fbpx

Elza Soares, aos 77 anos, botando pra quebrar

Por Maya Santana

Aos 77 anos, a cantora faz uma média de 15 shows por mês

Aos 77 anos, a cantora faz uma média de 15 shows por mês

Digam o que quiserem de Elza Soares, mas não há como negar que é uma batalhadora, alguém que ganhou da vida o dom da luta. Uma lutadora aguerrida, com altos e baixos na vida e na carreira que, definitivamente, está em alta: aos 77 anos, a cantora faz uma média de 15 de shows por mês e acaba de lançar um documentário sobre sua vida.

Leia a entrevista que Elza deu à Camilla Moraes do jornal El País:

Casada aos 12 anos, o primeiro filho aos 13, o segundo aos 14. Perdeu ambos logo em seguida. Passou fome e batalhou muito para seguir adiante com a família que veio depois e com o eterno sonho de ser cantora e compositora. Alguém que viveu essas provações tem muita história para contar, e não são de tristeza. A carioca Elza Soares, de 77 anos, prefere se mostrar através da música e de uma energia inesgotável, traduzida em uma média de 15 shows por mês, cuidados com o corpo e uma falta total de rodeios para dizer o que pensa.

Só no que resta de outubro, a agenda de Elza inclui ainda dois shows em São Paulo (nos dias 30 e 31, apresenta, com o rapper Emicida, no Cine Jóia o Show a Voz e a Máquina). Em dezembro, grava em Porto Alegre seu próximo DVD: Elza Soares canta e chora Lupicínio Rodrigues.

Política e futebol – cujos tempos áureos ela viveu ao lado do craque Mané Garrincha, seu companheiro por mais de 16 anos – são temas que ela não evita, especialmente em um ano em que o Brasil discutiu e ainda discute (muito) os dois. Considera-se uma mulher em prol “das mulheres, dos gays e dos negros”, que celebra a vida e vive o presente – como mostra o documentário My name is now sobre sua vida, dirigido por Elizabete Martins, e recém-lançado no Festival do Rio.

Em entrevista ao EL PAÍS na sala do seu apartamento, no bairro carioca de Copacabana, Elza conta que decidiu votar em Dilma, pois acha que não é preciso “trocar nada”.

Pergunta. Você se recuperou há pouco tempo de algumas cirurgias na coluna, mas continua fazendo um monte de shows e ainda cuida bastante do corpo. O que a faz subir no palco sempre, sem esmorecer?

Resposta. Estou me recuperando ainda, com muita fisioterapia. Primeiro foi a cervical, depois a lombar… Fui operada “do cóccix ao pescoço”, como diz o título de um CD meu. Mas estou bem, como você vê. Estou me recuperando, porque tenho muita força. O palco é isso, é força, é fazer o que eu sempre fiz. Malhar, eu continuo malhando. Não vou malhar como antes, quando corria na areia, escalava, ia para a academia… Mas meu personal trainer vem em casa, e me exercito, faço terapia, cuido da alimentação. Clique aqui para ler mais.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

15 + quatro =

2 Comentários

Avatar
Antonio f reis 21 de outubro de 2014 - 23:23

Ela faz parte do Brasil com certeza…. Amo o seu jeito gritante roco , escandaloso,isso e ela e eh disso que gostamos, viva Elza……..

Responder
Avatar
lisa santana 21 de outubro de 2014 - 16:04

Elza é uma mulher extraordinária.

Responder