El Salvador, Escócia, Coreia do Sul, Suécia, Togo, Turquia, Uruguai e EUA confirmaram a convocatória que tem o objetivo de deixar escritórios, lojas, fábricas ou qualquer trabalho sem a presença do sexo feminino para protestar contra as desigualdades de gênero e a violência machista.

“A ideia é se apropriar da greve como ferramenta política para expressar as nossas demandas e intervir concretamente na ordem da produção”, conta por e-mail esta acadêmica, doutora em Literatura Latino-americana. Ela explica que a greve de 8 de março começou a ser planejada depois do forte movimento argentino de mulheres de 19 outubro – a chamada quarta-feira negra contra os 200 assassinatos anuais por violência machista no país – e da segunda-feira negra de 3 de outubro na Polônia, quando milhares de mulheres pararam e protestaram contra a restritiva lei de aborto impulsionada pelo Executivo polaco, que depois foi rechaçada pelo Parlamento pela pressão das marchas. “Entramos em contato com as companheiras polonesas e coreanas, que também tinham parado, para construir uma articulação internacional”, conta.

O protesto internacional é inspirado no Dia Livre das Mulheres islandesas de 1975, quando 90% das cidadãs deixaram seus postos de trabalho em 24 de outubro desse ano para protagonizar uma grande manifestação nas ruas do país e marcar um ponto de inflexão na luta pela igualdade de direitos. “Com esta greve demos visibilidade para o trabalho doméstico não remunerado e para o fato de que as mulheres ganham, em média, quase 30% menos que os homens pelas mesmas tarefas. Com nosso trabalho invisibilizado em casa e desvalorizado no mercado, as mulheres sustentam a economia capitalista mundial”, explica. A greve, como explica, “permite uma reapropriação do nosso tempo. Uma oportunidade para ensaiar uma divisão mais equitativa do trabalho”.

As anglo-saxãs se inspiraram nelas e entenderam bem. Angela Davis e outras ativistas do mundo acadêmico assinaram no The Guardian desta semana a carta Mulheres dos Estados Unidos, vamos fazer greve. Vamos nos unir e assim Trump verá nosso poder, uma carta na qual chamavam à ação para “construir uma greve geral contra a violência masculina e em defesa dos direitos reprodutivos”. Sua ideia é “mobilizar as mulheres, incluindo as transgênero” para construir “um novo movimento feminista internacional com uma agenda expandida: antirracista, anti-imperialista, anti-neoliberal e anti-heteronormativo”. Clique aqui para ler mais.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

treze + dezessete =

1 Comentários

Dia internacional da Mulher se transformará em ‘Dia sem mulher’ | JETSS – SITES & BLOGS 14 de fevereiro de 2017 - 21:19

[…] post Dia internacional da Mulher se transformará em ‘Dia sem mulher’ apareceu primeiro em 50 e […]

Responder