Elas criam seus cosméticos com fórmulas naturais

Por Maya Santana
Luiza Carvalho, Melina Goulart e Amanda Leão colhem ervas

Luiza Carvalho, Melina Goulart e Amanda Leão colhem ervas para seus cosméticos

Físicos, antropólogos e arquitetos das mais variadas idade integram o grupo que produz os próprios cosméticos de forma artesanal, como mostra esta reportagem publicada por O Globo:

Leia:

A última vez que Carol Cronemberger pisou numa farmácia tem seis meses. O motivo de sua ida foi um pedido da filha, Marina, de 13 anos, que queria montar uma nécessaire com xampu, condicionador, desodorante, pasta e escova de dentes, e levar o “kit social” para uma colônia de férias. Não fosse o episódio, Carol continuaria como estava: avessa a lojas do gênero. Tanto que nem consegue se lembrar quando, antes disso, gastou dinheiro com cosméticos. Em vez de comprar, coloca a mão na massa: ela própria faz os produtos que consome — todos eles com ingredientes naturebas nas receitas.

— A Marina ficou com vergonha de levar os potinhos com as misturas que eu faço, cheios de etiquetinhas, para a viagem com as amigas. Não queria que pensassem que a mãe dela é doida. Como não obrigo ninguém a usar vinagre na cabeça, comprei o que ela pediu. Uma semana depois da volta, reclamou que a pele e o cabelo estavam ruins — relata Carol, de 38 anos, formada em Física, com mestrado e pós-doutorado.

Depois de uma temporada de dez anos morando (e estudando) fora do Brasil, em países como Alemanha, França, Inglaterra e Holanda, Carol voltou para o Rio em 2014. Mudou-se para uma casinha no Humaitá onde espremeu todos os móveis e improvisou um laboratório no próprio quarto. Numa estante encostada ao pé da cama, estão os tais potinhos de vidro (reaproveitados de embalagens de geleias, perfumes, remédios) nos quais armazena uma coleção infinita de óleos essenciais (a maioria trazida de viagens), mel, álcool e vinagre de maçã. Tubos de ensaio e outros recipientes típicos de uma aula prática de Ciências também se amontoam de ponta a ponta na parede.

— Quando aprendi a fazer as minhas coisas, que fiquei independente, foi uma sensação incrível. Estou segura de que prefiro não estar dentro dos padrões que a indústria farmacêutica me obriga — diz Carol, que é viciada em ler rótulos. — Fiz até uma lista para distribuir para amigos que é uma colinha com ingredientes que fazem mal à saúde, como petrolatos, metais pesados e parabenos.

A confecção dos cosméticos nem sempre é feita na escrivaninha de seu quarto. Às vezes, ela espalha os frascos pela cozinha ou pelo jardim de inverno — não à toa, a casa vive perfumada. Porém, onde quer que seja, tudo o que aplica na pele e no cabelo é obra das próprias mãos. Tônico de vinagre de maçã, esfoliante à base de café, hidratante com mel — inclusive maquiagem (batom, blush, lápis de olho e BB cream) — são frutos de suas experiências e de sua imaginação.

— Maquiagem com alta tecnologia é mentira. O BB cream é um creme com a textura mais fluída, que faz com que as pessoas acreditem que penetra melhor na pele. Outra coisa são os cosméticos oil-free. São os óleos que contém todas as vitaminas que a nossa pele precisa, então é um ingrediente indispensável nas fórmulas — observa a física, que se identifica como “chef cosmetique”, graças à quantidade de ingredientes culinários que usa em suas receitas. Clique aqui para ler mais.


CONTEÚDO PUBLICITÁRIO

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais