fbpx

Exame anual das mamas deve ser a partir dos 45 anos e não dos 40

Por Maya Santana

No Brasil, a Sociedade Brasileira de Mastologia recomenda que o exame seja feito a partir dos 40 anos

No Brasil, a Sociedade Brasileira de Mastologia recomenda que o exame seja feito a partir dos 40 anos

Ao contrário do Brasil, que recomenda o exame anual das mamas a partir dos 40 anos, a Sociedade Americana de Oncologia indica que mulheres devem esperar até os 45 anos para fazer os exames, justificando que antes dessa idade eles podem gerar biópsias e cirurgias desnecessárias.

Leia o artigo publicado pelo Estado de Minas:

Em uma nova polêmica médica, a Sociedade Americana de Oncologia (ACS, na sigla em inglês) declarou nesta terça-feira (20/10) que as mulheres devem esperar até os 45 anos para começar a realizar a mamografia anual como forma de detecção precoce ao câncer de mama. A recomendação anterior era que as mulheres iniciassem essa rotina de exame aos 40. Uma controvérsia para vários especialistas. No Brasil, a recomendação da Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) é de que o exame seja feito a partir dos 40, anualmente.

Este mês, em que é celebrado o Outubro Rosa, no mundo inteiro as comunidades médicas fazem campanha preventiva contra o câncer de mama, que mata cerca de 15 mil brasileiros anualmente, de acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca).

Como justificativa para a alteração nos Estados unidos, a ACS alega que não há evidências de que o exame é suficiente para salvar vidas. Ao mesmo tempo em que mulheres mais jovens estão sendo aconselhadas a começar mais tarde a realização da mamografia, sugere-se que mulheres acima dos 55 realizem o exame a cada dois anos – e não anualmente, como ocorre hoje. Na prática, pelo menos brasileira, como mostrou o Estado de Minas há uma semana, há aumento de casos da doença em pessoas abaixo de 30 anos, embora não existam dados epidemiológicos que comprovem o crescimento. É uma constatação clínica.

Em função do Outubro Rosa, a SBM está alertando a sociedade para o número de mulheres que não fazem o exame de mamografia. A procura melhorou em relação ao ano passado, mas o país ainda não atingiu os 70%, meta recomendada pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Segundo a entidade, há mamógrafos suficientes no país, no entanto eles estão mal distribuídos – a maioria está nas grandes cidades e capitais, deixando boa parte da população do interior e de pequenos municípios descoberta, com impossibilidade de fazer o exame de maneira rápida. Segundo o presidente da entidade, Ruffo de Freitas Junior, a mamografia é o único exame que pode reduzir a mortalidade por câncer de mama e que muitas mulheres têm medo de fazê-lo por medo da dor ou de encontrar um câncer. “Recomendamos que o exame seja feito a partir dos 40 anos, anualmente. A mulher precisa ser estimulada para essa rotina”, afirma ele.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

5 × 1 =