fbpx

Laboratórios investem no "viagra feminino"

Por Maya Santana

Pesquisas parecem estar mais próximas da pílula da satisfação sexual das mulheres

Pesquisas parecem estar mais próximas da pílula da satisfação sexual das mulheres


Para a indústria farmacêutica, é como a busca pelo Santo Graal: encontrar a pílula do desejo feminino tem se mostrado um processo tão complexo e infrutífero quanto a perseguição ao mitológico Cálice Sagrado por cavaleiros medievais. Hoje, no entanto, as pesquisas parecem estar mais próximas de um medicamento que dê às mulheres com distúrbios sexuais a satisfação que o Viagra e seus concorrentes dão aos homens.
O principal contendor nessa corrida é o laboratório Emotional Brain, segundo aponta o jornalista Daniel Bergner, autor de “What Do Women Want?: Adventures in the Science of Female Desire” (o que as mulheres querem?: aventuras na ciência do desejo feminino), lançado neste mês nos EUA. A empresa, fundada na Holanda, vem realizando testes com as drogas Lybrido e Lybridos. Espera ter ainda neste ano aprovação da FDA (vigilância sanitária dos EUA) para fazer testes com um número maior de mulheres e estima em dois anos o prazo para chegar ao mercado.
Apesar do otimismo do dono da companhia, Adriaan Tuiten, experiências anteriores citadas no livro acabaram suspensas depois de milhões de dólares gastos e resultados insatisfatórios. Há o caso do Bremelanotide, que teve bons resultados em testes em 2006 e 2007. Ratinhas que usaram o medicamento deram explosivas demonstrações de disposição para o sexo. Quando chegou às mulheres, relata o livro, as reações foram animadoras “””Eu estava totalmente focada em sexo, não pensava em mais coisa nenhuma”, disse uma das participantes da experiência.
O medicamento, porém, provocava náusea e aumento da pressão, e o projeto acabou abortado. O Bremelanotide, assim como outras drogas experimentadas no passado, estão sendo testados novamente, em outras formulações. Leia mais em folha.com.br

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

20 − 6 =