fbpx

Estados Unidos aprovam primeiro remédio que pode conter o avanço do Alzheimer

Por Maya Santana

Doença é o tipo mais comum de demência no Brasil e no mundo em pessoas a partir dos 65 anos. Foto: Internet

Embora especialistas afirmem que ainda será preciso mais estudos para comprovar a eficácia do novo medicamento contra Alzheimer, a notícia traz esperança, principalmente porque esse é o tipo mais comum de demência não só no Brasil, mas no mundo. O Aduhelm é o primeiro remédio contra a doença aprovado nos Estados Unidos desde 2003 e também o primeiro destinado a conter o avanço da demência, que acomete as pessoas a partir dos 65 anos. Há cautela porque a agência que aprova medicamentos nos EUA, espécie de Anvisa, pediu novos testes e adiantou que pode vir a suspender a autorização. Mas o remédio já pode ser usado pelos americanos.

Leia a reportagem de Laís Modelli, do portal G1:

A agência reguladora de medicamentos dos Estados Unidos, a FDA, aprovou na segunda-feira (7) um novo medicamento para tratar pacientes de Alzheimer em estágio inicial, chamado de Aduhelm. O fármaco é o primeiro que promete retardar a progressão da doença, que leva a perda severa da memória e de outras funções cognitivas.

O Aduhelm é ainda o primeiro medicamento aprovado em 18 anos contra o Alzheimer, o tipo de demência mais comum no Brasil e no mundo.

Apesar da esperança, a médica e professora de Geriatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), Claudia Suemoto, ressalta que os estudos sobre o fármaco ainda não foram capazes de comprovar eficácia (entenda a polêmica abaixo).

“A aprovação pelo FDA me parece bastante precoce”, diz Suemoto, que também é pesquisadora do Biobanco de Encéfalos Humanos da FMUSP.

No Brasil, a farmacêutica desenvolvedora já entrou com pedido de liberação da nova droga no país.

Abaixo, entenda o que está em jogo em 9 pontos:

1 – Como funciona o novo medicamento aprovado nos EUA?
2 – Qual a polêmica em torno do Aduhelm?
3 – O que dizem os testes?
4 – Por que está sendo considerado pioneiro?
5 – Existe uma estimativa de custo do tratamento?
6 – O que é o Alzheimer?
7 – Quais os fatores de risco para o desenvolvimento da doença?
8 – Como é feito o diagnóstico?
9 – Como é o tratamento atualmente do Alzheimer?

1 – Como funciona o remédio liberado pelos EUA?
O Aduhelm, também conhecido por seu nome genérico aducanumabe, é desenvolvido a partir de células de defesa de idosos sem demência.

Colesterol no cérebro está associado a surgimento da doença de Alzheimer, diz estudo
Sintomas: Teste usa 10 indicadores para detectar sinais de Alzheimer em 5 minutos
Ele age por meio de anticorpos monoclonais, que removem depósitos da proteína beta-amiloide, presente em excesso no cérebro de pessoas com Alzheimer. Além disso, ao fornecer anticorpos, o remédio restaura parte da capacidade do organismo de eliminar o acúmulo da proteína.

Os desenvolvedores acreditam que, impedindo o excesso da beta-amiloide no estágio precoce da demência, é possível impedir que o paciente evolua para a perda severa de memória e a incapacidade de cuidar de si mesmo.

Leia também:Dra. Auristela Lins fala da importância do exercício físico para a prevenção de demências

2 – Qual a polêmica em torno do Aduhelm?
O Alzheimer é causado pelo acúmulo de duas – e não apenas de uma – proteínas no cérebro: a beta-amiloide, presente nos tecidos cerebrais, e a tau, que se acumula no interior dos neurônios.

“Muitos cientistas consideram que, para tratar as causas do Alzheimer, é preciso remover o excesso das duas proteínas. Por isso, o tratamento com o Aduhelm seria muito simplista, uma vez que ataca somente uma delas, a beta-amiloide”, afirma Suemoto.
A professora da FMUSP explica que a ciência não conseguiu desenvolver nenhuma droga até o momento capaz de agir na proteína tau. “Os testes que buscam atacar a tau para tratar a demência ainda são muito iniciais”, diz.

Os únicos dois testes feitos com o Aduhelm, por sua vez, ainda não foram capazes de comprovar a real eficácia do remédio no combate à causa da demência, de acordo com um painel de especialistas independentes que analisou as evidências dos estudos.

3 – O que dizem os testes com o Aduhelm?

Os dois estudos com o medicamento foram suspensos em 2019 depois que os cientistas não conseguiram demonstrar sua eficácia.

No ano passado, os pesquisadores revisaram os dados e concluíram que, em um dos testes, o Aduhelm reduziu em 22% a perda das funções cognitivas quando administrado em altas doses e somente em pacientes em estágio precoce.

“Foi demonstrado que o medicamento age contra a proteína beta-amiloide nos dois estudos, mas ainda não entendemos se ele tem um benefício claro contra o Alzheimer. Também não sabemos os efeitos colaterais associados ao uso”, explica Suemoto.

Por isso, mesmo com a aprovação nos EUA, o FDA pediu novos testes e afirma que pode revogar a autorização no futuro. Enquanto isso, o medicamento pode ser usado no país.

4 – Por que está sendo considerado pioneiro?
Segundo a agência americana FDA, o Aduhelm é o primeiro tratamento que “visa a fisiopatologia subjacente da doença de Alzheimer, a presença de placas de beta-amiloide no cérebro”.

“É a primeira droga que promete mudar o rumo do Alzheimer em pacientes no estágio inicial da doença”, explica Suemoto.

Isso significa que os poucos medicamentos disponíveis até o momento tratam os sintomas já instalados – alteração de humor, perda de memória etc – e não a causa da doença.

Vale ressaltar que nem o Aduhelm nem qualquer outro fármaco fala em cura do Alzheimer.

Leia também: Alimentos que podem desencadear o processo que resulta no câncer

5 – Existe uma estimativa de custo do tratamento?
Desenvolvido pela empresa Biogen Inc., o medicamento não é barato: pode custar 50 mil dólares – cerca de R$ 250 mil – por ano.

6 – O que é o Alzheimer?
O Alzheimer é uma demência progressiva que ataca o funcionamento do cérebro, acarretando problemas de memória, pensamento e comportamento. No estágio avançado, “a pessoa acaba perdendo a própria personalidade”, diz Suemoto.

Os primeiros sinais começam, na maioria dos casos, a partir dos 65 anos. Entre os sintomas mais comuns estão:

Mudanças no humor ou personalidade
Confusão mental em relação a lugares, eventos e pessoas
Perda de memória
Alteração na capacidade de planejar
Dificuldade para resolver problemas
Dificuldade para completar tarefas que antes eram fáceis
Dificuldade de comunicação falada e escrita

É a causa mais comum de demência no mundo todo. Logo em seguida, aparece a demência causada por acidentes vasculares cerebrais.

7 – Quais os fatores de risco para o desenvolvimento da doença?
O Alzheimer tem fatores de risco fixos, como a idade (idosos com mais de 65 anos) e a genética (parente de primeiro grau teve a doença), e fatores modificáveis, como as condições e o estilo de vida.

“O nível de educação é um fator para o Alzheimer. Quanto mais uma pessoa estudar durante a vida, menor o fator de risco, principalmente se os estudos começarem na primeira infância”, diz Suemoto.

Outros fatores de risco modificáveis associados ao Alzheimer:

Obesidade
Doenças cardiovasculares
Traumatismo craniano moderado e grave

Leia também:Como a prática do Tai Chi Chuan é benéfica no equilíbrio físico e mental depois dos 50

8 – Como é feito o diagnóstico?
Suemoto explica que é mais comum os sintomas dos Alzheimer serem percebidos primeiro pelas pessoas próximas da pessoa.

“Geralmente, as pessoas próximas comentam com o médico a presença desses sintomas”, diz.

A partir da suspeita, o médico solicita exames de sangue (para excluir qualquer outro diagnóstico), imagiologia cerebral, exame neurológico e faz uma série de testes cognitivos para avaliar a memória, a capacidade de raciocinar e a linguagem do paciente.

9 – Como é atualmente o tratamento do Alzheimer?
Existem apenas dois remédios para tratar a doença. O último deles foi aprovado em 2003, a memantina, que age impedindo a ação do excesso do glutamato nos neurônios. Altos níveis do composto facilitam a entrada do cálcio nas células neuronais, levando-as à morte.

O outro medicamento são os anticolinesterásicos, que visam aumentar o nível de acetilcolina, um neurotransmissor decisivo no desempenho cognitivo do paciente.

Além do tratamento medicamentoso, é recomendado a participação em atividades agradáveis ao paciente, com o objetivo de melhorar o humor e bem estar, assim como intervenções comportamentais, para ajudar com as mudanças comportamentais como agressão, insônia e agitação.

Leia também:Dra. Auristela Lins – Por que é essencial que todos tomem a segunda dose da vacina

close

Inscreva-se para receber conteúdo incrível em sua caixa de entrada, todas as semanas

Prometemos que nunca enviaremos spam! Leia nossa Política de privacidade para mais detalhes.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais