Discriminação: se é mulher, paga o “imposto rosa”

Por Maya Santana
A mulher paga mais do que o homem por produtos como esse, igual ao que eles usam para barbear

A mulher paga mais do que o homem pelos mesmos produtos

Além de toda a discriminação que sofre, inclusive ganhando salários menores do que os homens para fazer o mesmo serviço,as mulheres, de acordo com um estudo de uma organização francesa, pagam mais do que os homens por exatamente o mesmos produtos. A discriminação também ocorre nos Estados Unidos. Segundo a revista Forbes, as mulheres norte-americanas pagam por ano 1.300 dólares a mais que os homens por produtos similares.

Leia o que escreve Gabriela Cañas, do El País:

As mulheres não apenas ganham menos que os homens pelo mesmo trabalho. Vítimas de uma espécie de maldição divina, além disso, elas pagam mais caro que os homens pelos mesmos produtos. Um gel para depilação de 200 ml para elas custa em um supermercado francês 2,61 euros (cerca de 8 reais). Se for para ele (com um formato, certamente, mais sóbrio e elegante), esses 200 ml de gel para barba custam 2,34 na mesma loja. Um pacote de cinco aparelhos para depilação descartáveis para elas custa 1,80. Um pacote de dez para eles não passa dos 1,72 euros.

O ônus com o qual as mulheres são castigadas é tão absurdo e disparatado que luvas de borracha para lavar pratos são mais caras quanto menor o número. Isso é o que acaba de demonstrar um movimento feminista francês recentemente criado, Georgette Sand, em sua primeira iniciativa: uma comparação de preços. Os resultados são tão espetaculares que o ministro da Economia, Emmanuel Macron, anunciou uma análise similar cujas conclusões demorarão ainda alguns semanas.

Segundo a revista Forbes, as mulheres norte-americanas pagam por ano 1.300 dólares a mais que os homens por produtos similares. Esse foi o dado que mostrou ao coletivo Georgette Sand qual deveria ser sua primeira iniciativa no começo de setembro: fazer uma exaustiva comparação de preços. “Verificamos que na França essa é uma realidade e que o estranho é encontrar produtos que sejam mais caros para os homens que para as mulheres”, explica ao EL PAÍS Amélie Cornu, uma porta-voz do coletivo. Para ela, o resultado é um escândalo se levarmos em conta que as francesas ganham, em média, 27% menos que os franceses e que elas ocupam 82% dos empregos de meio-período.

O estudo de Georgette Sand conseguiu uma repercussão inesperada, por causa da juventude do coletivo formado, por enquanto, por uns 40 membros, entre os quais também há homens. O Governo socialista francês, muito comprometido com a igualdade, aceitou o desafio com esse anúncio de que vai realizar seu próprio estudo, depois que, há duas semanas, a secretária de Estado da Igualdade, Pascal Boistarde, recebeu membros do coletivo para conhecer sua análise. Depois de falar com eles, Boistard se manifestou interessada em refletir sobre este fenômeno do marketing que prejudica as mulheres com uma espécie de woman tax e pedia que o secretário de Comércio tomasse conhecimento do assunto. Clique aqui para ler mais


CONTEÚDO PUBLICITÁRIO

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais