fbpx

"Isso é pra vender pacote de turismo pra velho"

Por Maya Santana

Fernanda Montenegro em um hotel em Porto Alegre


O monitor mostra uma senhora de cabelos grisalhos disparando ironia para a atendente de um laboratório de análises clínicas: “Essa coisa de melhor idade é pra vender pacote de turismo pra velho”. “Corta! Excelente”, grita o diretor Jorge Furtado.
A fala da personagem dona Picucha em “Doce de Mãe”, especial de fim de ano da Globo, cabe perfeitamente na boca de sua intérprete. Aos 83 anos, Fernanda Montenegro endossa o texto. “Não me diga que ter de 80 para 90 anos é a melhor idade. É demagogia”, diz ela à repórter Eliane Trindade.

A atriz acaba de completar 83 anos de idade e está mais ativa do que nunca


Senhora do seu tempo, a atriz põe na balança os prós e contras dos muitos anos que carrega. “O mais difícil é saber que você está na fase definitivamente conclusiva da vida. É melhor encarar.”
A finitude bate à porta a cada perda, a começar pelo companheiro de 60 anos de vida, Fernando Torres. “A coisa mais dolorosa pela qual tenho passado é ver a minha geração morrer. Nos últimos cinco anos, morreram, além dele, Paulo Autran, Raul Cortez, Gianfrancesco Guarnieri, Renato Consorte, Sérgio Viotti, Sérgio Brito, Ítalo Rossi e Millôr Fernandes.”

No estúdio, aprontando-se para interpretar Dona Picucha, no especial da Globo


Ela se emociona ao concluir: “Você olha em volta e a sua memória está ligada a todo esse mundo que se vai. É muito forte”. Na lista de baixas recentes, tem ainda Hebe Camargo que, como ela, nasceu em 1929. “Vivemos o mesmo período da história. Quem substitui? Ninguém.”
Mora só desde que ficou viúva, em 2008. “À noite, eu fico sozinha, não tenho empregada nem dama de companhia.” Não se habituou à ausência de Fernando. “É estranho. Ainda acho estranho, mas não tem solução.”

Já travestida de Dona Picucha: pronta para entrar em ação


Teme a solidão? A resposta requer tempo: “Essa palavra é tão forte”¦ Eu gosto de estar só. Não que goste de solidão. A minha não é vazia”.
A exemplo de outros “oitentões” atuais, a atriz é bastante ativa. “Tenho uma vida intensa, viajo muito a trabalho.” Acabou de filmar o longa “O Tempo e O Vento”, também no Sul, e já anda às voltas com a nova peça, um texto sobre a vida de Nelson Rodrigues que pretende levar aos palcos em 2013. Leia mais em www.folha.com.br

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

um × um =

0 Comentários

Avatar
lisa Santana 5 de dezembro de 2012 - 12:25

Ela é o máximo!

Responder
Avatar
M Beatris Assumpcao Head 5 de dezembro de 2012 - 10:16

Como sempre, falou bem a Fernanda Montenegro. Com clareza e carinho e sem amargura. Me orgulha e me inveja

Responder
Avatar
admin 5 de dezembro de 2012 - 11:49

Fernanda Montenegro é uma das poucas unanimidades do Brasil: Ela é o máximo!

Responder