fbpx

Mãe de gêmeos aos 61 anos brinca: Não sou avó

Por Maya Santana

Antônia Letícia passa o dia inteiro cuidandos dos dois filhos

Antônia Letícia passa o dia inteiro cuidandos dos dois filhos

Cinco meses após o nascimento que repercutiu na imprensa mundial, os gêmeos Roberto e Sofia, filhos de Antônia Letícia Asti, de 61 anos, e José César Asti, de 55 anos, ainda fazem sucesso por onde passam em Santos, no litoral de São Paulo. Quando vão ao médico, eles sempre são reconhecidos. Para muitos, as crianças são sinônimo de superação. A mãe garante que não falta disposição para trocar fraldas, amamentar, brincar, levar às consultas e passear com os bebês.

Apesar da correria, comum a qualquer mãe de gêmeos, Antônia Letícia afirma que não troca este momento por nada. “Levo uma vida normal. Aproveito cada segundo ao lado deles e tenho disposição de sobra para olhar as crianças. Não tenho ninguém para me ajudar a olhá-los. Acredito que eu tive eles na hora certa. Se pudesse voltar no tempo, não teria feito absolutamente nada diferente”, afirma.

Roberto e Sofia vestidos com as cores tradicionais que distinguem menina de menino

Roberto e Sofia vão completar seis meses este mês

Os bebês são calmos e sorridentes. Roberto e Sofia nasceram prematuros e precisaram ficar internados por mais de dois meses antes de receberem alta do hospital. Hoje, no entanto, passam bem. O menino pesa 4,8 kg e a menina, 4,660 kg.  Ambos se revezam nas mamadas no colo da mãe. Inclusive, Antônia fez um tratamento para poder amamentar, ela conta que prefere balançar um no carrinho e o outro no colo, e que desta forma está funcionando bem. “Eles não são ciumentos, mas eu sempre intercalo para pegar os dois”, diz.

Para Antônia, ter sido mãe aos 61 anos não foi um problema. Ela afirma ter a mesma disposição de uma mulher de 30 anos. Porém, conta que ainda sofre com algumas situações delicadas. “As mães que me reconhecem sempre me parabenizam pelos bebês, mas várias vezes já fui chamada de avó, perguntam qual o nome dos netos, essas coisas. Não sou avó. Sempre tem alguém por perto para explicar que eu sou a mãe”, relata.

Ela ainda brinca com a situação e pede para que o menino fique de olho em Sofia. “Eu brinco com o Roberto, dizendo que ele vai ter que ficar de olho na irmã dele nas festinhas, porque aos 80 anos de idade eu não vou poder mais ficar indo atrás dela. É bom que são dois irmãos. Assim ele pode cuidar dela”, conta. Leia mais em oglobo.com.br

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

dezessete − 12 =

1 Comentários

Avatar
ana 6 de abril de 2013 - 01:09

Parabéns pelos filhotinhos lindos

Responder