fbpx

Ex-ídolo do basquete, Da Penha, 64, morre totalmente esquecido

Por Maya Santana

Da Penha, jogador de basquete de cadeira de rodas – foto: Tinda Costa

Da Penha, 64, jogador de basquete de cadeira de rodas – foto: Tinda Costa

Maya Santana, 50emais

Escrevi esse artigo há dois anos. Estou postando novamente aqui no 50emais como tributo ao meu amigo Francisco, ex-campeão de basquete de cadeira de rodas nos anos 70, que morreu nesta quarta-feira, 28 de dezembro, de um ataque cardíaco fulminante, aos 64 anos. Desde que me mudei para o Rio de Janeiro, há quase sete anos, conversava com ele todos os dias. Francisco chegava pouco depois das 6h da manhã à frente do shopping Rio Design, no Leblon, onde ficava atè as 16h vendendo os panos de pratos confeccionados pela mulher. Ontem, quando saí para a caminhada matinal, ele não estava lá. Esta manhã, bem cedo, veio o telefonema com a inacreditável notícia: passou mal em casa, foi levado para um hospital da zona norte da cidade, mas não resistiu. Um baque. Descanse em paz, meu querido amigo.

Leia a história triste de um atleta brasileiro:

Eu e todo mundo que não o conhece há tanto tempo o chamamos de Francisco. Mas o que ele gosta mesmo é quando aparece algum antigo conhecido para lembrar aos que estão em volta que ali está o Da Penha: o atleta que participou de equipes de basquete em cadeiras de rodas, defendendo o Brasil em competições mundo afora – Itália, França, Alemanha, Portugal, Estados Unidos, Peru, Marrocos , Canadá. Apesar de ter nascido na pobreza, de ter passado fome, o menino de Colatina, no Espírito Santo, que perdeu as duas pernas aos 10 anos, em um acidente no Rio de Janeiro, foi ás também em outras modalidades esportivas – arremesso de peso, dardo, corrida a distância -, colecionando 50 medalhas de ouro, prata e bronze.

Hoje, aos 64 anos, três filhos de dois casamentos e dois netos, Da Penha pode ser encontrado todos os dias, a partir das seis da manhã, na esquina da Avenida Ataulfo de Paiva com a Rua Almirante Guilhen, no Leblon, no Rio, sentado em sua cadeira de rodas, vendendo panos de chão e de prato, confeccionados pela mulher. Vai para casa e volta para o mesmo ponto há 25 anos, graças à carona oferecida por um amigo. É a forma que encontrou para sobreviver. Ao contrário dos atletas de hoje, mesmo sendo um mestre na arte de fazer cestas, um ídolo do basquete durante os seis anos – de 1971 a 1976 – em que representou o Brasil no exterior, Da Penha não ganhou dinheiro.

Com as 50 medalhas no pescoço e no tabuleiro

Com as 50 medalhas no pescoço e no tabuleiro

A história de José Francisco da Penha se assemelha à de tantos outros Da Penhas espalhados pelo Brasil. As glórias da carreira esportiva efêmera passaram, deixando somente lembranças de um tempo em que a vida prometia um futuro de conquistas, o mais longe possível da infância paupérrima. Ao rememorar os primeiros anos de vida, o ex-atleta se recorda de quando, acompanhando a mãe, Cercondina Francisca da Penha, o irmão José Carlos e a irmã Odete, se mudou para o Rio, por volta dos seis anos de idade.

“Morávamos num cubículo. A porta podia ficar aberta o tempo inteiro, porque não tinha nada para roubar”, conta ele. No dia 12 de outubro, data em que comemoraria o aniversário de 10 anos, atravessava a rua, quando um carro o lançou debaixo de um bonde. “Perdi as duas pernas. Era o destino. Mas não perdi a vida”, comenta. No entanto, se a vida já era difícil, a partir daí tornou-se um sacrifício para o adolescente, que chegava a ficar uma semana sem sair de casa, porque o short que usava esgarçava no atrito com o chão e ele não tinha outro para trocar. Se quisesse se locomover, só se arrastando no chão.

Carteirinha dos Jogos Paraolímpicos do Canadá, em 1976

Carteirinha dos Jogos Paraolímpicos do Canadá, em 1976

Apesar da extrema dificuldade, Da Penha não parava. Alguém viu seu desempenho em brincadeiras e jogos com as crianças na rua, gostou e logo ele estava em uma instituição para paraplégicos. Foi ali que começou no basquete. Não precisou muito para mostrar seu enorme talento com a bola. De lá para a seleção brasileira, foi um pulo. Brilhou em todos os países onde jogou com a camisa do Brasil. É desse período de sua vida que Da Penha mais gosta de falar:

“Eu era o ídolo de muita gente. Parecia um Deus dentro da quadra. Quando as partidas terminavam, eu não conseguia sair, tamanho o número de pessoas querendo me abraçar, passar a mão em mim. Era preciso que fizessem um corredor e alguém empurrasse a minha cadeira para que eu pudesse sair da quadra”, diz, emocionado. Por trás dos óculos, os olhos se enchem de lágrimas, que ele, tímido, tenta disfarçar. Foi assim em vários momentos das nossas conversas.

Com a secretária Aspargo Camargo: convidado de honra do PAN, 2007

Com a secretária Aspargo Camargo: convidado de honra do PAN, 2007

Ouvindo a história de Da Penha, seus feitos no Maracanãzinho defendendo o Brasil, me chamou a atenção a multiplicidade de seus talentos. O basquete foi o esporte no qual se sobressaiu mais, mas ele também ganhou medalhas atuando em várias outras modalidades esportivas, inclusive como corredor de distância. Numa das corridas, disputando um campeonato internacional no Rio, ele se lembra dos muitos elogios que recebeu de um americano: “O americano disse que, pelo meu desempenho, eu deveria estar entre os melhores do mundo.”

Pintando no terreiro da casa onde mora

Pintando no terreiro da casa onde mora

Da Penha também faz incursões fora do esporte, se aventurando na arte. Chegou a ganhar algum dinheiro como pintor de quadros, vendidos na feira dominical da Praça General Osório, em Ipanema. Continua pintando, quando está em casa. Algumas de suas pinturas podem ser encontrados em uma loja, em Copacabana. Mas não expõe mais ao ar livre. Deixou a feira de Ipanema e no local onde vende os panos de prato, na frente do shopping Center Rio Design, fiscais não deixam que exponha seu trabalho.

O São Francisco saído dos pincéis do ex-atleta

O São Francisco criado pelos pincéis do ex-atleta

Agora, talvez, Da Penha reflita sobre a razão de tudo ter se dado assim. Foi abandonando o esporte aos poucos e nem ele sabe explicar ao certo porque deixou a bola de vez. A vida do ex-atleta, que ainda vibra com seus feitos e se alimenta das memórias grandiosas do passado, daria um alentado livro. Enquanto nada acontece, ele continua lá, vendendo seus panos de prato e sonhando com algo ou alguém que vai resgatá-lo do total esquecimento a que está relegado.

Este artigo foi publicado pela primeira vez no 50emais em julho de 2014. Todos os dados foram atualizados.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

um + dezessete =

1 Comentários

Ex-ídolo do basquete, Da Penha, 64, morre totalmente esquecido | JETSS – SITES & BLOGS 29 de dezembro de 2016 - 17:12

[…] post Ex-ídolo do basquete, Da Penha, 64, morre totalmente esquecido apareceu primeiro em 50 e […]

Responder