fbpx

Ideia do Feminino abrange a história da humanidade

Por Maya Santana
a ideia do Feminino

A ideia do Feminino é fonte de inspiração

Alexandre Moreira, Tarólogo

Domingo e, além disso, Dia das Mães é a oportunidade ideal de comentar um pouco sobre a figura da Imperatriz, o Arcano Maior de número 3 do tarot.

É bastante óbvia a figura da Imperatriz logo no início da sequência dos Arcanos Maiores do tarot. Em sendo a 3ª carta, podemos ver como esse arquétipo do feminino é essencial dentro da linguagem simbólica e esotérica desse oráculo.

A Imperatriz é, antes de tudo, a imagem do feminino. É a mulher, a mãe, a esposa, a amante, a sedutora, aquela que gera, pare e nutre suas crias. Ainda que as cartas do tarot não sejam exclusivas de um gênero, de um sexo, a Imperatriz é associada à beleza, graça, elegância, sensualidade, vaidade, bondade e ao fato de estar intimamente vinculada à ideia de maternidade.
Numa leitura oracular, essa carta pode representar a própria consulente, uma outra mulher, a mãe, gravidez (quando associada a outras cartas específicas), produção, natureza, à geração de ideias, criatividade. Pode-se referir à gravidez de um novo ser humano ou a concepção de uma nova ideia, à criação de algo novo.

Especialmente no tarot a Imperatriz é representada, também, pelas 4 Rainhas da Corte: de paus, espadas, copas e ouros. Cada uma dessas majestades simboliza um dos aspectos da Imperatriz: a força criadora, o raciocínio assertivo, a emotividade e a mantenedora. Cada Rainha é uma das facetas dessa Grande Mãe, do Sagrado Feminino, daquela que concebe, gera, cria, sustenta, oferece recursos, cuida e produz frutos. Diferente da Sacerdotisa, que está associada aos aspectos imateriais, lúdicos, esotéricos e psicológicos do que entendemos por Feminino, a carta de número 3 é a materialização desse mesmo Feminino. É a beleza que podemos sentir e tocar, as emoções que desenvolvemos, a produtividade que podemos medir em termos de trabalho e produção e a firmeza de caráter e opiniões.

Fonte inesgotável de inspiração, a ideia do Feminino abrange toda a história da humanidade, nominando o próprio planeta em que habitamos, que como uma Grande Mãe, provê para que possamos existir e sobreviver, até a própria imagem do Amor que a tudo resiste, resignado em sua missão de gerar o Filho e cria-lo para a sua missão de Redentor. Nos referimos como femininos os artistas, as pessoas criativas, aquelas que cultuam o belo e as, assim chamadas, “coisas do espírito”, as Artes, por exemplo. Imperatriz é um Yves Saint Laurent, um Manolo Blahnik, um Tchaikovsky, um Renoir, um Fabergé, um Marcel Proust. São, ou foram, homens que dedicaram a criar e/ou recriar o Belo em sua forma mais intensa e abrangente.

Imperatrizes são as Mães, as Avós, Bisavós, aquelas que tiveram seus próprios filhos e, também, aquelas que criaram os dos outros. As que se dedicaram `a educação, às atividades artísticas em todas as suas denominações, aos cuidados dos doentes, dos necessitados, dos desamparados, dos órfãos. Imperatrizes são todos e todas aqueles que suprem a carência e as necessidades alheias, dentro e fora do seu círculo familiar e social. São as e os que com a sua criatividade, com a sua maneira inovadora, revolucionária de perceber o Mundo, dedicam-se de corpo e alma para, nesta existência, fazer dele um “berço esplêndido” onde possamos viver mais seguros e mais amados. A essas pessoas, onde quer que estejam ou sejam quem forem, os meus votos de um feliz Dia das Mães.

close

Inscreva-se para receber conteúdo incrível em sua caixa de entrada, todas as semanas

Prometemos que nunca enviaremos spam! Leia nossa Política de privacidade para mais detalhes.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais