fbpx

A incontinência urinária é uma doença e tem tratamento

Por Maya Santana

A incontinência urinária afeta

A incontinência urinária afeta 35% das mulheres após a menopausa e quase de 5% dos homens submetidos à cirurgia para retirada da próstata. Estimativas também mostram que as grávidas podem ser vítimas da perda involuntária de urina na gestação e logo após o parto

Tenho amigas que sofrem de incontinência urinária. Boa parte delas acredita que isso é consequência da idade. E praticamente nenhuma faz exercícios para corrigir o problema que, como você vai ver neste artigo, publicado pelo portal Uai, tem tratamento. Saiba mais sobre as causas, sintomas e opções de tratamento para a perda involuntária de urina.

Leia o artigo:

A Incontinência Urinária é um problema que atinge 35% das mulheres após a menopausa e quase de 5% dos homens submetidos à cirurgia para retirada da próstata. Estimativas também mostram que as grávidas podem ser vítimas da perda involuntária de urina na gestação e logo após o parto. O recado da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) é simples: é uma doença, não é normal em nenhuma idade e tem tratamento.

E é justamente o consenso de que a incontinência urinária está relacionada exclusivamente com o envelhecimento que, em muitos casos, por vergonha, pacientes não procuram ajuda. Esse comportamento atrasa o diagnóstico das disfunções do trato urinário e agrava o quadro. No caso específico dos idosos, o que acontece geralmente são alterações na bexiga, seja pelo envelhecimento do esfíncter ou por microcontrações do órgão.

A consequência imediata da doença é o prejuízo do convívio social. As causas são diversas – genéticas, hormonais, envelhecimento, tabagismo, bexiga hiperativa (aumento da frequência que a pessoa precisa urinar de forma urgente), lesões medulares, doenças do sistema nervoso – e existem três tipos de incontinência urinária:

– a de esforço: quando há perda de urina ao tossir, rir, fazer exercício
– a de urgência: ocorre quando há súbita vontade de urinar e a pessoa não consegue chegar a tempo ao banheiro.
– a mista: associação dos dois tipos anteriores.

Prevenção
A melhor forma de prevenir a doença são os exercícios para o fortalecimento da musculatura do assoalho pélvico, importantes para o controle da micção. A atividade é simples: contraia os músculos do períneo por 10 segundos e relaxe por outros 10. Repita a série dez vezes pelo menos três vezes ao dia.

Atividade física, alimentação equilibrada para o controle do ganho de peso e não fumar são exemplos de hábitos saudáveis que também ajudam a prevenir o problema.

Tratamento
Chefe do Departamento de Urologia Feminina da SBU, Márcio Averbeck afirma que mais da metade dos casos de incontinência urinária é de esforço. Para essa situação, o tratamento consiste em exercícios para o assoalho pélvico, medicamentos ou cirurgia como a neuromodulação sacral, técnica que utiliza um aparelho semelhante a um marca-passo para estimular os nervos que proporcionam o controle da bexiga. Desde 2014 essa abordagem terapêutica já é oferecida pelos planos de saúde. Clique aqui para ler mais.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

3 × dois =