fbpx

Estados Unidos aprovam primeiro remédio que pode conter o avanço do Alzheimer

Por Maya Santana

Doença é o tipo mais comum de demência no Brasil e no mundo em pessoas a partir dos 65 anos. Foto: Internet

Embora especialistas afirmem que ainda será preciso mais estudos para comprovar a eficácia do novo medicamento contra Alzheimer, a notícia traz esperança, principalmente porque esse é o tipo mais comum de demência não só no Brasil, mas no mundo. O Aduhelm é o primeiro remédio contra a doença aprovado nos Estados Unidos desde 2003 e também o primeiro destinado a conter o avanço da demência, que acomete as pessoas a partir dos 65 anos. Há cautela porque a agência que aprova medicamentos nos EUA, espécie de Anvisa, pediu novos testes e adiantou que pode vir a suspender a autorização. Mas o remédio já pode ser usado pelos americanos.

Leia a reportagem de Laís Modelli, do portal G1:

A agência reguladora de medicamentos dos Estados Unidos, a FDA, aprovou na segunda-feira (7) um novo medicamento para tratar pacientes de Alzheimer em estágio inicial, chamado de Aduhelm. O fármaco é o primeiro que promete retardar a progressão da doença, que leva a perda severa da memória e de outras funções cognitivas.

O Aduhelm é ainda o primeiro medicamento aprovado em 18 anos contra o Alzheimer, o tipo de demência mais comum no Brasil e no mundo.

Apesar da esperança, a médica e professora de Geriatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), Claudia Suemoto, ressalta que os estudos sobre o fármaco ainda não foram capazes de comprovar eficácia (entenda a polêmica abaixo).

“A aprovação pelo FDA me parece bastante precoce”, diz Suemoto, que também é pesquisadora do Biobanco de Encéfalos Humanos da FMUSP.

No Brasil, a farmacêutica desenvolvedora já entrou com pedido de liberação da nova droga no país.

Abaixo, entenda o que está em jogo em 9 pontos:

1 – Como funciona o novo medicamento aprovado nos EUA?
2 – Qual a polêmica em torno do Aduhelm?
3 – O que dizem os testes?
4 – Por que está sendo considerado pioneiro?
5 – Existe uma estimativa de custo do tratamento?
6 – O que é o Alzheimer?
7 – Quais os fatores de risco para o desenvolvimento da doença?
8 – Como é feito o diagnóstico?
9 – Como é o tratamento atualmente do Alzheimer?

1 – Como funciona o remédio liberado pelos EUA?
O Aduhelm, também conhecido por seu nome genérico aducanumabe, é desenvolvido a partir de células de defesa de idosos sem demência.

Colesterol no cérebro está associado a surgimento da doença de Alzheimer, diz estudo
Sintomas: Teste usa 10 indicadores para detectar sinais de Alzheimer em 5 minutos
Ele age por meio de anticorpos monoclonais, que removem depósitos da proteína beta-amiloide, presente em excesso no cérebro de pessoas com Alzheimer. Além disso, ao fornecer anticorpos, o remédio restaura parte da capacidade do organismo de eliminar o acúmulo da proteína.

Os desenvolvedores acreditam que, impedindo o excesso da beta-amiloide no estágio precoce da demência, é possível impedir que o paciente evolua para a perda severa de memória e a incapacidade de cuidar de si mesmo.

Leia também:Dra. Auristela Lins fala da importância do exercício físico para a prevenção de demências

2 – Qual a polêmica em torno do Aduhelm?
O Alzheimer é causado pelo acúmulo de duas – e não apenas de uma – proteínas no cérebro: a beta-amiloide, presente nos tecidos cerebrais, e a tau, que se acumula no interior dos neurônios.

“Muitos cientistas consideram que, para tratar as causas do Alzheimer, é preciso remover o excesso das duas proteínas. Por isso, o tratamento com o Aduhelm seria muito simplista, uma vez que ataca somente uma delas, a beta-amiloide”, afirma Suemoto.
A professora da FMUSP explica que a ciência não conseguiu desenvolver nenhuma droga até o momento capaz de agir na proteína tau. “Os testes que buscam atacar a tau para tratar a demência ainda são muito iniciais”, diz.

Os únicos dois testes feitos com o Aduhelm, por sua vez, ainda não foram capazes de comprovar a real eficácia do remédio no combate à causa da demência, de acordo com um painel de especialistas independentes que analisou as evidências dos estudos.

3 – O que dizem os testes com o Aduhelm?

Os dois estudos com o medicamento foram suspensos em 2019 depois que os cientistas não conseguiram demonstrar sua eficácia.

No ano passado, os pesquisadores revisaram os dados e concluíram que, em um dos testes, o Aduhelm reduziu em 22% a perda das funções cognitivas quando administrado em altas doses e somente em pacientes em estágio precoce.

“Foi demonstrado que o medicamento age contra a proteína beta-amiloide nos dois estudos, mas ainda não entendemos se ele tem um benefício claro contra o Alzheimer. Também não sabemos os efeitos colaterais associados ao uso”, explica Suemoto.

Por isso, mesmo com a aprovação nos EUA, o FDA pediu novos testes e afirma que pode revogar a autorização no futuro. Enquanto isso, o medicamento pode ser usado no país.

4 – Por que está sendo considerado pioneiro?
Segundo a agência americana FDA, o Aduhelm é o primeiro tratamento que “visa a fisiopatologia subjacente da doença de Alzheimer, a presença de placas de beta-amiloide no cérebro”.

“É a primeira droga que promete mudar o rumo do Alzheimer em pacientes no estágio inicial da doença”, explica Suemoto.

Isso significa que os poucos medicamentos disponíveis até o momento tratam os sintomas já instalados – alteração de humor, perda de memória etc – e não a causa da doença.

Vale ressaltar que nem o Aduhelm nem qualquer outro fármaco fala em cura do Alzheimer.

Leia também: Alimentos que podem desencadear o processo que resulta no câncer

5 – Existe uma estimativa de custo do tratamento?
Desenvolvido pela empresa Biogen Inc., o medicamento não é barato: pode custar 50 mil dólares – cerca de R$ 250 mil – por ano.

6 – O que é o Alzheimer?
O Alzheimer é uma demência progressiva que ataca o funcionamento do cérebro, acarretando problemas de memória, pensamento e comportamento. No estágio avançado, “a pessoa acaba perdendo a própria personalidade”, diz Suemoto.

Os primeiros sinais começam, na maioria dos casos, a partir dos 65 anos. Entre os sintomas mais comuns estão:

Mudanças no humor ou personalidade
Confusão mental em relação a lugares, eventos e pessoas
Perda de memória
Alteração na capacidade de planejar
Dificuldade para resolver problemas
Dificuldade para completar tarefas que antes eram fáceis
Dificuldade de comunicação falada e escrita

É a causa mais comum de demência no mundo todo. Logo em seguida, aparece a demência causada por acidentes vasculares cerebrais.

7 – Quais os fatores de risco para o desenvolvimento da doença?
O Alzheimer tem fatores de risco fixos, como a idade (idosos com mais de 65 anos) e a genética (parente de primeiro grau teve a doença), e fatores modificáveis, como as condições e o estilo de vida.

“O nível de educação é um fator para o Alzheimer. Quanto mais uma pessoa estudar durante a vida, menor o fator de risco, principalmente se os estudos começarem na primeira infância”, diz Suemoto.

Outros fatores de risco modificáveis associados ao Alzheimer:

Obesidade
Doenças cardiovasculares
Traumatismo craniano moderado e grave

Leia também:Como a prática do Tai Chi Chuan é benéfica no equilíbrio físico e mental depois dos 50

8 – Como é feito o diagnóstico?
Suemoto explica que é mais comum os sintomas dos Alzheimer serem percebidos primeiro pelas pessoas próximas da pessoa.

“Geralmente, as pessoas próximas comentam com o médico a presença desses sintomas”, diz.

A partir da suspeita, o médico solicita exames de sangue (para excluir qualquer outro diagnóstico), imagiologia cerebral, exame neurológico e faz uma série de testes cognitivos para avaliar a memória, a capacidade de raciocinar e a linguagem do paciente.

9 – Como é atualmente o tratamento do Alzheimer?
Existem apenas dois remédios para tratar a doença. O último deles foi aprovado em 2003, a memantina, que age impedindo a ação do excesso do glutamato nos neurônios. Altos níveis do composto facilitam a entrada do cálcio nas células neuronais, levando-as à morte.

O outro medicamento são os anticolinesterásicos, que visam aumentar o nível de acetilcolina, um neurotransmissor decisivo no desempenho cognitivo do paciente.

Além do tratamento medicamentoso, é recomendado a participação em atividades agradáveis ao paciente, com o objetivo de melhorar o humor e bem estar, assim como intervenções comportamentais, para ajudar com as mudanças comportamentais como agressão, insônia e agitação.

Leia também:Dra. Auristela Lins – Por que é essencial que todos tomem a segunda dose da vacina

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais