fbpx

Empresas apostam na ascensão das mulheres

Por Maya Santana

A rede de hotéis Accor quer igualar as chances de chegar ao topo entre homens e mulheres

Rede de hotéis Accor quer igualar chances entre homens e mulheres de chegar ao topo

Esta é uma notícia interessante, porque mostra uma disposição de mudar um jogo que, através dos séculos, vem beneficiando somente os homens. As mulheres sempre foram deixadas de lado quando a questão era subir na carreira. Agora, finalmente, as empresas estão se convencendo de que só têm a ganhar investindo e dando mais chances à mão de obra feminina. Todo mundo sai ganhando, como mostra este artigo publicado pela revista Época.

Leia o artigo:

Quando o instituto Great Place to Work (GPTW) lançou seu primeiro ranking no Brasil com as melhores empresas para trabalhar, em 1997, apenas 25% da mão de obra era feminina. Passados 16 anos, elas já são metade do quadro de funcionários nas premiadas. Entre cargos de gestão, o número foi de 11% para 41%. O resultado é reflexo de políticas de incentivo para ascensão profissional das mulheres, hoje presentes em 35% dessas organizações.

Maioria nos cursos de graduação e pós-graduação, elas são consideradas mais comprometidas, detalhistas e até éticas – características fundamentais para um ambiente de trabalho positivo e de sucesso. “Seria uma miopia das organizações não notarem o talento feminino e não criarem condições mais flexíveis e benefícios para que as mulheres cresçam na carreira”, diz a psicóloga Adriana Gomes, diretora do site Vida e Carreira, especializado em orientação profissional.

Entre os incentivos estão licença maternidade de 6 meses, trabalho em meio período para aquelas que ainda têm filhos de até 1 ano, acompanhamento com um mentor para que tenham mais oportunidades de crescimento na companhia e atendimento especial às gestantes, com informações voltadas à saúde.

A rede de hotéis Accor, sexta colocada entre as melhores para trabalhar do GPTW deste ano, lançou há um ano e meio o programa global Women at Accor Generation (WAAG). O objetivo é igualar as chances de chegar ao topo entre homens e mulheres. “Verificamos 15 talentos femininos para cargos de liderança. Agora, elas estão recebendo acompanhamento de um mentor para desenvolver aptidões”, diz Silvia Silva, gerente de web marketing e membro do comitê do WAAG. “Quando surgirem oportunidades para funções de chefia, estarão prontas.”

Atualmente, 57% dos funcionários da Accor no Brasil são mulheres. Apenas 41% ocupam altos cargos. A meta é alcançar 50% das posições de liderança até 2015. Outra iniciativa da empresa foi montar espaços batizado de cantinho da beleza. São minissalões nos quais as funcionárias são atendidas para manterem o visual em dia. “A ideia é estimular a feminilidade e a autoestima”, diz Silvia Clique aqui para ler mais.

 

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

12 − 10 =

1 Comentários

Avatar
Déa Januzzi 13 de setembro de 2013 - 15:11

E viva nós!

Responder