Leila Ferreira: A solidão nestes tempos estranhos em que vivemos

Por Maya Santana

A jornalista e escritora Leila Ferreira fala dessa faceta cruel que chega com o envelhecimento

50emais

A antropóloga Mirian Goldenberg escreveu uma vez que “o envelhecimento traz uma grande mudança: você deixa de existir para os outros e se liberta pela primeira vez.” A parte boa do envelhecer é a liberdade que se adquire para sermos nós mesmos. O lado triste é exatamente a primeira metade da resposta da antropóloga: as muitas amizades da juventude vão sumindo ao longo do caminho, os filhos deixam os pais,seguem seu caminho. E, num certo ponto, é inevitável a constatação da nossa própria solidão. Na Grã-Bretanha, que tem uma população bem mais envelhecida do que a nossa, os filhos costumam sair de casa aos 18 anos. Com isso, o número de idosos vivendo sozinhos no país é tão grande que o governo decidiu criar o ministério da Solidão, para prestar assistência a essa parcela dos britânicos. No vídeo que você vai ver abaixo, a jornalista e escritora Leila Ferreira fala dessa faceta cruel do envelhecimento. Ela comenta o “The Lonely Century” – O Século da Solidão -, da americana Noreena Hertz, conta vários casos, inclusive do Japão, país que tem a população mais envelhecida do planeta e enfrenta sérios problemas com o fato de muitos japoneses mais velhos viverem sós, sem ter sequer com quem conversar.

Veja:

Veja também de Leila Ferreira:

Crônica de uma filha que perdeu a mãe para o alzheimer

A felicidade é a soma das pequenas felicidades

Clique aqui para acessar o canal de Leila Ferreira no Youtube


CONTEÚDO PUBLICITÁRIO

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário





2 Comentários

Marilene Santa Rosa Grosse 18 de setembro de 2021 - 18:05

Boa noite. Realmente a solidão depois de uma certa idade NAO E NADA FACIL! Porém tem seus pros e contras…Demorei/ demorando muito pra aceitar certas coisas, principalmente a ausencia dos filhos que se vão, que se foram e não voltam mais! Mas os filhos de franco-brasileiros crescem com um outro espirito de familia e pra nos que acostumados com as nossas reuniões de familia é simplesmente doloroso! Tem aquela coisa de marcar dia hora,etc .Nunca veem de surpresa e se não o convidarmos pior ainda! Telefonar? Raramente!…Bem mas dizem que é a nova geraçao. Confesso que sofro e lamento essa atitude poque a solidão, as vezes, é pesada, doi, amarga…mas tenho que me acostumar. C’est la vie!

Responder
Maya Santana 19 de setembro de 2021 - 11:17

Marilene, essa é uma realidade com a qual muitos de nós temos que conviver. Não há como mudá-la. Ao envelhecermos, a vida nos obriga a olhar para nós mesmos, a adentrar mais e mais a nossa alma e não ficar a mercê da alegria que vem com a atitude de outras pessoas, seja elas filhos ou não. A leitura, um bom filme na TV, o contato com os amigos, os exercícios físicos(fundamentais!), cuidados em relação à alimentação e ao sono, alimentar a espiritualidade. Tudo isso ajuda a nos conhecer melhor e nos torna menos dependentes dos outros. E, assim, mais satisfeitos com a existência. Nosso abraço mais carinhoso para você. E volte sempre ao 50emais!

Responder

Utilizamos cookies essenciais de acordo com a nossa Política de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Leia mais