fbpx

Jovem aos 91 anos, Nora Rónai nada e salta de paraquedas

Por Maya Santana

A fantástica nonagenária mostra que vitalidade não tem a ver com a idade

A fantástica nonagenária mostra que vitalidade não tem a ver com a idade

Se existe uma mulher por quem tenho a mais profunda admiração é Nora Rónai, pela maneira saudável e brilhante com que leva a vida. Aos 90 anos, ela não para. Aliás, parece que esse é o segredo para tanta vitalidade. Sobrevivente do nazismo, ela chegou ao Brasil em 1941, onde formou-se em arquitetura e deu aulas na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Só mais tarde, viria a se dedicar à natação, uma de suas grandes paixões. Campeã, ela coleciona medalhas.

Leia mais sobre essa mulher extraordinária nesse artigo do site soumaiseu.uol.com.br:

A vida ensinou Nora Tausz Rónai a vencer provas e desafiar os limites do corpo. Hoje, aos 90 anos, ela é atleta e viaja o mundo participando de campeonatos de natação. Praticou salto em plataforma, fez slalom na neve e não hesitou em pular de paraquedas quando completou 80 anos. Mas, há 73 anos, o que estava em disputa era sua sobrevivência. Em maio de 1941, com os pais e o irmão, Giorgio, ela desembarcou no Rio de Janeiro após uma atribulada viagem para escapar do nazismo. Professora aposentada de arquitetura, Nora narra seu caminho em Memórias de um Lugar Chamado Onde (Ed. Casa da Palavra). A história da família Tausz virou livro quase por acaso. “Minha neta precisava fazer um trabalho para a escola contando a história de uma avó ou um avô. Com três ou quatro páginas que escrevi, ela já ficou satisfeita e recebeu nota 10”, revela Nora, que tem quatro netos e seis bisnetos.

Com quatro netos e seis bisnetos. ela é campeã de natação. Começou a competir depois dos 60 anos

Campeã de natação, ela tem 4 netos e 6 bisnetos e venceu um câncer no seio

Tempos de guerra

Muito do que a família Tausz viveu na Itália é dramático, o que Nora conta sem amargura. O regime fascista de Mussolini impunha leis raciais. Uma delas atingiu em cheio a pequena Nora. Toda criança judia era proibida de frequentar a escola “para não contaminar os meninos arianos”. Foi um dos períodos mais difíceis de sua vida. Com a guerra, ela perdeu parentes. O pai e o irmão foram levados para um campo nazista, mas acabaram resgatados. Uma próxima prisão seria fatal. Chegara a hora de deixar a Itália. A solução foi recorrer ao Vaticano, que havia recebido do governo brasileiro 3 mil vistos destinados a atender católicos e judeus batizados.

Sobrevivente do nazismo,  Nora conta sua história no livro Memórias de um Lugar Chamado Onde

Sobrevivente do nazismo, Nora conta sua história no livro Memórias de um Lugar Chamado Onde

Paixão pelas piscinas

No Brasil, Nora formou-se em arquitetura e se tornou professora da UFRJ. Ela sorri diante de uma pergunta sobre o assunto de que mais gosta de falar: sua performance nas piscinas. Leva a sério. Treina quatro vezes por semana, durante uma hora, e participa das competições da Federação Internacional da Natação Amadora, categoria Máster. No passado, ela bateu o recorde mundial no Torneio Mais Mais de Natação Máster, nos 100 m borboleta, além de ser detentora de um recorde mundial no revezamento 4×100, obtido na Suécia. Ela diz que sempre foi competitiva. Antes de nadar, praticava salto de plataforma. Mas a natação é sua grande paixão, além de ser, como admite, uma maneira de superar os momentos difíceis. É o seu refúgio. Foi após a morte do marido que ela intensificou a participação em campeonatos de máster. A partir daí, viaja o mundo disputando campeonatos oficiais. A filha, Cora, que já a acompanhou em algumas dessas etapas, descreve a emoção de ver a mãe competir: “É muito bacana ver a reação das pessoas aos tempos e à garra da mamãe. Ela é aplaudida e cumprimentada na piscina”.

Com o marido, o grande intelectual Paulo Rónai, companheiro de tantas décadas

Com o marido, o grande intelectual Paulo Rónai, companheiro de tantas décadas

Disposição é com ela mesma. Salto de paraquedas em queda livre foi algo que a fascinou tanto que, em 2004, pediu para experimentar, como presente de aniversário dos 80 anos. Embarcou em um pequeno avião, ouviu as instruções e preparou-se para saltar. “Estava no ar, como se estivesse voando. Foi muito gostoso”, recorda. Sentiu uma certa dificuldade para respirar em função da velocidade da queda antes da abertura do paraquedas, mas aprovou a experiência. “A tontura demorou um pouco a passar. Depois, minha amiga cardiologista me passou um pito. Falou que eu não deveria ter feito aquilo. Mas estava feito” – completa, rindo. Medo, garante que não sentiu. “Como saltava de plataforma de 10 m, tinha algum treino. Além disso, quando criança, gostava de esquiar. Na Itália, eu fazia slalom de uma altura de 25 m. Nem era permitido a meninas, mas eu conseguia enganar os fiscais”, diz. Para conseguir toda essa energia, Nora não tem segredos. “Nunca fui de comer muito. No café da manhã, tomo suco de berinjela ou de laranja-lima, uma caneca de café com leite e como dois pãezinhos com geleia. No almoço, gosto de frutos do mar, mas também como carne ou frango. No jantar, um lanche leve, frango com salada.” Clique aqui para ler mais.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





1 Comentários

lisa santana 26 de novembro de 2015 - 13:40

Eis aí uma mulher admirável.

Responder

Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais