Lêda Gontijo, 101 anos: “O sucesso da minha saúde é o trabalho”

Por Maya Santana
A centenária artista mineira foi aluna de Guignard

A centenária artista mineira, que foi aluna de Guignard, continua muito ativa

Shirley Pacelli – Estado de Minas –

São 12 horas por dia trabalhando. Vinte e cinco netos e 24 bisnetos. Idade? 101 anos. Mas talvez o mais importante número seja o 18º São Francisco de Assis que está em processo de criação pelas mãos de Lêda Gontijo. Do alto do seu centenário e prestes a completar mais um aniversário no próximo dia 12, a artista plástica mineira não para. “O sucesso da minha saúde é o trabalho”, diz.

Em celebração aos seus 101 anos, Lêda ganha a exposição Força estranha, a partir da próxima quarta-feira, na galeria de arte do Minas Tênis Clube. Com curadoria de Paulo Rossi, serão exibidas 80 obras que fazem uma retrospectiva da carreira da artista.

Peças de argila, cerâmica, madeira e pedra estão entre as selecionadas. “Sou muito eclética. Não tenho estilo. Faço o que dá na cabeça. Quero fazer pássaro, faço pássaro. Quero figura humana, faço. (Ter) Obrigação é muito chato”, afirma dona Lêda.

A idade não lhe roubou a memória e apurou seu senso de humor. Mas também lhe deu o direito à sinceridade. “Já perdi as contas na minha vida de quantas exposições fiz. Quero ver se agora chega de fazer exposição, né? Trabalhar na hora que tem vontade, sem compromisso. O que cansa a gente é o tal do compromisso.”

A artista recebeu o Estado de Minas em sua casa, em Lagoa Santa, um terreno arborizado de 8 mil metros quadrados, a uma quadra do cartão-postal da cidade. Em meio a coqueiros e gramado verdinho, peças de pedra-sabão e concreto se espalham pela área. Tem sapo, tomate gigante e até uma obra em homenagem a um cão querido que já se foi.

Em sua sala, dona Lêda ostenta seu retrato inacabado feito por Alberto da Veiga Guignard (1896-1962), de quem foi uma das primeiras alunas. É entre jabuticabeiras e uma mangueira que fica o Mi Ranchito, ateliê onde tudo se transforma pelas mãos de dona Lêda.

A escultora tem carinho e cuidado com suas obras. Para a exposição, vieram peças de São Paulo e do Rio de Janeiro. Algumas chegaram arranhadas ou quebradas e ela passou horas reparando-as. “Estou fazendo uma vistoria”, explicou. De todas as peças que criou, a artista destaca duas: as imagens de São Tomás de Aquino e São Agostinho que estão no Mausoléu dos Imortais, no Cemitério São João Batista (Rio de Janeiro). “Considero-as minhas obras-primas, porque levei um ano para fazer cada escultura.”

MEDALHA Foi com elas que dona Lêda se tornou a primeira mulher a ganhar a medalha Machado de Assis, da Academia Brasileira de Letras, em 1964. Feitas em pedra-sabão, em tamanho natural, as obras ficarão de fora da exposição, devido à dificuldade de transporte. “Meu neto me telefonou rindo muito e falou: ‘Vovó, você vai ficar muito orgulhosa e vai rir demais da conta’. Falei: ‘o que houve meu filho?’. ‘Vim aqui para tirar uns retratos porque as esculturas são muito grandes e muito pesadas, não tem como transportar. O coveiro encontrou comigo para abrir a cripta e contou sua vida inteira’”, conta dona Lêda. Clique aqui para ler mais.


CONTEÚDO PUBLICITÁRIO

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





3 Comentários

MaGrace Simão 7 de junho de 2016 - 15:45

Não conheço nem dona Leda nem aos seus trabalhos. Mas parabenizo-a pela idade e pela tenacidade de continuar criando aos 102 anos. Lembrei-me de Cora Coralina aqui do Goiás Velho, que começou bemmais tarde, mas continuou criando os mais belos versos de amor pela vida até bem velhinha. Beijos dona Le
da!

Responder
SEMANA DA MULHER.... - Dicas e Oportunidades 7 de março de 2016 - 12:06

[…] Lêda Gontijo, 100 anos: “O sucesso da minha saúde é o trabalho” […]

Responder
Elza Cataldo 7 de março de 2016 - 10:30

Esse é também o meu lema: trabalho é saúde!

Responder

Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais